Músico brasileiro: qual o seu papel e o seu valor como artista?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Cunha, Fonte: Esteriltipo
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O blog "Esteriltipo" fez uma análise sobre o papel e o valor do músico brasileiro com base numa mostragem de músicos brasileiros (reconhecidos por sua competência técnica) que foram contratados por estrelas internacionais. O resultado, você pode ver abaixo.

Slash: guitarrista enumera seus 10 riffs favoritosSign of the horns: o sinal do Demônio

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"O presente texto foi inspirado no vídeo abaixo, no qual os músicos brasileiros que acompanharam Warrel Dane no processo criativo e de gravação do álbum Shadow Work (que teve sua importância aumentada em virtude do falecimento do vocalista durante as gravações) falam do processo de composição, produção e de suas contribuições para a construção da obra, lançada ano passado (2018).

Nesse sentido, esta análise propõe uma reflexão boa pra bate-papo de mesa de bar. E o que está em jogo? Entender qual o papel e o valor do músico brasileiro enquanto artista e como estes se encaixam na lógica dos mercados nacional e internacional.

Para começo de conversa, sabe-se que não é de hoje que o talento do músico brasileiro extrapolou as fronteiras do país, chegando à América, à Europa e a muitos outros lugares. Não foi por causa do Sepultura, nem do Kiko Loureiro. Também não foi no âmbito do rock/metal que os brasileiros obtiveram os primeiros "likes" lá fora. Carmem Miranda e Sérgio Mendes são bons exemplos disso.
Posteriormente, impulsionados pela força do movimento do jazz e da Bossa Nova, foi a vez de nomes como João Gilberto e Tom Jobim ganharem fama mundial. Logicamente, há mais nomes, mas como esse não é o cerne da questão, não nos deteremos nesse ponto.

O fato é que o gênero Rock/Metal parece constituir atualmente, a maior vitrine para os músicos profissionais brasileiros. Alguns exemplos estão listados abaixo.

PAUL DI'ANNO

➧ DI'ANNO (2000): Paul Di'Anno (vocal), Paulo Turin (guitarra), Chico Dehira (guitarra), Felipe Andreoli (baixo) e Aquiles Priester (bateria). Com esta formação gravaram um excelente disco intitulado NOMAD, que poderia ter conquistado sucesso internacional em outras condições.

➧ ROCKFELLAS (2008): Paul Di'Anno (vocal), Canisso (baixo) e Jean Dolabella (bateria). Houve promessa de álbum, que não foi gravado, mas, na ocasião, excursionaram pelo país fazendo uma boa série de shows.

LEATHER LEONE

➧ LEATHER (2016): Leather Leone (vocal), Vinnie Tex (guitarra), Marcel "Daemon" Ross (guitarra), Thiago Velasquez (baixo) e Braulio Drumond (bateria). Com esta formação, que deve permanece até hoje, a ex-vocalista do Chastain gravou o álbum LEATHER II, fez alguns shows pela América Latina e hoje está sediada nos EUA, onde tem feito shows regularmente.

WARREL DANE

➧ WARREL DANE (2017): Warrel Dane (vocal), Johnny Moraes (guitarra), Thiago Oliveira (guitarra), Fabio Carito (baixo) e Marcus Dotta (bateria). Shadow Work é o segundo trabalho solo de WARREL DANE, que não foi concluído devido ao seu falecimento em 12/2017. O mini-doc, que segue contém imagens das gravações, entrevistas com os membros da banda e com o produtor Wagner Meirinho, além de trechos das músicas "As Fast As The Others", "Disconnection System" e "Rain".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Esta lista certamente pode ser aumentada, mas os casos em questão já fornecem uma boa mostra do quadro geral. Todavia, continuando o raciocínio, a verdade é que as referidas estrelas têm em comum o fato de terem experimentado o sucesso, haverem atingido o auge em algum momento e depois terem se afastado dos palcos por um motivo qualquer. Dessa forma, ao buscar recuperar o tempo perdido, eles parecem ter tentado pegar um atalho e, ao que tudo indica, este atalho pode ter sido formar bandas com músicos talentosos, pouco famosos e dispostos a ganhar menos.

Nesse sentido, a partir do acima exposto, várias perguntas podem ser feitas. Entre elas:

1) O movimento das estrelas "caídas" ao recrutar músicos que, ao mesmo tempo, são competentes e pouco experimentados em nível global, ocorre apenas no Brasil?

2) O músico profissional brasileiro tem constituído nessas situações somente mão de obra qualificada e barata?

3) Se o músico brasileiro é reconhecido por sua competência técnica, porque as bandas brasileiras não estouraram mundialmente?

As perguntas são difíceis de responder e, a bem da verdade, nem sabemos o que fazer com as respostas (se elas vierem), mas creio que a brincadeira valha a pena!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Opiniões

Slash: guitarrista enumera seus 10 riffs favoritosSlash
Guitarrista enumera seus 10 riffs favoritos

Sign of the horns: o sinal do DemônioSign of the horns
O sinal do Demônio


Sobre Ricardo Cunha

Editor no site Esteriltipo - Marketing de Conteúdo.

Mais matérias de Ricardo Cunha no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280