Matérias Mais Lidas

Jon Schaffer: nomes do Iced Earth e Demons & Wizards somem do site da gravadoraJon Schaffer
Nomes do Iced Earth e Demons & Wizards somem do site da gravadora

Greta Van Fleet: Robert Plant odeia aquele vocalistaGreta Van Fleet
Robert Plant "odeia" aquele vocalista

Megadeth: Dave Lombardo quase entrou pra banda, mas percebeu a merda que ia darMegadeth
Dave Lombardo quase entrou pra banda, mas percebeu a merda que ia dar

Joe Lynn Turner: detonando gravadora por continuar projeto Sunstorm sem eleJoe Lynn Turner
Detonando gravadora por continuar projeto Sunstorm sem ele

Pearl Jam: exigindo que banda cover Pearl Jamm mude nome, sob ameaça de processoPearl Jam
Exigindo que banda cover Pearl Jamm mude nome, sob ameaça de processo

Nicko McBrain: pedal duplo é pra caras como Aquiles PriesterNicko McBrain
Pedal duplo é pra caras como Aquiles Priester

Nervosa: Banda lança videoclipe de Under RuinsNervosa
Banda lança videoclipe de "Under Ruins"

Megadeth: Dave Mustaine, agora, é faixa roxa em jiu-jitsu brasileiroMegadeth
Dave Mustaine, agora, é faixa roxa em jiu-jitsu brasileiro

Metallica: veja o primeiro (e curioso) cartão de visitas da bandaMetallica
Veja o primeiro (e curioso) cartão de visitas da banda

Iron Maiden: As faixas do clássico The Number Of The Beast, da pior para a melhorIron Maiden
As faixas do clássico "The Number Of The Beast", da pior para a melhor

Loudwire: o melhor álbum de thrash metal de cada ano, de 1983 até 2020Loudwire
O melhor álbum de thrash metal de cada ano, de 1983 até 2020

Pantera: as cinco melhores músicas da banda, segundo leitores da RevolverPantera
As cinco melhores músicas da banda, segundo leitores da Revolver

Foo Fighters: Dave Grohl queria que Lemmy estivesse vivo para ouvir músicaFoo Fighters
Dave Grohl queria que Lemmy estivesse vivo para ouvir música

Lista: 10 grandes sucessos que farão 30 anos em 2021 e continuam sendo ouvidos até hojeLista
10 grandes sucessos que farão 30 anos em 2021 e continuam sendo ouvidos até hoje

Bon Jovi: Fear Factory fez a banda mudar de estúdio durante gravação de These DaysBon Jovi
Fear Factory fez a banda mudar de estúdio durante gravação de "These Days"


Matérias Recomendadas

Rock e Heavy Metal: E se as capas dos álbuns fossem honestas?Rock e Heavy Metal
E se as capas dos álbuns fossem honestas?

Music Radar: Os melhores álbuns de Heavy Metal de todos os temposMusic Radar
Os melhores álbuns de Heavy Metal de todos os tempos

Separados no nascimento: James Hetfield e Mano MenezesSeparados no nascimento
James Hetfield e Mano Menezes

Slash: Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vícioSlash
Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vício

Top 5 Metallica: About.com elege os cinco melhores álbunsTop 5 Metallica
About.com elege os cinco melhores álbuns

Stamp
Tunecore

Mark Knopfler: Noite memorável para mais de dez mil pessoas

Resenha - Mark Knopfler (ATL Hall, Rio de Janeiro, 05/04/2001)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo Valença
Enviar Correções  

Fotos por Marcelo Valença


"Bota fé no velhinho, o velhinho é demais. Bota fé no velhinho, o velhinho é quem faz." Este jinglezinho das eleições de 89 cabe perfeitamente para descrever a figura de um dos melhores guitarristas da história do rock, Mark Knopfler. O "narigudo feio", segundo palavras de Phillipe Seabra, líder do Plebe Rude, comandou uma noite memorável para as mais de dez mil pessoas que lotaram o ATL Hall numa noite de quinta feira e foram presenteados com um show que chegou com, pelo menos, 10 anos de atraso. E isto já era esperado desde o lado de fora.

