Metallica: Hetfield comenta sobre composição de letras

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Douglas Morita, Fonte: Metallica Remains
Enviar correções  |  Comentários  | 

Em dezembro de 2008 a revista Revolver elegeu o "Death Magnetic" do METALLICA como o "Álbum do Ano", e conversou com o frontman James Hetfield sobre o disco e os elogios recebidos pela crítica. Um trecho da conversa pode ser conferido abaixo.

4605 acessosMetallica: Lars Ulrich lamenta a morte de Chester Bennington5000 acessosSlayer: Araya fala sobre fé e sua relação com o cristianismo

Revolver: O que rolou, pessoalmente, entre vocês quatro para fazer um disco como este?

Hetfield: "Pessoalmente? Muito respeito. Muita comunicação, e muito foco enquanto nós estamos lá. Há muita honestidade e, sabe, dar um feedback honesto colabora com o projeto, não só brigando e batalhando. Coisa que é realmente honesta e que tornará o projeto melhor. E eu acho que nós todos estamos melhorando um pouco nisso; estamos insensíveis às críticas, e somos capazes de deixar de lado coisas que não se encaixam, sabe. E trabalhar com o [produtor] Rick Rubin, nós aprendemos muito nisso!"

Revolver: Vocês aprenderam a ignorar as críticas?

Hetfield: "Bem, você está colocando seu coração nisso, sabe? E qualquer um que escreve música ou escreve como você sabe que você coloca seu coração lá com sua arte. E quando alguém julga isso, claro que vai machucar, mas você precisa ou ter a confiança de, 'Sim, ok, eu posso fazer melhor', ou 'parte da afirmação desse cara faz sentido - esta parte não', e seguir com isso".

Revolver: Você pode dar um exemplo específico de uma música onde você precisou ignorar as críticas?

Hetfield: "Bem, falando de riffs, eu sou bem confiante. Mas quando é sobre letras, aí é quando fica ainda mais pessoal. Está vindo de algum lugar, e você não tem certeza de onde está vindo. Não importa o quão externo, foi digerido por você; está ligado a sua vida de alguma forma. Seja durante sua infância ou eventos recentes ou o que for, está ligado, e você tem que ter o sentimento nisso, e isto significa que há uma oportunidade de ter sentimentos machucados".

"Então quando você está escrevendo letras e alguém diz, 'Isto não é tão bom', você pensa, 'Wow, ok'. Porque eles estão basicamente dizendo que sua vida não é tão boa! Parece meio dessa forma, porque você está se dedicando tanto lá. Mas aceitar o desafio - isto faz mais sentido pra mim. Ficar todo bravo e reescrever funciona de um modo, mas aceitar o desafio é sempre bom. Então tiveram até que algumas coisas de letras".

"Tiveram até que algumas em algumas músicas, assim como nós fazemos ao Lars [Ulrich, bateria] ao fazer uma certa batida na bateria e dizemos, 'Você pode fazer melhor isso, tente algumas coisas'. Nós fizemos isso, onde eles falaram, 'Estas letras estão ok. Tente outra coisa'. Tiveram até que algumas nesse disco. Eles não sentaram e analisaram cada coisinha como Rick fez neste disco, mas eu sentei na casa de Rick em sua sala de estar vazia, onde ele basicamente tem um sofá de couro branco e um grande aparelho de som, e nós sentamos lá e passamos por isso. Nós estávamos basicamente procurando por coisas que nos abalavam: 'Isto me abalou".

"Aquilo me abalou. Eu não sei o que diabos estas letras significam', sabe? Até o [título] 'Death Magnetic', o que diabos é isso? Eu não sei, mas me abala. Tem emoção nisso! Nós procuramos por muito disso, e através do passado, mesmo nos discos antigos tinha muito dessa atração misteriosa. Você não sabe exatamente o que era, mas no minuto que você cantou ou sentiu isso, você sabia o que significava".

Mais trechos da entrevista podem ser lidos, em inglês, clicando aqui.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MetallicaMetallica
Lars Ulrich lamenta a morte de Chester Bennington

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

MetallicaMetallica
A regressão técnica de Lars Ulrich

MetallicaMetallica
E se a banda usasse uma afinação mais baixa?

MetallicaMetallica
Coisas que talvez você não saiba sobre o novo álbum

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"

SlayerSlayer
Araya fala sobre fé e sua relação com o cristianismo

AngraAngra
Banda errou na escolha de Fabio Lione?

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Ozzy Osbourne e Renato Aragão

5000 acessosMarilyn Manson: é do cantor o vídeo mais assustador5000 acessosManowar: você acha as fotos da década de 80 ridículas?5000 acessosMetal: as oito maiores tretas entre músicos do gênero5000 acessosBlack Metal: banda brasileira fez clipe mais bizarro do universo5000 acessosSeparados no nascimento: Lady Gaga e Eddie4905 acessosMegadeth: Dave Mustaine diz que havia uma "estranheza" entre ele e Friedman

Sobre Douglas Morita

Douglas Morita acha que se existem constantes em sua vida, uma delas definitivamente é o Metallica. Fã da banda desde que se conhece por gente, criou o site Metallica Remains em 1998 e considera o grupo como sua principal - porém, obviamente, não única - influência musical. Além do Metallica, tenta ouvir de tudo um pouco, sem se limitar a estilos ou rótulos.

Mais matérias de Douglas Morita no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online