Elton John: filme descortina as várias fases da vida do cantor

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Dostoievsky Andrade, Fonte: Blog Questão Musical
Enviar correções  |  Ver Acessos

A vida de um astro pop da envergadura de Elton John tem na essência de seu talento, excentricidade e singularidade como músico, o caldo necessário para que sua cinebiografia assumisse o script de uma estrutura narrativa plástica, um standard pactuado com o próprio cinebiografado para que o painel de sua vida fosse construída sob os alicerces do politicamente correto.

Guitarra: os melhores solos da história segundo a Guitar WorldMarilyn Manson: 7 coisas que você não sabia sobre ele

O mais surpreendente de Rocketman, a biografia de Elton John produzida pelo próprio cantor, foi revelar na tela quem realmente estava por trás das inúmeras fantasias que o cantor vestia para ocultar os dramas de seu vazio emocional e a busca por alternativas nefastas que o levaram a várias flutuações em sua carreira e também na vida pessoal.

O filme de Dexter Fletcher(assumiu Bohemian Rhapsody depois da treta com Bryan Singer) é de uma honestidade escavante no sentido de retratar um artista que se emoldurou de excentricidades, e canalizou para a música e na dedicação espartana para a produção de conteúdo musical. Neste contexto, o filme deixa claro os motivos que tornaram Elton um cara incomum e ao mesmo tempo tão trivialmente humano.

O mote inicial de engenhosa criatividade com Elton(Taron Egerton) vestido de demônio(uma alegoria perfeita para destacar seu estado de espírito torvo e pungente), remete a entrada para mais um show-espetáculo de sua consagrada carreira, mas na verdade, Elton adentra em uma reunião de um grupo de apoio listando uma galeria de vícios, coisinhas do tipo: sexo, cocaína, anfetamina e... Neste tom confessional o filme descortina em flashbacks as várias fases da vida do cantor.

Sob a dinâmica de um musical as cenas seguintes destinam às atenções para a infância e juventude de Elton, centro nevrálgico de toda sua carência, privações sentimentais e do auto-exílio imposto pela incompreensão, confusão existencial e introversão de anos de bulling, rejeição paternal e indiferença da mãe. No meio deste cenário de isolamento e de sombra, canalizar seu único talento(pianista virtuoso) para a musica, foi a forma libertadora de encarar tanta opressão.

A partir do preâmbulo narrativo, toda a resposta aos desfechos dramáticos de sua trajetória tem nas letras de Bernie Taupin a sincronia perfeita com o roteiro que emociona ainda mais quando estas passagens são cantadas pelo elenco. A fórmula banal de produzir uma cinebiografia de apelo, com uma figura tão solar como Elton estabelecendo um rumo de se auto-aclamar mesmo revelando um lado declinante e a capacidade de superar, tem em Rocketman elementos que fogem muito desta armadilha.

O roteirista Lee Hall conseguiu captar exatamente a proposta de Elton em desnudar sua história de vida para incluir fragmentos de fantasia e delírio, o que otimiza ainda mais a lógica alegórica do filme, e que se encaixa em simetria com um musical de uma celebridade do rock que ascende em pleno e festivo anos 70. A sinceridade com que a história demarca a vida do astro sem blindagem desvelando sobre sua homossexualidade, vícios em drogas e álcool em excesso, relação familiar e profissional tem na franqueza do roteiro seu maior trunfo ao se comparar com a biografia asséptica de Freddy Mercury em Bohemian Rhapsody.

Outro ponto importante neste contexto comparativo com outras obras cinebiográficas de astros da música, é não demarcar cronologicamente os fatos da biografia e se apegar ao que as letras das lindas músicas de Elton representam para aquele momento da narrativa, configurando neste mosaico poético sequencias que imprimem uma estética fabulosa de harmonia quase circense como se vê nas cenas do show em Troubadour e no mergulho no fundo da piscina, uma parábola evidente da queda ao fundo do poço.