Para o primeiro show de Mark Knopfler no Brasil, havia dezenas de pessoas desde cedo ocupando as entradas do ATL. Pessoas vinham de outros estados para poder presenciar a lenda viva no palco. E claro, lotação esgotada quando ainda faltavam cerca de 3 semanas para o show, a casa recebeu o líder do Dire Straits e sua banda de amigos, músicos de verdade, que alternavam desde guitarras até gaitas, passando por banjos e violinos, mostrando o verdadeiro sentido da palavra músico. Não eram simplesmente guitarristas, baixistas ou tecladistas. Eram homens que nasceram para tocar.


Às 22:00 horas, com meia hora de atraso, a banda sobe ao palco, sob gritos de emoção e felicidade. E são correspondidos por Calling Elvis, numa versão onde os 3 guitarristas faziam solos, seguido depois por Walk Of Life. Clássicos do Dire Straits que motivaram o público e fizeram a casa de shows tremer.

Depois deste aperitivo, mostrando o que esperava a noite, Mr. Knopfler começou a mostrar as músicas de trabalho do novo disco, Sailing To Philadelfia. Apesar do inegável talento, foi durante as músicas do novo disco que houve menor participação do público. As pessoas não estavam lá para ver a divulgação do novo trabalho, queriam ver sucessos da banda liderada por Mark Knopfler (e, humildemente, me incluo neste grupo).


Mesmo assim, as pessoas gostaram destas novas músicas. A mais aplaudida foi, com certeza, a faixa título, mas todas mostraram que o bom gosto nos arranjos e a suavidade das letras ainda estavam presentes no velho escocês.

Momentos depois, silêncio na platéia. Passam-se segundos e todos começam a ovacionar o artista. Os primeiros acordes de Romeo and Juliet estavam sendo tocados. Isqueiros foram acesos e todos cantavam. E foi assim também quando tocaram Sultans Of Swing (apesar de que se esperava que fosse repetida a performance do show da Argentina, com 5 guitarras no palco). Mesmo assim, lindo, algo arrepiante.


Mais algumas novas músicas do disco novo e novamente gritos de "Olê Olê Olá Mark Mark" ecoavam da platéia. De cima via se que não era de pontos isolados e sim, da totalidade da platéia, da pista aos camarotes. Foi o suficiente para começar os acordes de Telegraph Road. E, após esta música, Mark Knopfler e sua fantástica banda saem de palco. Seria o final perfeito se não fosse por um detalhe. No bis, o retorno com Brothers In Arms, que emocionou a platéia inteira, fazendo todos cantarem. No derradeiro fim, acordes que puxavam para o country fizeram a platéia estranhar e perguntar o que estava acontecendo. Mas foi só Mr. Knopfler trocar seu banjo elétrico pela clássica Les Paul para todos perceberem que o que vinha era rock’n’roll. E veio na forma de Money For Nothing, que encerrou um dos melhores shows que o ATL já recebeu (e que eu já vi).

Novamente sob gritos do público, a banda se despede e deixa a todos com gostinho de quero mais. Bem, foi a deixa para eu voltar para casa com o Brothers In Arms nas alturas no som do carro.

Mais fotos


Malvada
Receba novidades de Rock e Heavy Metal por Whats App
Anunciar no Whiplash.Net


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Mark Knopfler: quando Sultans of Swing estourou ele ainda continuou sem dinheiroMark Knopfler
Quando "Sultans of Swing" estourou ele ainda continuou sem dinheiro


Gothic Metal: os dez trabalhos essenciais do estiloGothic Metal
Os dez trabalhos essenciais do estilo

Antes do Black Sabbath: as 50 músicas mais pesadas do rockAntes do Black Sabbath
As 50 músicas mais pesadas do rock


Sobre Marcelo Valença

Estudante de Direito na PUC-Rio. Ouve Ska, Surf Music, HC, Guitar e Punk Rock, tocava baixo no Milhouse. Não dispensa um bom bate boca. Está preparando o lançamento de sua nova banda, Peter Gunn & The Neighbor's Rockin' Band. Bandas favoritas: Weezer, Ramones, Queers, Ira!, MxPx, Pixies, Brian Setzer Orchestra, NUFAN, Bouncing Souls, Specials, Madness, Hillvalleys, Autoramas, Randal Grave, Dumbs e Stukas Lazy.

Mais matérias de Marcelo Valença no Whiplash.Net.