Bob Dylan homenageia amigo e ídolo Johnny Cash

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rubens Leme da Costa, Fonte: Bob Dylan official website
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 30/09/03. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

BOB DYLAN publicou em seu site oficial um texto sobre a morte de seu amigo e ídolo JOHNNY CASH. Dylan lembra desde o primeiro encontro, suas recordações quando menino ao ouvir suas canções nas rádios e conclui que Cash é eterno e que jamais morrerá. Leia o texto...

5000 acessosJason Newsted: revelando porque ele deixou o Metallica5000 acessosCrianças: veja como cresceram as de "Nevermind", "War" e outras

"Eu estava me pergutando se deveria escrever uma declaração sobre a morte de Johnny e imaginei escrevendo algo chamado "Cash é o Rei", porque é o que eu pensava dele. Johnny era alguém que tinha seu Norte e você podia guiar sua carreira pela dele - o maior dos maiores, antes e hoje. Eu o encontrei pela primeira vez em 62 ou 63 e o vi várias vezes nos anos seguintes. Não recentemente, mas no geral, mais do que as pessoas que convivo diariamente.

Não havia muito sobre música na mídia nos começo dos anos 60 e a Sing Out! era uma revista que cobria tudo sobre a cena folk. Os editores então publicaram uma carta em que criticavam os caminhos que a minha música estava tomando. E Johnny escreveu para lá mandando os editores ficarem calados e me deixarem cantar porque eu sabia o que estava fazendo. Isso foi antes de eu encontrá-lo e essa carta significava tudo para mim. Eu guardo a revista desse dia desde então.

Claro que eu já o conhecia bem antes. Entre 55 e 56, "I Walk the Line" tocava sem parar nas rádios durante o verão e era completamente diferente de tudo. A voz parecia sair do meio da terra. Era poderosa e tocante. Era profunda e o tom dela era essa em cada linha: profunda, rica, aterrorizante, misteriosa ao mesmo tempo. Ela tinha uma presença monumental e um certo tipo de majestade que pareciam cheia de humildade. Mesmo uma simples linha como ""I find it very, very easy to be true" podia dar sua medida. Nós podemos nos lembrar daquilo e notar o quanto fomos insuficientes .

Johnny escreveu milhares de linhas como essa. Ele era tão honesto como a terra o país deveria ser, o coração e alma disto personificadas e o significado de estar aqui; e tudo isso em um inglês simples. Acho que podemos relembrar dele, mas não defini-lo jamais como definimos uma verdade pura, leve e bela. Se você quer saber o que significa ser um mortal, não precisamos olhar de maneira tão distante quanto o Homem de Preto. Abençoado com uma imaginação profunda, usou esse dom para expressar todas as causas perdidas da alma humana; Isso é algo milagroso e humilde. Ouça-o e sempre trará coisas para que use com bom senso. Ele nasce acima de todos nós e nunca morrerá ou será esquecido, mesmo pela pessoas que ainda não nasceram - especialmente por essas pessoas - e isso, para sempre."

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Bob Dylan"

Q MagazineQ Magazine
Leitores elegem as 100 Maiores Estrelas do Século XX

VinilVinil
Quais são os dez discos mais valiosos do mundo?

RockstarsRockstars
Quanto a carreira do pai pode influenciar a do filho?

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Bob Dylan"

Jason NewstedJason Newsted
Revelando porque ele deixou o Metallica

CriançasCrianças
Como cresceram as de "Nevermind", "War" e outras

David CoverdaleDavid Coverdale
Em 1974, o Deep Purple Expulsou o ACDC do palco

5000 acessosPaixão nacional: o futebol e os roqueiros britânicos5000 acessosFrases de bandas: o que eles realmente querem dizer?5000 acessosCharles Manson: casamento era plano para expor seu cadáver5000 acessosSaxon: por que não cresceram como o Iron Maiden? Biff Byford opina5000 acessosRocky III: Queen não cedeu canção para Sylvester Stallone5000 acessosO Triste Fim: Futuro do rock pertencerá a bandas tributo e franquias

Sobre Rubens Leme da Costa

Rubens Leme da Costa, 34 anos, é jornalista intrometido desde 1994. Já escreveu para vários lugares, falando não só de música, como também de futebol, xadrez, e esportes menos conhecidos. Colaborou em revistas, cd-roms, vídeo, sites, e já foi até cameram-man de uma televisão boliviana. Já que ninguém o contrata para nada, fica pentelhando o João Paulo com textos e mais textos até que uma alma caridosa arranje algo para ele fazer. E avisa: caso não role nenhum trampo, o João é que pagará o pato!

Mais matérias de Rubens Leme da Costa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online