Miltinho Romero: Um apaixonado por guitarras

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nelson de Souza Lima, Fonte: Nelson de Souza Lima, Press-Release
Enviar Correções  

Press-release - Clique para divulgar gratuitamente sua banda ou projeto.

Miltinho Romero é um dos mais talentosos guitarristas brasileiros e antes de se apaixonar pelas seis cordas tentou ser baterista. Paulistano, da Aclimação, Romero vem de família musical e desde criança foi influenciado pelos grandes grupos do rock como Beatles, Rolling Stones, Led Zeppelin e Deep Purple.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Tentei a batera, mas não era o que queria. Um belo dia o Marcelo, meu irmão, me deu um violão e pronto. A luz acendeu. Comecei a estudar o instrumento, mas logo passei pra guitarra", diz.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Fã incondicional de Yngwie Malmsteen confessa que o guitarrista sueco foi um dos responsáveis por ter começado a tocar. "Foi um soco na boca do estõmago quando ouvi o Malmsteen. Mas depois fui escutar Hendrix, Blackmore, Alvin Lee, Page, Albert Collins e muitos outros".

O primeiro salário como profissional veio ainda adolescente tocando como guitarrista free lancer e, segundo ele, sua experiência nos estúdios de gravação serviu para lhe dar grande bagagem, mas sem esquecer dos eventos e bandas que formou antes. "Tive muita sorte de trabalhar desde cedo com música, aos 15 anos já estava tocando em várias bandas de rock, festas e casamentos", atesta Romero.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Atualmente se dividindo entre aulas, trabalho em estúdios e carreira solo o guitarrista integra também o Rádio Táxi, um dos principais grupos do rock oitentista.

No final de 2018 Miltinho Romero lançou "Colorful", primeiro trabalho solo com oito faixas instrumentais.

publicidade

"Compus o disco em seis meses, foi na mesma época que entrei no Rádio, tive que conciliar as duas coisas. Com poucos recursos , gravei as guitarras e baixo e meu irmão Marcelo Romero na bateria, me ajudou nos arranjos finais e o tecladista José Antônio Cardillo gravou duas músicas. Usei nas gravações uma Strato American Standart, uma Ibanez RG, e duas Telecaster, uma Benedetti Custom guitar , e uma Tagima" diz ele.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Na entrevista a seguir Miltinho Romero fala de tudo isso e mais. Confira

Como foi sua formação musical?

Miltinho Romero - A música sempre esteve presente em minha vida, pois tenho influência de músico na familIa. Com 5 anos de idade através do meu irmão eu ouvia discos de rock, como:Beatles, Stones, The Who ,Led, Purple entre outros.Tentei aprender bateria com ele, mas não era o que queria. Um belo dia ,ele me deu um violão e pronto. A luz se acendeu.Comecei a estudar violão, mas logo quis passar pra guitarra. Tomei aulas para aprimorar e um dos meus professores, Luciano Mazzeo, me deu uma fita cassete do Yngwie J. Malsmsteen. Foi um soco na boca do estômago. Malmsteen é um dos responsáveis por eu tocar e agradeço o Luciano por isso. Depois comecei a ouvir Hendrix ,Blackmore, Alvin Lee, Page, Albert Collins e muitos outros.

O que contribuiu pra se tornar um músico e te deu bagagem pra virar profissional?.

MR - Tive muita sorte de trabalhar desde cedo com música, aos 15 anos já estava tocando em várias bandas de rock, festas e casamentos, mas o maior aprendizado foi gravando em estúdios de amigos para clientes como guitarrista free lancer no qual recebi meu primeiro salário como músico, tive uma passagem na banda Harppia do meu querido amigo Jack Santiago, o que me deu uma certa bagagem do que viria mais pra frente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como é levar suas influências e modo mais pesado de tocar para o Rádio Táxi que teve na sua formação o Wander Taffo?

MR - Apesar do Rádio Táxi ser uma banda de pop rock, o Wander Taffo, nunca poupou esforços para tocar solos super técnicos, pesados e melodiosos ao mesmo tempo, pra mim um dos maiores guitarristas brasileiros e com uma palheta admirada até hoje, como poucos já vi.

