Dylan diz que gostaria de queimar hippies

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Fonte: UOL Música
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 28/09/04. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

NOVA YORK, 26 set (AFP) - O cantor Bob Dylan publica em outubro sua esperada autobiografia, na qual garante nunca ter desejado ser símbolo da geração rebelde dos anos 60. O ícone mundial admite ainda que vivia escondido em casa, apostando sua proteção em uma escopeta, por medo de hippies fanáticos. Sonhava ter uma vida normal e poder levar os filhos à escola.

327 acessosBob Dylan: chineses vendem livros em pacotes de batatas fritas5000 acessosSeparados no nascimento: Edu Falaschi e Luciano Huck

Dylan odiava os hippies: "Queria colocar fogo nestes tipos", afirma, lembrando como fãs subiram no teto de sua casa em Woodstock para tentar entrar.

"O mundo era absurdo... eu tinha poucas coisas em comum com uma geração que não conhecia e da qual se supunha que era um dos porta-vozes", escreve Dylan, segundo trechos do livro publicados na revista Newsweek.

"Sonhava com uma vida normal, trabalhar de 9 a 17 horas, ter uma casa com árvores, uma cerca de madeira pintada de branco e rosas no jardim", conta o cantor, cujo verdadeiro nome é Robert Allen Zimmerman.

Dylan está na capa da Newsweek: aos 63 anos aparece em um quarto de hotel, com seu eterno chapéu de vaqueiro e um bigode fininho.

"Seu famoso acidente de moto em 1966 está resumido em uma só frase e nada tem a ver com seu divórcio em 1977 nem com a criação de obras-primas como 'Blood on the tracks' (1975), 'Slow train coming' (1979) ou 'Infidels' (1983)", adianta a revista.

O cantor conta os primeiros anos de sua carreira em "Crônicas: volume um", de 304 páginas, que sairá no dia 12 de outubro nos Estados Unidos, com uma tiragem inicial de 250 mil exemplares.

Dylan tinha 20 anos quando gravou seu primeiro disco, basicamente uma miscelânea de versões de sucessos do blues e do folk. A fama chegou depois, com "The freewheeling", que foi aplaudido pelos fãs do folk.

Mas Dylan afirma que ele se sentia como um manequim em uma vitrine, enquanto do lado de fora passavam os anos 60. "Me sentia como um pedaço de carne atirado aos cães", lembra, culpando a imprensa por colocá-lo no papel de "porta-voz e até da consciência de uma geração".

A paz interior foi chegando lentamente nos anos 70 e 80. "Encontrei as coisas que preferia: os aniversários, acompanhar meus filhos à escola, as férias no acampamento, no barco, a canoa e pescar", conta.

"Escrever minha biografia foi uma experiência emocionante em alguns momentos", explica no jornal britânico Telegraph deste domingo. "Mas para ser honesto, também vivi isso como um processo mais tedioso."

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

327 acessosBob Dylan: chineses vendem livros em pacotes de batatas fritas0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Bob Dylan"

Rolling StoneRolling Stone
Revista elege os melhores rocks com mais de sete minutos

VinilVinil
Quais são os dez discos mais valiosos do mundo?

Antes do festival...Antes do festival...
Um disco gravado em Woodstock marcou a história

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Bob Dylan"

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Edu Falaschi e Luciano Huck

Bandas NovasBandas Novas
10 coisas que vocês jamais devem dizer no palco

TatuagensTatuagens
Homenagens à banda Kiss na pele dos fãs mais radicais

5000 acessosIron Maiden: pastor evangélico tem 172 tatuagens da banda5000 acessosMetal: 101 motivos para perceber que você ouve há muito tempo5000 acessosEpica: foto original de Simone Simons nua em capa é revelada?5000 acessosAerosmith: "Justin Bieber é um punk", diz Joey Kramer5000 acessosA jubilosa estréia do Moby Grape5000 acessosRock In Rio: A primeira impressão de Tommy Lee sobre o Rio de Janeiro

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online