Dark Season: entrevista com a banda no "Distorção"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Átila Pretorius, Fonte: Distorção
Enviar Correções  

A poucos dias de um dos maiores festivais de Metal do Estado do Piauí, o Distorção conversou com o organizador e baterista Félix Briano e com o guitarrista Juliano Sousa, membros do DARK SEASON.

Bateristas: os dez músicos mais loucos de todos os temposSeparados no nascimento: Bruce Dickinson e Leopoldo Pacheco

Confira alguns fragmentos do que rolou no bate-papo:

O DARK SEASON é um dos Titans que compõe o cenário metal piauiense. Em quais pontos você acredita que a banda evoluiu?

Tecnicamente evoluímos de maneira positiva, sempre tentando fazer com que um riff, uma base um solo soasse da melhor maneira possível, não apenas para ser masturbação musical, coisa que nunca fizemos, mas que se algum dia cruzamos esse caminho, hoje em dia está cada vez mais distante virmos a fazer músicas construídas como operações matemáticas são solucionadas.

Eu também evoluí muito como músico; hoje em dia lembro do meu primeiro show e não sei o que mais dá vontade: rir ou chorar (risos).

O tempo de quase dois anos que ficamos parados me serviu para me dedicar mais ao meu instrumento, fato que até então não tinha tido oportunidade, pois sempre me dediquei mais à banda do que ao Félix Briano músico. E hoje em dia me sinto mais maduro como baterista, o que me deu subsídio para ver exageros e faltas no cuidado com a banda, ou seja: ter cuidado mais de mim me proporcionou ter mais cuidado com a banda.

Sempre soubemos da importância que a banda tem dentro da cena local e tratamos isso hoje com mais atenção ainda, pois para existir a renovação precisa existir no que se espelhar. Se hoje em dia tenho uma banda é porque já olhei para um palco e vi DEMOLIDOR, MONASTERIUM e MEGAHERTZ e pensei "quero isso pra mim também".

Já ouvi a molecada que está começando a tocar dizendo que eram muito influenciados por nós e isso é bom! Tão bom quanto ouvir que se espelham no RETALHADOR, INTO MORPHIN, ANNO ZERO, ZORATES... Isso é que faz a coisa acontecer e ser legal: termos ídolos em nossa cidade, em nosso estado.

No que não evoluímos? Ainda percorremos timidamente as trilhas da web.

Com o advento de novas tecnologias e novas formas de gravação e produção, você acha que o Metal perdeu um pouco sua originalidade, a essência old school?

Não. Para ser sincero não tenho como gostar de um material mal gravado, mal finalizado. Tenho certeza de que Motörhead e outras grandes bandas não teriam gravado seus primeiros discos com a qualidade que foram gravados à época se existisse algo melhor. Eu acho que a tecnologia veio para somar, ela não anula os rolos e os Adats, que continuam a existir, mas como são equipamentos caros reservam sua utilização para trabalhos de maior suporte financeiro. Hoje em dia com um bom PC e equipamentos razoáveis se grava um CD de boa qualidade e isso ajudou e ajuda inúmeras bandas no mundo que não tem grana sobrando para entrar em estúdios de R$500,00 a hora...

O que rola muito também é que o mercado mundial é sedento por oferecer para as novas gerações o que não viveram e ao mesmo tempo lembrar para a que viveu em tempo e lugar, aquilo que já se foi. Quando eu era criança na década de 80, o que mais se via eram filmes que falavam da década de 60. Na década de 90 voltaram as calças de cintura baixa (ainda bem mulheres...), bocas de sino, disco music, neo hippies, hippie chic...

Anos 2000 o que teria que vir? Anos 80, claro! Falando de metal, falariam do que se viveu no metal nos anos 80, principalmente o thrash metal. Voltaram as calças apertadas, jaquetas, patches em jaquetas, reedições de tênis Nike e outros artefatos que serviram para fazer com que alguns bangers que na década de oitenta talvez ainda fossem um mero espermatozóide se ambientassem numa época que já passou, não existe mais. Pô velho, já não basta eu ter usado uma calça apertada daquela e aqueles tênis de astronauta quando criança e ainda por cima vou usar de novo? O mais legal é que vi muito cara saindo das calças cargo e coturnos para as calças super skinny e aquelas basqueteiras toscas, sendo que falavam horrores desse visual antes de explodir a moda "thrash metal 80’s não morreu".

Antes que algum idiota entenda que eu não gosto do metal que foi produzido nos anos 80 quando ler a entrevista, eu gosto!!! Ok???! Mas as coisas só são legais quando brotam de maneira natural, pois o que vi muito foi uma corrida desesperada para ver quem era o "mais oitentista" do pedaço. Curte calça apertada, tênis de astronauta, patches na jaqueta? Massa, se isso vier de dentro de você e você não guardá-los no armário quando vier a nova onda, que sempre vem. Não se sabe qual, mas sempre vem.

Para ler a entrevista na íntegra, acesse:

http://www.sistemaodia.com/blogs/dark-season--as-coisas-so-s...




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Bateristas: os dez músicos mais loucos de todos os temposBateristas
Os dez músicos mais loucos de todos os tempos

Separados no nascimento: Bruce Dickinson e Leopoldo PachecoSeparados no nascimento
Bruce Dickinson e Leopoldo Pacheco


Sobre Átila Pretorius

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin