Resenha - Cannibal Corpse (Hangar 110, São Paulo, 13/05/2000)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernanda Zorzetto
Enviar correções  |  Ver Acessos


Depois do show de sexta (dia 12 de maio), tendo como bandas de abertura Sacrifice e Abominattion, o Cannibal Corpse faz sua segunda apresentação no sábado (dia 13). A banda veio ao Brasil, depois de finalizar sua tour européia de divulgação do álbum "Bloodthirst" e depois voltou à Europa para participar de vários festivais que acontecerão nos próximos meses.

Rob Halford: Uma resposta educada a comentários de DickinsonFilhas de Rockstars: conheça algumas das mais bonitas

Logo às 8 horas da noite os fãs já chegavam à porta do Hangar 110, no Bom Retiro. Sem demora, a casa abre às 8:30 e a pequena fila rapidamente começa a andar. Vários fãs de outros estados e cidades compareceram, inclusive o pessoal do sul estava lá em peso.

Pouco tempo depois, lá pelas 9 horas, a casa, que tem capacidade aproximada de umas 400 pessoas (somente em pé) já está lotada. O som do lugar estava bem definido, muito melhor que grandes casas de shows que vimos ultimamente. Apesar da ventilação zero, é um espaço que tem se revelado bem adequado para shows de público um pouco menor, como o do Cannibal.

As bandas de abertura foram diferentes das de sexta. A primeira dessa noite sobe ao palco para tocar pouco mais de meia hora, mas nem por isso deixou a desejar. Conseguiu agitar a galera o tempo todo, já preparando o clima. Rolou até um cover do canadense Exciter, e não é preciso nem dizer que foi muito bem-vindo.

A segunda e última banda de abertura, o Subtera, tocou cerca de 45 minutos e agitou um pouco menos o público, que já pedia insistentemente com um coro pelo Cannibal. As bandas de abertura, com certeza, estão de parabéns por segurar a barra de abrir pra umas das bandas de death mais respeitadas e uma das poucas "das antigas" que ainda vivem. Não é tarefa fácil!
O Cannibal Corpse sobe ao palco perto das 10:45 e toca até 12:50, agitando a galera sem parar e mostrando também um carisma enorme antes, durante e depois do show.

O destaque da noite fica justamente com o carisma da banda, principalmente do vocal George Fisher, que depois do show ainda saiu do Hangar para dar autógrafos e agradecer aos fãs que estavam ali.

Agora é esperar as novidades da banda, que está produzindo um álbum ao vivo e que será lançado junto com um vídeo, em setembro. O título será "Live Cannibalism".
Se você quiser saber mais sobre esse álbum, a tour ou a própria banda, acesse o site oficial http:/www.cannibalcorpse.net/.



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Cannibal Corpse"


Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1992Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1992

Slayer: não é tão grande para ser headliner, diz batera do CannibalSlayer
Não é tão grande para ser headliner, diz batera do Cannibal


Rob Halford: Uma resposta educada a comentários de DickinsonRob Halford
Uma resposta educada a comentários de Dickinson

Filhas de Rockstars: conheça algumas das mais bonitasFilhas de Rockstars
Conheça algumas das mais bonitas


Sobre Fernanda Zorzetto

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Fernanda Zorzetto no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin