Resenha - Gamma Ray (Master Hall, Curitiba, 16/11/2005)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Clóvis Roman
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.










Pela terceira vez o Gamma Ray se apresentou em Curitiba, e novamente o público não foi lá aquelas coisas. Se em 1997 havia meia duzia de gatos pingados, e em 2003 os alemães encheram o Moinho, desta vez não mais que 500 pagantes presenciaram o show. A apresentação em si foi bem superior a da última vez, mas mesmo assim faltou alguma coisa.

Originalmente publicado no site www.order-news.cjb.net

E para piorar, uma fraca banda de abertura. O FireBlade já havia me assustado 4 dias antes (12/11), num festival, onde fizeram um show nada menos que medonho. Mas aqui, no opening-act do Gamma Ray a coisa foi diferente. Foi pior! O quarteto pode até saber tocar seus respectivos instrumentos, mas pelo amor de deus (ou qualquer outra entidade religiosa), eles são ruins! Não pela falta de originalidade, nem pelos solos toscos, e nem pelo baterista apenas correto. Estes fatores são apenas detalhes quando entra o vocal. O cara tem uma das vozes mais pavorosas que já tive oportunidade de ouvir. E além de forçar demais, tem uma presença de palco bizarra. As covers de Iron Maiden ficaram medianas, já "Crazy Train" e "Bark At The Moon" ficaram ainda piores! Isto foi outra coisa lamentável do FireBlade: Tocar 4 covers num setlist de no máximo 9 é ridículo. Desperdiçar uma oportunidade destas de mostrar seu trabalho, tocando apenas covers clichês, é muito amadorismo.

Aproximadamente 22h40, o quarteto sobe ao palco ao som de "Welcome", introdução do primeiro disco, Heading For Tomorrow. E assim como no Alive'95, abrem o show com "Land Of The Free", e em seguida, outro clássico do debut, "Heaven Can Wait". Devido ao empurra-empurra na grade, a imprensa sai da frente do palco e se dispersa pelo Curitiba Master Hall, que estava bem vazio. Tinha menos gente ainda que no Stratovarius.

Em seguida, três canções novas, "My Temple", "Fight" e "Blood Religion" - a primeira com sua ridícula citação à "Sabbath Bloody Sabbath", as outras duas com melodias interessantes, mas nada muito atrativo. De qualquer modo, funcionaram bem ao vivo. Nestas horas, melhor ir para o bar beber umas cervejas com os amigos.

Não há comparação entre as músicas mais recentes e o material mais antigo. A banda era inovadora e engraçada, hoje, são um pastiche de si mesmos. E às vezes parecem burocráticos demais na execução, apesar de Kai Hansen ser um excelente frontman.

Com uma latinha custando apenas R$ 2,00, várias foram consumidas enquanto o Gamma Ray tocava sons como "Heavy Metal Universe" e a antiga "One With The World". Depois de um solo de bateria (sempre chatos), veio finalmente uma música que fez os fãs agitarem: "Beyond The Black Hole", do master-piece Somewhere Out In Space. "New World Order" com seu refrão plagiado de "Hell Bent For Leather" foi outro momento interessante.

Mais uma do H.F.T, "The Silence", cantada em uníssono, e excelente, mesmo com a voz de pato rouco de Hansen (para quem não sabe, a versão original foi gravada por Ralph Scheephers, hoje no Primal Fear). A mais que clássica "Rebellion In Dreamland" encerrou a primeira parte do show.

Na volta para o encore, a legalzinha "Valley Of The Kings", e fabulosa "Somewhere Out In Space", onde no meio da musica rolou uma interação com o público. Mais um intervalo, e vêm o fim definitivo com "Send Me A Sign". O setlist foi curtíssimo, apenas 14 músicas. Felizmente, não tocaram nada do Helloween (que deixem isto para o próprio Helloween, certo?).

Depois de tudo, o pessoal da imprensa e integrantes do fã clube oficial da banda tiveram acesso ao camarim, onde os integrantes do Gamma Ray autografaram e tiraram fotos com todos.

Agradecimentos: Érika, da ShowMaster; aos amigos de imprensa; ao pessoal do Fã clube oficial do Gamma Ray; aos caras que me pagaram uma cerveja; ao Emerson pela bebedeira; a Ana por sua agradável companhia; o mesmo aos meus amigos Caio, Antonio e Jhonys (e pela carona também); Augusto, pela máquina; aos conhecidos encontrados e claro, Kai Hansen, Dirk, Henjo e Dan, pelo carisma atenção e humildade. Grato!

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

HelloweenHelloween
Banda homenageará Ingo na turnê de reunião

1671 acessosHelloween: Uli compartilha experiências de vida no Rock Mania0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Gamma Ray"

Power MetalPower Metal
Conheça dez álbuns essenciais do estilo segundo About.com

CoversCovers
Quando bandas de Heavy e Power Metal prestam tributo

Derek RiggsDerek Riggs
Top 10 das capas mais bonitas longe do Iron Maiden

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Gamma Ray"

Musical BoxMusical Box
A História da Guitarra, Parte 1: do alaúde ao violão

Que comece o mimimiQue comece o mimimi
101 discos essenciais de rock

Astros do rockAstros do rock
O patrimônio líquido de cada um

5000 acessosSystem Of A Down: Daron Malakian ensina como ser músico5000 acessosAngela Gossow: adolescência conturbada, família, medos e planos5000 acessosVocalistas: conheçam algumas das maiores vozes do metal nacional5000 acessosBon Jovi: quantos erros você consegue encontrar nesta tatuagem?5000 acessosJohn Taylor: o guitarrista mais rápido do mundo?5000 acessosCoverdale: "rindo com o desespero das gravadoras"

Sobre Clóvis Roman

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online