Tamuya Thrash Tribe: Novo álbum terá participações de Marcelo D2e outros

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Luciano Piantonni, Fonte: hard and heavy, Press-Release
Enviar correções  |  Ver Acessos

Press-release - Clique para divulgar gratuitamente sua banda ou projeto.

Desde a formação da banda, em 2010, a proposta do Tamuya Thrash Tribe sempre foi abordar temas da história, cultura e folclore brasileiros. Mas durante a pré-produção do novo álbum - que terá o nome de "The Last of the Guaranis" e tem previsão de lançamento para o primeiro semestre de 2016 - a banda resolveu se aprofundar nas temáticas e incorporar também ritmos brasileiros, destacando-se os ritmos indígenas, nordestinos e africanos.

Metallica: foto rara de formação original do grupoBateristas: Os 30 melhores de todos os tempos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"É um álbum conceitual, estamos totalmente comprometidos com uma maior imersão na cultura brasileira, e por isso estamos experimentando novos ritmos, novos instrumentos e buscando novas formas de compor. E para fazer tudo o que foi planejado, nós achamos que o resultado seria muito mais rico se convidássemos alguns artistas para trazer as suas contribuições e agregar valor às nossas músicas". Conta Luciano Vassan, vocalista e guitarrista da banda.

Entre as participações no novo álbum estão Marcelo D2, João Cavalcanti (Casuarina), Zahy Guajajara, o Coral de Crianças Guaranis, percussionistas, dentre outros.

O Luciano falou um pouco sobre a participação de cada um no novo Álbum:

1. Marcelo D2 - O Marcelo dispensa apresentações, tem uma longa história de misturas musicais, desde os tempos de "Planet Hemp" já flertava com alguns ritmos brasileiros, além de misturar Rock, Hardcore e Rap. A banda, oriunda do underground carioca, surgiu no "Garage", o extinto palco que revelou vários artistas do Rock e Metal carioca. Mas foi em seus trabalhos solo que Marcelo se aprofundou nas misturas com ritmos brasileiros e com a sua famosa mistura de Rap com Samba fincou seu nome na música brasileira como um artista disruptivo, inovador e de vanguarda.

Nascido e criado no subúrbio, conhece de perto a realidade das comunidades cariocas e desde o início de sua carreira sempre abordou as questões políticas e sociais brasileiras. Essa conjunção de fatores foi o que nos motivou a convidá-lo para gravar os vocais da música "Senzala/favela", que fala da abolição da escravidão, o processo de favelização e a intolerância com as religiões da matriz africana.

2. João Cavalcanti - cantor e compositor, vocalista da banda carioca de samba "Casuarina". Teve um projeto chamado "Rodagente", no qual tocava músicas regionais nordestinas. Filho do cantor Lenine, João tem uma relação muito próxima com a cultura do nordeste, e a amizade com Luciano Vassan - desde os tempos de faculdade - possibilitou essa aproximação e o convite para a participação no CD. João gravou vocais em "Vinte e Cinco" e "Violence and Blood", faixas que falam sobre o estilo de vida dos cangaceiros.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

3. Zahy Guajajara - índia da etnia Guajajara Tenetehar, Zahy é ativista das causas indígenas e participa de diversos projetos ligados à proteção dos direitos dos povos nativos brasileiros e também para a valorização e preservação da cultura indígena. Como artista ela é multifacetada: já fez trabalhos como atriz, escritora, poetisa, fotógrafa e ainda é dona de uma belíssima voz, o que chamou a atenção da banda.

Nós conhecemos a Zahy no início de 2015, em um evento do Dia do Índio, realizado no Parque Lage, no Rio de Janeiro. Desde então já fizemos algumas composições e pensamos vários projetos juntos. Ela se tornou uma grande amiga e uma espécie de consultora para assuntos relacionados à cultura indígena. Em um dos ensaios em que ela participou, ela nos mostrou uma de suas poesias - escrita em tupi guarani - e quando conhecemos a tradução, ficamos perplexos, porque o conteúdo estava totalmente alinhado com a temática das nossas músicas. Então resolvemos musicar e gravar a poesia dela. O processo de composição e gravação da música foi totalmente diferente do que estávamos acostumados: ela gravou a voz de forma improvisada, em cima de um dedilhado que fiz no violão, e a partir daí a música foi se desenhando dentro do estúdio. Acho que o resultado ficou incrível.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

4. Coral de Crianças Guaranis - No mesmo evento em que conhecemos a Zahy, nós assistimos uma apresentação do Coral de Crianças Guarani e ficamos maravilhados. Nós já estávamos em busca de um canto indígena que falasse sobre Tupã e a Zahy fez a ponte para conversarmos com o cacique da tribo, Darcy Tupã. Nós fomos até a aldeia em Rio Bonito/RJ para gravar dentro da Oca onde eles fazem as cerimônias religiosas. Foi uma experiência incrível, que mudou a vida de cada um de nós.

A faixa cantada por eles é a abertura do disco e se chama "Oreru nhamandú tupã oreru" que em tradução livre seria algo como "nossos pais são o Sol e o Trovão".

5. Zândhio Aquino - Músico, compositor e fundador do Arandu Arakua - banda participante do Levante do Metal Nativo, que mescla Heavy Metal com música indígena e regional, cantada em idiomas indígenas. Zândhio é descendente de índios e estudioso das culturas indígenas brasileiras, marcou sua participação gravando vocais, maracá, pau de chuva e flautas indígenas em 3 músicas do álbum.

Nós já conhecíamos o Zânhdio e o Arandu Arakua pela internet, mas tivemos uma maior aproximação com a criação do Levante do Metal Nativo. Ele é profundo conhecedor das culturas indígenas e nos ajudou em algumas músicas tirando dúvidas e nos ajudando com palavras em tupi-guarani. A participação dele foi mais do que natural.

6. Mario Mamede - Baterista da banda "Mop Top", DJ e estudioso da música brasileira. Mario é Ogã no terreiro que frequenta e foi um grande incentivador da banda desde o início. Ele foi o primeiro DJ a tocar músicas do TTT na noite carioca, o que o aproximou da banda, a ponto de montar um projeto de Horror-Punk-Metal com Luciano Vassan. Mario gravou as percussões nas músicas "Senzala/Favela" e "The Conjuration (Martyr)".

7. Dudu Bierrenbach - Multi instrumentista, Tocou em projetos como Haven, Mr. Dooback Sound System, Cezar Cayom, Mohana Grupo e Gandharva Mantras, além da banda "Extremo Norte", onde tocou com Leonardo Emanoel e Bruno Rabello. Dudu é Ogã, feito no candomblé, motivo pelo qual o convite foi feito. Dudu gravou as percussões nas músicas "Senzala/Favela" e "The Conjuration (Martyr)".

8. Paula Perez - A Paula já vem tocando com a gente há alguns meses. Já fizemos alguns shows e gravamos uma Live Session da música "Violence and Blood" com ela na percussão. A participação no CD foi natural. Antes do TTT, ela fez parte do "Zabatê", um grupo percussivo/vocal formado por 13 mulheres e ainda tocou com artistas como Carlos Poubel, Gisela Peçanha e Sucata de Luxo. Paula gravou as percussões nas músicas "Violence and Blood", "Senzala/Favela" e "The Conjuration (Martyr)".

9. Gleyds Granden - Mãe de Santo, feita na Umbanda e no Candomblé. "Nós procuramos a Gleyds para pedir a benção e convidá-la para cantar o "Brado de Xangô" na introdução de "Senzala/Favela". Quando explicamos o nosso projeto, ela topou de cara. E a participação dela foi essencial, pois além da contribuição com a sua voz, ela nos ajudou a corrigir algumas imprecisões na parte da música que fala sobe Xangô. O resultado ficou incrível!"

10. Sidney Sohn - Músico e Produtor, proprietário do Estúdio Locomotiva, gravou e produziu o primeiro EP da banda e assina também a produção do novo álbum, "The Last of the Guaranis", onde também gravou teclados e orquestrações. Já trabalhou com grandes nomes do Metal e Rock Brasileiro como Nordheim, Andralls (SP), Thoten e Maldita, além de grandes nomes da música brasileira como Hermeto Pascoal, Biquini Cavadão, Elba Ramalho, Baby do Brasil, Pepeu Gomes, Zeca Pagodinho, Jorge Vercilo e Milton Nascimento (gravou seu ultimo CD , indicado ao Grammy Latino). Assinou trabalhos de Masterização de vários artistas internacionais como: Sacrifice (Canada), Sudden Impact, Slaughter, MX, Gammacide e Iron Angel. Como tecladista tocou no projeto Tribuzy CD e DVD "Execution Live Reunion" onde assina o arranjo de cordas e piano de "Tears of the Dragon" cantada por Bruce Dickinson.

Créditos das fotos: Raphael Simons, Thayná Gomes, Gabriela Valente

O Tamuya Thrash Tribe é formado por Luciano Vassan (guitarra e vocal), Leonardo Emmanoel (guitarra), JP Mugrabi (baixo) e Bruno Rabello (bateria).

Acompanhe o Tamuya Thrash Tribe nas redes sociais:
http://www.tamuyathrashtribe.com
https://www.facebook.com/TamuyaThrash
https://www.youtube.com/user/TamuyaThrashTribe
https://twitter.com/TamuyaThrash




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Tamuya Thrash Tribe"


Metallica: foto rara de formação original do grupoMetallica
Foto rara de formação original do grupo

Bateristas: Os 30 melhores de todos os temposBateristas
Os 30 melhores de todos os tempos


Sobre Luciano Piantonni

Luciano Piantonni, é editor do site Hard And Heavy (luciano@hardandheavy.com.br) e redator da revista Rock Brigade. Natural de Santo André (ABC Paulista) começou sua história com a música aos 8 anos quando foi assistir ao show do Kiss, em 1983. Desde então, acompanha Rock e Metal como suas maiores paixões. Já foi colaborador da revista Roadie Crew (entre 2006 e 2007), além de jornais e sites. Possui uma assessoria de imprensa, LP Metal Press, onde trabalha com os shows de diversas produtoras como Liberation MC, Tumba Productions, SG Entertainment, TC7 Produções, entre outras.

Mais matérias de Luciano Piantonni no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280