Krisiun: entrevista com a banda para o Guitar Talks

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Crysthian Gonçalves, Fonte: Guitar Talks
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 08/03/13. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?


3038 acessosKrisiun: banda agradece e Ward conta como conheceu brasileiros5000 acessosMetal: você acredita na "lenda do terceiro álbum"? - Parte 1

O Krisiun é conhecido como um dos principais expoentes do som pesado e brutal do país. Considerado uma das bandas mais bem sucedidas do metal nacional, o grupo encontrou fora do Brasil um grande espaço na cena.

Com nove álbuns de estúdio gravados, sendo o último “The Great Execution” bastante aclamado pela crítica, os irmãos Max e Moyses Kolesne, ao lado de Alex Camargo, foram convidados novamente para se apresentar em um dos festivais de metal mais importantes do mundo, o Hellfest 2013.

O guitarrista Moyses Kolesne conversou com o Guitar Talks sobre o último álbum “TGE”, a carreira internacional da banda, a vinda para São Paulo correndo atrás do sonho de fazer música, a cena atual, “que está fraca”, segundo sua opinião, e o processo de composição de um novo disco que deve ser lançado ainda este ano.

GT - Contem um pouco para nós como foi a vinda para São Paulo no começo da carreira de vocês.

Nós viemos de ônibus de Porto Alegre, em 1992. Eu já tinha vindo para sampa, mas para os outros foi a primeira vez. Éramos bem moleques, o Max tinha 17 anos e eu tinha 19. Fomos morar em um apezinho no Bixiga, em São Paulo, passamos por várias dificuldades, mas aqui estamos firmes e fortes.

GT - Como foi a primeira experiência tocando em palcos fora do país?

Foi no festival Fuck the Commerce na Alemanha, perto de Berlim. Lembro até hoje, foi no dia 9 de abril de 1997. Foi um ótimo show, era um Open Air em dimensões pequenas, mas nos ajudou a nos tornar uma banda sólida na Alemanha.

GT - Quais são as influências musicais dos integrantes do Krisiun que acabam compondo o estilo do som da banda?

Cada um tem suas próprias influências e são bem diversas. Eu posso dizer que tenho muitas influencias e é impossível escrever tudo aqui. Mas comecei com AC/DC, Iron Maiden, Judas Priest, Metallica, Slayer, Sepultura, bandas locais do sul como Leviaethan, Astaroth, ouvia English Dogs, RDP, Saxon, Malmsteen, Exodus etc.

GT - Como vocês analisam a cena do metal atualmente no Brasil e no mundo?

Parece que já foi melhor há uns anos atrás. O Brasil estava com uma cena interessante e algumas bandas parecem que desistiram de lutar. Público tem em todos os lugares, mas temos que conseguir chegar até eles, porque não é fácil fazer eventos no Brasil. E se o publico não apoia, tudo vai por água abaixo. Talvez falte um apoio mais sólido, mas com o tempo creio que vai melhorar.

GT - O último álbum de vocês (The Great Execution) foi bastante aclamado pela crítica internacional. Na visão de vocês, o que ele teve de diferente dos outros?

Amadurecimento, tempo para produzir, tudo foi importante para chegarmos ao resultado final. Nunca fomos ao filão das modas ou tendências. Não nos aceitavam no começo dos anos 90, nos chamavam de “grind core satânico”. Não existiam bandas com som brutal e veloz naquela época aqui no Brasil, não da maneira como fazíamos, e isso sempre foi algo que mantivemos em mente: não copiar os outros e sempre seguir nosso caminho. No “TGE” foi o mesmo lance, resgatamos nossas influências de raiz, nos concentramos somente no metal e o álbum saiu com este sentimento.

GT - Como funciona o processo de criação e composição dos álbuns do Krisiun? Existe alguma temática envolvida em cada um deles?

Até hoje tudo foi feito em cima de jams no estúdio. Nunca fomos de ficar em casa gravando separados e mostrar algo pronto para os demais integrantes. Uma banda tem de compor juntos, por isso é uma banda. Se não seria um projeto solo no qual um mantém o controle de tudo. Ou seja, cada um acrescenta uma ideia e a música vai tomando cara assim com todos ajudando e somando juntos.

GT - Em que vocês estão trabalhando atualmente? Quais são os planos para 2013?

Desde que saiu o “TGE” não paramos ainda, mas agora em 2013 vamos diminuir um pouco as turnês para começar a compor o próximo álbum.

GT - Muito obrigado pela entrevista. Gostariam de deixar um recado aos fãs do Krisiun e leitores do Guitar Talks?

Muito obrigado pelo apoio de vocês! long live rock n roll!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 08 de março de 2013

KrisiunKrisiun
Banda agradece e Bill Ward conta como conheceu os brasileiros

614 acessosKrisiun: Alex fala com a revista Ultraje sobre novo álbum (vídeo)1103 acessosKrisiun: encerrada polêmica tour na Ásia763 acessosNerd Metal: Krisiun, Nervochaos; A intolerância vs Heavy Metal0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Krisiun"

Heavy MetalHeavy Metal
As dez melhores bandas sul-americanas do gênero

KrisiunKrisiun
Se não tivessem agido rápido, a banda poderia ter sido presa

KrisiunKrisiun
Banda já tentou gravar duas vezes no Brasil mas não rolou

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Krisiun"

MetalMetal
Você acredita na "lenda do terceiro álbum"? - Parte 1

CuriosidadesCuriosidades
As histórias por trás de 11 capas clássicas

Mötley CrüeMötley Crüe
A ousada tattoo de modelo paulista em tributo à banda

5000 acessosHair Metal: Os maiores cabelos da história do rock pesado5000 acessosSeparados no nascimento: Ian Hill e Stênio Garcia5000 acessosBlack Metal: o cotidiano fascinante dos fãs adolescentes5000 acessosAndré Forastieri: por que os brasileiros não gostam mais de rock?5000 acessosSexo: como se comportam os fãs de cada vertente de Metal?5000 acessosSoundcheck: Bandas que mandam bem até na passagem de som

Sobre Crysthian Gonçalves

Crysthian Gonçalves, 19 anos, estudante de Jornalismo na FMU, vocalista e guitarrista da banda de rock alternativo Vontrap, fã de boa música como os ídolos Rolling Stones, Queen e Red Hot Chili Peppers, é administrador e entrevistador do site entrevistas Guitar Talks onde apresenta conversas com grandes bandas da cena musical.

Mais matérias de Crysthian Gonçalves no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online