Andrew McDermott comenta a volta do Yargos

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale, Fonte: Mundo Rock
Enviar Correções  

Andrew McDermott é mais conhecido por seus trabalhos com o Threshold, banda que investe pesado no prog-metal. Mas Mr. Mc não é de ficar parado no tempo. Aproveitando uma folga nos trabalhos de sua banda principal, ele se juntou a Weiland Hofmeister (teclados,guitarra) e re-ativaram o Yargos, que chegou a ter atividades nos anos 70. Anca Graterol (vocais), Peter Pichl (baixo), Osssi Pfeiffer (teclados) e Andreas Kienitz (guitarra) foram recrutados para a gravação de "To Be Or Not To Be", um CD bem diferente da banda de Mr. Mc, e um interessante trabalho. Falamos com Andrew via telefone para conhecermos mais deste intrigante projeto, que foi lançado recentemente no Brasil.

publicidade

Entrevista concedida ao
Portal Mundo Rock
(http://www.mundorock.net)

Mundo Rock – Devo confessar que este álbum me surpreendeu, pois esperava algo mais na linha do Threshold. Isso é algo que tem acontecido frequentemente com os fãs?

Andrew – De fato acontece (Risos). Como você disse as pessoas pensam que virá algo na linha do Threshold, mas a banda e muito diferente, musicalmente e na ideologia, logo o som é diferente, mas tem acontecido.

publicidade

Mundo Rock – Yargos começou suas atividades em 1973, mas só agora está lançando o CD. O que você pode falar sobre esse hiato de 23 anos?

Andrew – Não foi plenamente um hiato. Começamos nos anos 70, e fazíamos uma boa média de shows por ano, mas os negócios desse mundo musical foram emperrando tudo, e não conseguimos lançar nada nesse período. Foi bem complicado. Só agora a banda conseguiu se juntar e preparar algo sem dificuldade para darmos aos fàs.

publicidade

Mundo Rock – Como foi formado o atual line-up do Yargos?

Andrew – Procuramos por músicos que morassem próximos a Hannover. Muitos dos que compõem a formação moram, como Anca, e Peter, que já conhecíamos do Running Wild. Alguns vieram até mim e se ofereceram, outros fui procurando e consegui montar. Foi um trabalho fácil e agradável.

publicidade

Mundo Rock – "The Guilded Cage" e "Time Drops" me lembraram muito o Queen do CD "A Kind Of Magic". Você tem influência do Queen?

Andrew – "A Kind Of Magic"? (Risos). Sim, concordo com você. Sou um grande fã do Queen, e isso me influencia. Mas sei lá... também gosto de Led Zeppelin, Deep Purple, e todas essas me influenciam. Mas o Queen tem seu espaço, com certeza.

publicidade

Mundo Rock – Estamos diante de um CD diferenciado, com vários estilos musicais, com teclados, coros, e um espectro bem amplo. Foi difícil chegar ao resultado final?

Andrew – Sim... mas há momentos em que a música fala para você. Sempre deixamos as idéias fluírem, diante do que já existe gravado em demos ou registros antigos. Anca e eu trabalhamos intensamente nos vocais, e posso dizer que a maior dificuldade residiu no fato de não termos um plano pré-estabelecido, apenas deixamos as coisas saírem do papel e da cabeça e saímos ensaiando.

publicidade

Mundo Rock – "Point Of No Return" flerta com o hard-rock, com bons resultados. Além do Queen, Purple e Led Zeppelin, há mais alguma banda que te influencie diretamente?

Andrew – Cara... são muitas (Risos). Black Sabbath, Rainbow, Queensryche, Dream Theater, o rock dos anos 70 em geral. Por isso acho que o som do Yargos é tão variado. São muitas idéias indo e vindo, e na hora H fica complicado chegar a um resultado final.

publicidade

Mundo Rock – "Human Nature" se aproxima de seu trabalho com o Threshold. Foi uma preocupação tentar soar diferente de sua outra banda neste CD?

Andrew – Com certeza. Alguns momentos como na música citada as coisas permitiram que a mesma tivesse influência do Threshold, mas no geral eu procurei sempre me manter distante, até porque era esse o objetivo quando começamos a trabalhar no novo CD.

Mundo Rock – Vocês fizeram uma grande turnê e tocaram em vários festivais em 2005. Como foi esta experiência?

Andrew – Demais! Vivemos grandes momentos, fizemos grandes shows. Conhecemos muita gente e vários fãs nos responderam de maneira positiva. Foi algo inesquecível para o Yargos, e para mim também.

Mundo Rock – Há planos para shows este ano com o Yargos?

Andrew – Não saberia dizer isso agora... todos os outros membros têm seus projetos, e não é fácil reuní-los para ensaiar, já que trabalhamos muito com o Yargos em 2005. E também estou envolvido no novo CD do Threshold, e nos shows que virão com este lançamento. Não creio que venha a acontecer.

Mundo Rock – E você pensa em gravar um próximo CD com esta mesma formação?

Andrew – Sim, gostaria que isso acontecesse. Mas juntá-los será complicado, devido as diferentes agendas. Eu tentarei, mesmo que precisemos gravar em diferentes países. Espero poder ter algo mais concreto até o fim do inverno (Europa).

Mundo Rock – E que mensagem você deixaria para os fãs brasileiros?

Andrew – Ouçam o Yargos com muito carinho. É um CD bem legal... e espero poder tocar para vocês, seja com o Threshold ou com o Yargos. Será uma festa!

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Top 10: dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idadeTop 10
Dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idade

A História Impopular dos Rolling StonesA História Impopular dos Rolling Stones


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin