Janis Joplin: A dama suja do Rock N' Roll

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Nos pré-globalizados anos cinqüenta, o mundo foi invadido por uma geração de marginais literários denominados beatniks. Em uma cena anterior a passagem dos hippies por esse planeta, nomes como WILLIAM S. BURROUGHS, ALLEN GINSBERG e JACK KEROUAC, inundaram o encéfalo de uma sociedade a beira do nilismo pós- guerra com uma escrita caótica, subversiva, junkie e que foi o diploma de graduação de JIM MORRISON, LOU REED, LENNON entre outros iluminados.
1281 acessosWoodstock: local do festival se torna lugar histórico dos EUA5000 acessosMomentos bizarros: histórias de Ozzy, Stones, Who e outros

Os beats – como também eram chamados – simbolizaram o ritual iniciático de uma instância poética que, como todo fenômeno cultural que se preze, se alastrou para fora do seu meio, criando uma postura comportamental e ideológica própria, hedonista e sem amarras. Se do punk emergiu, anos depois a ferramenta de propaganda do “Faça você mesmo”, dos beats veio a inspiração para “Faça por você mesmo”. E assim se fez.

Nascida em Port Arthur, Texas, em 1943, JANIS LYN JOPLIN, foi a personificação do desregramento e da porralouquice de uma personagem de “On The Road”. Vibrante e, ao mesmo tempo, solitária como um lamento de blues, JOPLIN cuspiu em todos os paradigmas pré-revolução sexual; se comportava como um animal em estado selvagem mas, por dentro, se corroía como qualquer mulher escanteada e infeliz.

Muito se fala sobre sua voz “negra”, sua fármaco-dependência, sua entrega a esbórnia, sua surreal passagem pelo Brasil. Cada fragmento de sua vida é um capítulo que transita entre o amargo e o sublime, uma extratificação do blues doente e que ceifava muito cedo naqueles nebulosos anos. Séculos antes de COBAIN e WINEHOUSE, JOPLIN mostrou que havia algo que girava rápido demais no caminho do rock n´roll e que escolheria a idade de vinte e sete anos como uma referência lapidar.

JANIS chorou, grunhiu entregou toda sua alma e garganta pedindo a Deus que lhe desse uma Mercedes Benz ou desafiando a levarem outro pedaço de seu coração. Janis provou que rock ´n roll exige derramamento de sangue e levou isso às últimas conseqüências. Sofreu, xingou, bebeu, “folkeou’ o rock, “embluesou”o jazz e se manteve sólida, devastadora e única até o dia 4 de outubro de 1970. Era a dama suja do rock n´roll – a mulher que precisava mostrar o tempo inteiro que agüentaria ser tão macho quanto os outros, seja a que preço fosse.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 10 de agosto de 2012

WoodstockWoodstock
Local do festival se torna lugar histórico dos EUA

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Janis Joplin"

Rock StarsRock Stars
Como se pareceriam alguns se não tivessem morrido

ValentinaValentina
Roqueira é a primeira finalista do The Voice Kids

O Livro dos MortosO Livro dos Mortos
Dissecando a morte de sete Rockstars

0 acessosTodas as matérias da seção Opiniões0 acessosTodas as matérias sobre "Janis Joplin"

BizarricesBizarrices
Ozzy Osbourne, Rolling Stones, The Who e outros

Metal/HardMetal/Hard
Alguns dos maiores e melhores vocalistas atuais

About.comAbout.com
Site elege os cinco melhores álbuns do Slayer

5000 acessosSeparados no nascimento: Lady Gaga e Eddie5000 acessosOs Headbangers não praticantes5000 acessosChris Cornell: relatório policial descreve últimas horas e morte5000 acessosAxl Rose: a carta que não entrou em "Chinese Democracy"5000 acessosCapas: confira as mais belas feitas pelo designer Hugh Syme5000 acessosRolling Stone: os 100 melhores álbuns dos anos 90

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n´roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online