É bem evidente que o roteiro expressa muito do apelativo modelo de que para instigar a criação artística é indispensável viver o infortúnio sentimental, e que para estabelecer a conexão com uma manifestação artística concreta é preciso caminhar pelo incomum beirando ao bizarro. Neste sentido, o ser artista impresso no filme tem na história de Elton o gancho subversivo para diferencia-lo, a ponto de tornar uma figura singular.

Rocketman consegue também sair da rota dos musicais clássicos e também não se molda aos dramas com música. O enredo vai perpassando para várias sequencias criativas envolvendo o contexto musical com canções e coreografia, passando pela interpretação dramática da letra em congruência com a cena(a exemplo da emocionante cena com a canção I Want Love e Don't Let the Sun Go Down On Me) e na fantasia mítica flutuando com a realidade factual.

Muito do impacto sobressaltante de Rocketman deve-se a interpretação magistral de Taron Egerton que se entrega com uma sujeição tão desmedida, que é patente na performance visceral,sua absoluta outorga para que a persona de Elton pudesse invadi-lo. Assume com encanto e similaridade assombrosa os detalhes posturais, sorriso, jeito de andar, falar, se expressar e cantar. Consegue ainda impressionar nas cenas dramáticas, catárticas e intimistas sem resvalar para a caricatura tão facilmente sedutora para uma figura como Elton com seu apanágio cafona. Jamie Bell como o parceiro musical Bernie também se destaca pela interpretação terna. Por outro lado, destoa demais a figura caricaturíssima de Richard Madden interpretando o empresário e amante de Elton e os pais que assumem um peso muito maniqueísta na relação com o cantor .

A edição e montagem também são uma marca exitosa do filme por escapar do percurso esquemático e guiar o destino da história com truques rítmicos que remetem ao conceito de passagem do tempo com planos espetaculares como o piano giratório ao som Pinball Wizard ou as orgias coloridas kitsch que reporta a estética pop dos anos 70 que tem na iluminação e direção de arte a atmosfera ideal para o estilo cafona da obra em sua perspectiva excêntrica.

A grande mágica do espetáculo policromático de Rocketman no meio de seu compasso fabuloso é encontrar no centro do amálgama lendário de Elton sua desconstrução como um mito artístico para atestar o quanto sua vida se ressignifica de forma a se conciliar com seus próprios fantasmas. Com o desfecho otimista representado pela canção I'm Still Standing( ainda estou de pé) Elton deixa a mensagem de que sua trajetória foi tão ordinária quanto a de qualquer pessoa, não obstante sua extraordinária fantasia artística ter conduzido-o ao olimpo estrelar dos grandes nomes da arte ocidental deste século.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Elton John"


Axl Rose: música de Elton John despertou o desejo de ser um astroAxl Rose
Música de Elton John despertou o desejo de ser um astro

Queen e Elton John: crossover entre os filmes poderia ter acontecidoQueen e Elton John
Crossover entre os filmes poderia ter acontecido

Elton John: Axl Rose nunca foi homofóbicoElton John
Axl Rose nunca foi homofóbico


Guitarra: os melhores solos da história segundo a Guitar WorldGuitarra
Os melhores solos da história segundo a Guitar World

Marilyn Manson: 7 coisas que você não sabia sobre eleMarilyn Manson
7 coisas que você não sabia sobre ele

Porta dos Fundos: Andreas Kisser e a cobrança dos metaleirosPorta dos Fundos
Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros

Solos de guitarra: lista dos 50 melhores segundo a NMESolos de guitarra
Lista dos 50 melhores segundo a NME

Cults: 10 álbuns influentes que fracassaram nas vendasCults
10 álbuns influentes que fracassaram nas vendas

Justin Bieber: ele diz ter feito Marilyn Manson relevante de novoJustin Bieber
Ele diz ter feito Marilyn Manson relevante de novo

Ataques em Paris: Mortos e reféns em show do Eagles Of Death MetalAtaques em Paris
Mortos e reféns em show do Eagles Of Death Metal


Sobre Dostoievsky Andrade

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336|adClio336