O termo Guitar Hero ganhou notoriedade com gigantes como Yngwie Malmsteen, Steve Vai e Joe Satriani. Não é um termo um tanto tendencioso o qual determina que quem não tá no nível desses incríveis guitarristas é no máximo bom músico. O que acha disso? E está a caminho de ser um Guitar Hero?

MR - Guitar heroes sempre existiram, mas em meados de 80/90 ficou mais evidente e virou sinônimo de guitarristas shredders (trituradores) mas isso sempre existiu em outros estilos como jazz, blues e country.Mas esse título hoje em dia ao meu ver, é apenas para frisar um guitarrista que se identifica com sua sonoridade, atitudes e musicalidade, não me acho um guitar hero, e não estou em busca disso, quero apenas que as pessoas curtam o que estou fazendo. Para viver de guitarra no Brasil, todos nós somos heróis.

Nos últimos anos a guitarra tem perdido seu protagonismo, uma vez que as vendas do instrumento caíram e gigantes do segmento como Fender e Gibson enfrentam crises de mercado. Para você a guitarra tende a ser relegada a um segundo plano? Como vê o interesse das pessoas pelas seis cordas atualmente?

MR - Se a guitarra está em baixa, é possível. Enquanto essa nova geração de pais, empurrarem aos seus filhos, o que eles desejam e não seus filhos,talvez sim.

"Colorful" é seu primeiro álbum solo, lançado no final de 2018. Como foi o processo de produção, composição e gravação. Muitos perrengues pra lançar um disco hoje em dia, uma vez que as plataformas digitais ganharam espaço.

MR - Compus o disco em seis meses, foi na mesma época que entrei no Rádio, tive que conciliar as duas coisas. Com poucos recursos , gravei as guitarras e baixo e meu irmão Marcelo Romero na bateria, me ajudou nos arranjos finais e o tecladista José Antônio Cardillo gravou duas músicas.Usei nas gravações uma Strato American Standart, uma Ibanez RG, e duas Telecaster, uma Benedetti custo guitar , e uma Tagima. Em breve estarei usando as guitarras de uma empresa, estamos adiantandos na conversa, em breve firmaremos parceria.No meu disco usei alguns pedais tradicionais, só acrescentei um wammy, e um cry baby usei meu ampli Buguera com dois falantes Celestino 2 /12 e minha Strato, Soloist e tele dependendo da música.

Os nomes das músicas também são legais: "Funk You", "Heroes", "Looking For Trouble". Como é dar nome pra um som instrumental?

MR - Os nomes não têm muitos significados, uma ou outra é mais pensado, mas é apenas uma busca da sonoridade das palavras,que acabam despertando interesse.

Infelizmente a pandemia de Coronavírus virou o mundo de ponta cabeça. Como tava o trampo de divulgação do disco até a pandemia eclodir e parar tudo?

MR - Estávamos ensaiando para estreitar o show do meu disco solo, mas com o Rádio Táxi também aconteceu a parada, e paciência . Agora todos nós temos de nos cuidar em prol do mundo e de quem a gente gosta .

Como é conciliar o trampo com as bandas e o papel de professor de música?

MR - Realmente você tem que se desdobrar para fazer todas as coisas como aula, gravação, shows e Televisão, mas as vezes é bom ter um ou dois dias para você estudar e organizar as ideias .Dou aulas apenas duas vezes por semana por opção, para poder ter outros dias para outras atividades sempre relacionado a profissão.

Álbum: Colorful

Tracks:
Amplifier Is on Fire
Colorful
Five Kittens In The Kitchen
Funk You
Heroes
Looking For Trouble
Picking Love
Tendinitis Blues

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Oh, não!: clássicos que foram estragados pelo tempoOh, não!
Clássicos que foram "estragados" pelo tempo

Humor: Não basta ouvir Master Of Puppets para ser ThrashHumor
Não basta ouvir Master Of Puppets para ser Thrash


Sobre Nelson de Souza Lima

Jornalista, repórter, resenhista, colunista musical. Assim é Nelson de Souza Lima. Mas acima de tudo um amante do rock, classic, hard e metal. Entre minhas entrevistas estão as feitas com Angra, André Mattos, Royal Hunt, Blind Guardian, entre muitas outras. Além disso sou baixista da banda de Classic Rock e metal The Green Pigs.

Mais matérias de Nelson de Souza Lima no Whiplash.Net.

Cli336 Cli336 Cli336 WhiFin Cli336 CliHo Cli336 Cli336