Concrete Blonde: entrevista exclusiva para ROCKPressBrasil

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Alessandra Martins, Fonte: ROCKPressBrasil Assessoria, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 13/04/12. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

A redação da ROCKPressBrasil bateu um papo com Johnette Napolitano, lider da banda americana Concrete Blonde e você pode conferir o resultado dessa conversa abaixo.

5000 acessosKiss: as 10 músicas mais "demoníacas" da banda5000 acessosHeavy Metal: Os 11 melhores álbuns dos anos 2000 segundo o Loudwire

RPBR: Olá, Johnette, obrigada pela entrevista!

Johnette : Um prazer!

RPBR: Onde e quando o Concrete Blonde começou?

Johnette: Mankey e eu nos conhecemos em... 1979? 1980?... Quando trabalhávamos para Leon Russel. Mankey já havia tocado no Sparks (uma banda estado-unidense de rock e pop formada em Los Angeles em 1970).

RPBR: O Concrete Blonde estava no centro do movimento alternativo de Los Angeles, nos anos 80...

Johnette: Não verdade, não! Entretanto, fomos realmente inspirados por ele...

RPBR: Ainda assim, quando pensamos em "cena alternativa", pensamos automaticamente em Seattle. Você poderia falar da cena alternativa de Los Angeles?


Johnette: Bem, você está falando de um grupo de uma certa idade, suponho...

RPBR: Sim!

Johnette: Então, o que eu sei, com certeza, é que a cena de Seattle foi realmente influenciada pela cena punk de Nova Iorque e Los Angeles, lá havia muita música antes de Seattle aparecer nessa rota musical... Já havia muita música Indie...

RPBR: Vocês tem uma sonoridade muito distinta, onde podemos pontuar influências bastante óbvias. O que inspira a música de vocês?

Johnette: Nosso álbum mais famoso, Bloodletting, da década de 90, tem uma sonoridade bastente gótica.

RPBR: Alguma chance de New Orleans ter inspirado as nuances góticas desse álbum, uma vez que há muitas referências à essa cidade em específico?

Johnette: Sim, mas gostaria de enfatizar que o tema Vampiresco foi uma metáfora e só. Eu adoro New Orleans e passo muito do meu tempo lá.

RPBR: A banda se envolveu muito com trilhas sonoras. Nos anos 80, para o suspense sci-fi "O Escondido" e o Massacre da Serra Elétrica 2, de Tobe Hooper. Julgando pela influência gótica da banda, vocês ficaram felizes em em participar de tais trabalhos?

Johnette: Nos envolvemos nesse trabalho por a gravadora (IRS Records) havia feitos vários acordos, na época, vendendo músicas por preços baixos, para promover suas bandas. E funcionou! Não nos envolvemos muito naquela época, mas ficamos muito felizes. Éramos uma banda iniciante e ficamos muito felizes por ter nossa música em filmes.

RPBR: O single "Joy", do álbum Bloodletting projetou a banda da cena alternativa de Los Angeles para o mainstream mundial. Sendo desse movimento por tanto tempo, como foi lidar com a fama repentina?

Johnette: É uma coisa boa! Era um saco em muitos aspectos, mas se não tivéssemos um 'hit', duvido que ainda estivéssemos na ativa! Então, estou bem contente sobre esse aspecto...

RPBR: A banda teve alguns períodos de pausa e até aposentadoria, mas ano passado vocês voltaram à ativa e se apresentaram no vigésimo aniversário de Bloodletting. Por que?

Johnette: Meu pai diria que seria uma boa idéia se tivesse dinheiro envolvido. Havia, então fizemos e é isso! Eu havia acabado de perder meu pai e ele era um homem muito sério e correto. Aquela era a coisa certa a ser feita!

RPBR: O que podemos esperar do Concrete Blonde no futuro?

Johnette: Não tenho certeza, mas sempre achamos algo! É uma honra tocar com Jim & Gabriel, eles são pessoas extraordinárias e excelentes músicos. "It's spring time and I'm feeling it!"

RPBR: Obrigada, mais uma vez, pela entrevista!

Johnette: Obrigada vocês!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Concrete Blonde"

KissKiss
As 10 músicas mais "demoníacas" da banda

Heavy MetalHeavy Metal
Os 11 melhores álbuns dos anos 2000 segundo o Loudwire

Led ZeppelinLed Zeppelin
Perguntas e respostas e curiosidades

5000 acessosSeparadas no nascimento: Pitty e Amy Winehouse5000 acessosEmo: gênero que todos amam odiar sem conhecer absolutamente nada5000 acessosMax Cavalera: Explicando à Billboard o que houve com seus dentes5000 acessosA Vida Pós-bilau: vocalista do Life of Agony abre o jogo3843 acessosMetaleiro: popularizado no 1º RIR, termo continua polêmico5000 acessosMetallica: o que Andreas Kisser achou do "Hardwired?"

Sobre Alessandra Martins

Alessandra Martins é metaleira assumida. Respira música desde que nasceu. É Assessora de Comunicação e Relações Públicas, Tradutora (inglês, espanhol e italiano) e Fotógrafa da empresa RockPressBrasil. Já trabalhou com bandas como Fear Factory, Shaman, Korzus entre muitas outras.

Mais matérias de Alessandra Martins no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online