Compact Disc: Formato faz 30 anos; veja o que o futuro traz

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 02/10/12. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Baseado num artigo de JOEL ROSE para o site NPR Music


1721 acessosAnos 90: Antes da Internet as Fitas K7 eram a Salvação no Rock5000 acessosVitão Bonesso: A imensa coleção do apresentador do Backstage

A data de ontem marcou o trigésimo aniversário do lançamento em CD de ‘52nd Street’ de BILLY JOEL no Japão, catapultando o formato que dominaria a venda de música nos anos noventa e no começo do século XXI. A música gravada tende a subir e cair em ciclos de aproximadamente 30 anos, então o marco de ontem inspirou uma série de editoriais sobre a extinção do CD. Mas há algumas perspectivas interessantes num artigo do site NPR sobre a questão que merecem ser discutidas, em especial o debate ‘conveniência em detrimento da qualidade de som’ já que ele se aplica ao áudio digital e se o ciclo de 30 anos pode ser esperado em relação às Mp3s também.

O debate ‘conveniência em detrimento da qualidade de som’ remete aos primórdios dos registros fonográficos: Edison inventou o cilindro de gravação em 1877, mas ele não se popularizou até duas décadas depois. Os cilindros mediam cerca de 10 centímetros, e pareciam como tubos de rolos de papel higiênico cobertos de cera ou laquê. Eles foram tecnologia de ponta no áudio até serem suplantados por uma nova invenção – o disco de 78rpm cunhado pelo competidor de Edison, a Victor Talking Machine Co.

“As primeiras máquinas eram muito, muito rudimentares”, diz Brooks [Tim Brooks, que escreveu um livro sobre o começo da indústria fonográfica chamado ‘Lost Sounds’]. “O som não era tão bom quanto os sons do cilindro. Mas eram muito mais convenientes. Elas não quebravam tão facilmente. Elas poderiam ser feitas para durarem mais, esse tipo de coisa.”

Soa-lhe familiar? Quando as MP3s apareceram, elas foram totalmente rejeitadas por audiófilos que [corretamente] afirmaram que sua qualidade de som era inferior. Mas tal como com o CD antes, os discos de vinil e os discos de 78rpm antes disso, a qualidade sonora nessas mídias melhorou à medida que o tempo passou e elas foram aperfeiçoadas [as MP3s de 128 Kbps que eram o padrão do Napster agora são motivo de riso quando comparadas às de 320 Kbps que se tornaram a regra]. Mas mais importante do que isso, o debáculo ‘conveniência em detrimento da qualidade de som’ sempre esteve presente, e a conveniência sempre triunfou em cima da qualidade no fim: as massas simplesmente não estão interessadas no quão bem algo soa desde que seja fácil de usar. [...]

Matéria completa:
http://playadelnacho.wordpress.com/2012/10/02/compact-disc-f...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 02 de outubro de 2012

Anos 90Anos 90
Antes da Intenet as Fitas K7 eram a Salvação no Rock

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Indústria Musical"

Músicos, aceitemMúsicos, aceitem
Ninguém mais paga por música

O Triste FimO Triste Fim
Futuro do rock pertencerá a bandas tributo e franquias

VinilVinil
Maior coleção do mundo está à venda mas ninguém quer

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Indústria Musical"

Collectors RoomCollectors Room
A imensa coleção do apresentador Vitão Bonesso

BateristasBateristas
Os dez músicos mais loucos de todos os tempos

MegadethMegadeth
As 10 maiores tretas da história de Dave Mustaine

5000 acessosCristina Scabbia: "Símbolo sexual? Fico surpresa com isto!"5000 acessosFilhos de Rockstars: qualquer coincidência é semelhança5000 acessosRodolfo: "O rock brasileiro entrou numa crise desde o começo dos anos 2000"5000 acessosAlice Cooper: "o único rockstar que nunca traiu a esposa"5000 acessosCourtney Love: "Antes de morrer, Kurt odiava o Nirvana"4348 acessosDavid Bowie: músico preparou álbuns póstumos

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online