Fish: Os fãs driblaram a fraca divulgação do show de SP

Resenha - Fish (DirectTV MusicHall, São Paulo, 10/10/2001)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Fotos por Thiago Correa


Os fãs de Fish driblaram a fraca divulgação do show e os elevados preços dos ingressos, e compareceram em peso ao DirecTV Music Hall, em São Paulo, para acompanhar o seu ídolo, que não se apresentava em terras brasileiras há seis anos. O cantor escocês subiu no palco cerca de dez minutos atrasado, mais ou menos às vinte e uma horas e quarenta minutos.


A imagem que surge é de assustar. Os sinais da idade se fazem presentes em Fish, como em nenhum outro músico. O mito da 'eterna juventude' em figuras especiais como ele, numa junção de Peter Pan e Super Homem, vai por água abaixo. É uma sensação indescritível de cair na real e refletir sobre os anos, de 1996 (ano do último show dele no Brasil) ou 1983 (lançamento do debute do Marillion) a 2001.


O incômodo causado por esse rápido flashback logo passa, com a apresentação de material novo, e a amostra de que em termos de talento e personalidade, Fish continua o mesmo, ou seja, sensacional. Sua comunicação e domínio sobre o público são fantásticos. Algo que nunca vi igual e que, com certeza, dificilmente verei. Conversa, brinca, fala de futebol e guerra, toma 'umas' com os fãs, e ainda pega a câmara de um fotógrafo e sai tirando fotos da platéia e da banda. Enfim, chama os presentes para participar e fazer o show a seu lado. Nada mais ideal e de bom gosto.


Em relação a voz, houve uma perda de potência e alcance, mas esta foi compensada com um significativo aprimoramento em interpretações. É quase inacreditável, mas ele conseguiu ficar ainda melhor nesse quesito. Mais emotivo e expressivo que nunca. O set list, como você pode ver ao lado, com uma dedicatória ao Whiplash!, foi muito bem montado e proporcionou momentos inesquecíveis aos fãs.

As músicas mais recentes, como "3D", "So Fellini" e "Long Cold Day", vindas do disco "Fellini Days", ficaram bem superiores a suas versões de estúdio. Isso graças à alta qualidade sonora do local e às atuações impecáveis de John Wesley e do próprio Fish.


As canções mais antigas da carreira solo também apavoraram, com destaque especial para "The Perception Of Johnny Punter", que caiu como uma luva para o triste momento de guerra pelo qual passamos. Ficou provado por 'a + b' que Fish não precisaria das composições da 'era Marillion' para fazer uma grande apresentação. Mas, com a presença delas, fica ainda melhor. Já se foram dezesseis anos, e "Kayleigh" continua aquela balada transcendental, bem composta e interpretada, e sempre com elementos novos, como neste caso, alguns improvisos magníficos do guitarrista John Wesley.


O que dizer então de um 'medley' com "Jungle Ride", "Assassing", "Fugazi", "White Feather", "Market Square Heroes", "Black Night" (Deep Purple) e "My Generation" (The Who)? Precisava mais alguma coisa?

Fish achava que sim e fechou o show com chave de ouro, numa versão estendida de "Lavender". O público, grudado no palco, cantou sozinho, acompanhado apenas pelo teclado de John Young. Na seqüência, o vocalista voltou e cantou com seus admiradores, fechando quase duas horas de interação total, em uma noite espetacular.

Fish - http://www.the-company.com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Fish"Todas as matérias sobre "Marillion"


Brasil: Bandas que gravaram discos ao vivo em nosso paísBrasil
Bandas que gravaram discos ao vivo em nosso país

Mike Portnoy: os dez melhores discos de rock progressivoMike Portnoy
Os dez melhores discos de rock progressivo

Classic Rock: os 50 maiores álbuns de rock progressivoClassic Rock
Os 50 maiores álbuns de rock progressivo


Metallica, Guns, Slipknot, Kiss: tombos, erros e fatos engraçadosMetallica, Guns, Slipknot, Kiss
Tombos, erros e fatos engraçados

Cornos do Rock: a dor e o peso do chifre em três belas cançõesCornos do Rock
A dor e o peso do chifre em três belas canções

Nirvana: Teoria é um desperdício de tempo, dizia KurtNirvana
"Teoria é um desperdício de tempo", dizia Kurt

Heavy Metal: as piores capas dos grandes artistas do gêneroVanusa e Black Sabbath: a notável coincidência nos riffsCorey Taylor: como ele lida com a depressãoThe Dirt: vocalista do Hanoi Rocks duvida da veracidade do filme

Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.