Rock: Por que sermos mais cães de guarda que qualquer outra coisa?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Contrera
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nestes dois anos em que contribuo no Whiplash, aprendi a descobrir meu lugar. Um lugar pequeno, como um articulista instável, que domina apenas alguns assuntos, mas que teima em adentrar em outros. Com bastante cuidado.

Riff: palavra sem tradução na língua portuguesa"Cê tá de brincadeira, né?": quando grandes nomes vacilam

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ocorre que neste ambiente há, como sempre, aqueles donos do pedaço. Desde o João, que é dono do site, até o Bruce e o Igor, que escrevem mais para ele. Mas tem também as referências que aparecem de vez em quando, como o Marcos De Ros, o Nacho falecido Belgrande, o Billo Bíscaro, e diversos outros, que possuem canais de Youtube. Isso sem citar diversos outros.

Ocorre que fui contatado por uma grande banda para vislumbrar a possibilidade de criar conteúdos para ela. E isso fez com que refletisse no meio. Com que visse algumas referências aqui e acolá, e com que refletisse a respeito.

Isso não me é incomum. Trabalhar em ramos ou setores mais localizados. Não na grande imprensa. Não nos grandes sites. Trabalhar em meios menores, com marcas menores, com alcances menores - muito embora até elevados. Conhecer empresas de grande porte, mas com baixa presença pública.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nesses setores, eu sempre notei certo provincianismo de forma geral. Uma queda de qualidade no âmbito mais geral, uma assunção de parâmetros de crítica mais localizados, um provincianismo, quero dizer. Pois é o que sinto aqui, neste mercado.

Não é estranho pensar assim, nem errado. Aqui as bandas de maior peso são mesmo assim localizadas. Pode-se esperar uma visão mais ampla de um Rolling Stones. Ou até mesmo de um AC/DC. Mas são nichos de mercado. Não são bandas de música. São bandas de rock. Ou de blues. Ou de heavy metal. Segmentos de mercado.

Imagine pensar em bandas ainda mais localizadas, embora de alcance mundial. Como um Testament. Ou um Sepultura. Ou um Avenged Sevenfold. Pode-se levar a sério essas bandas. Mas musicalmente elas são limitadas. Escolheram sê-lo. Não fazem parte do primeiro time musical em nenhum lugar.

É curioso pensar assim. É curioso saber-se limitado e perceber que a limitação faz parte do negócio. De que adiantaria falar de Cecil Taylor para um fã de rock? Não faria sentido, afinal. Ocorre que o Lou Reed se motivava com ele. De que adiantaria falar de Anthony Braxton, para quem acha que é Tony Braxton, a cantora?

O que me incomoda, porém, nesse provincianismo é geralmente a limitação dos comentários. São gente menos preparada, em geral. Que comete erros crassos de português, mas que deixa passar. Que não burila demais o texto. São gente mais atenta às particularidades do mercado. Gente que prefere acertar no ano de um determinado LP a acertar num vislumbre de estilo entre bandas de gêneros diferentes.

Gente que no fundo prefere resguardar sua posição a inovar de forma mais ampla. Gente que prefere ficar na sua, falando errado, a tentar inovar no estilo de algo que tenha maior ambição. Ninguém aqui quer ser Rubem Braga. Ninguém lia Paulo Francis. Não tinha importância. Melhor ouvir Seventh son of a seventh son.

Curioso perceber isso, agora. Curioso, sim, e um pouco decepcionante. Mas é aquele negócio. Cada um escolhe o seu mundo. Há mundos menores, e nem por isso tão chatos. E melhor cada um ficar mesmo com a sua turma. Não há nada de ruim nisso, afinal.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Opiniões

Riff: palavra sem tradução na língua portuguesaRiff
Palavra sem tradução na língua portuguesa

Cê tá de brincadeira, né?: quando grandes nomes vacilam"Cê tá de brincadeira, né?"
Quando grandes nomes vacilam


Sobre Rodrigo Contrera

Rodrigo Contrera, 48 anos, separado, é jornalista, estudioso de política, Filosofia, rock e religião, sendo formado em Jornalismo, Filosofia e com pós (sem defesa de tese) em Ciência Política. Nasceu no Chile, viu o golpe de 1973, começou a gostar realmente de rock e de heavy metal com o Iron Maiden, e hoje tem um gosto bastante eclético e mutante. Gosta mais de ouvir do que de falar, mas escreve muito - para se comunicar. A maioria dos seus textos no Whiplash são convites disfarçados para ler as histórias de outros fãs, assim como para ter acesso a viagens internas nesse universo chamado rock. Gosta muito ainda do Iron Maiden, mas suas preferências são o rock instrumental, o Motörhead, e coisas velhas-novas. Tem autorização do filho do Lemmy para "tocar" uma peça com base em sua autobiografia, e está aos poucos levando o projeto adiante.

Mais matérias de Rodrigo Contrera no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline