Deep Purple: Uma das bandas mais clássicas tocando no Rio

Resenha - Deep Purple (ATL Hall, Rio de Janeiro, 16/09/2003)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Anderson Guimarães de Carvalho
Enviar Correções  





Fotos: Anderson Guimarães e Luiz Henrique Mendes

Numa noite fria e chuvosa no Rio de Janeiro, duas grandes bandas tocando em pontos diferentes da cidade. No Canecão os alemães do Helloween e no ATL Hall os veteranos do Deep Purple. Nossa equipe se dividiu e a mim foi incumbida a (grata) missão de conferir uma das bandas mais clássicas do rock ainda em atividade.

Um fato curioso: o ATL simplesmente colocou cadeiras na pista e retirou o espaço destinado aos fotógrafos. Até aí tudo bem. Mas quando o baixista Roger Glover colocou os pés no palco todos os fãs levantaram-se e foram para a grande, prensando assim nossa equipe. Com um em cada lado do palco pudemos fazer um bom trabalho,embora meio apertados...

O show do Deep Purple não é nenhuma surpresa. Os caras entraram enlouquecendo o público com Highway Star e Woman From Tokyo. O velho Ian Gillan está mais contido nas notas mais altas e desafinou,como sempre. Mas o cara é o carisma em pessoa e certamente isso passou desapercebido.

Steve Morse mostra porque foi a escolha perfeita para o lugar de Ritchie Blackmore. O cara é muito técnico, preciso e acima de tudo, talentoso. Morse é sem seguramente um dos maiores guitarristas de todos os tempos e fez um show á parte, tocando de brincadeira Sweet Child o’Mine, do Guns N’ Roses.

O show foi curto, cerca de 90 minutos, mas recheado de clássicos. Sometimes I Feel Like Screaming fez muita falta, mas em compensação tivemos Haunted Bananas (do último e fraco álbum), Silver Tongue, House of Pain, Perfect Strangers, Hush (do início da carreira) e o maior hino do grupo: Smoke on the Water.

Steve Morse fez um ótimo solo,assim como o estreante Don Airey nos teclados. Por falar na performance dos músicos, vale destacar a de Ian Paice. Ele continua com seu estilo inconfundível na batera e com sua precisão de sempre,formando com Glover uma das melhores cozinhas do rock.

Encerraram o show com I Got Your Number e Black Night. O público saiu bem satisfeito, apesar da pouca duração do espetáculo. Cerca de 7mil pessoas deixaram o ATL satisfeitas,apesar da pouca duração do show. Agora basta torcer para ver uma próxima turnê do grupo, pois se levarmos em consideração que a banda já tem mais de 30 anos, o fim está cada vez mais próximo. Vamos torcer pelo contrário!


adWhipDin