Matérias Mais Lidas

imagemO clássico dos Paralamas que Gilberto Gil escreveu a letra e ditou pelo telefone

imagemO clássico da Legião inspirado em novela da TV Globo e acusado de plagiar The Doors

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1984 é um ano vital para o metal

imagemKiss: Tommy Thayer responde se Gene Simmons e Paul Stanley se dão bem

imagemQuantos discos o Guns N' Roses vendeu no Brasil e no mundo? Veja os números

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1991 é um ano tão celebrado

imagemNey Matogrosso relembra como foi abrir o Rock in Rio de 1985

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1988 é um ano inesquecível

imagemA resposta de John Lennon quando perguntado se retornaria aos Beatles em 1975

imagemComo o clássico "Angel Dust" fez o guitarrista Jim Martin sair do Faith No More

imagem"Não existe esta coisa de New Wave of British Heavy Metal", diz Paul Di'Anno

imagemVídeos dos shows no Hellfest do Sepultura, Epica, Nightwish, Blind Guardian e outros

imagemMarky Ramone sobre o CBGB: "Era como um lixão, mas era o nosso lixão"

imagemTico relembra trauma que o fez entrar na Fazenda e briga bizarra com Sérgio Mallandro

imagemEdu Falaschi e as versões de "Bleeding Heart" que "dá uma tristezinha" de ouvir


Stamp

AC/DC: Cliff Williams explica por que faz linhas de baixo tão simples

Por Igor Miranda
Em 27/01/21

Para muitos, Cliff Williams tem um dos trabalhos mais fáceis do rock. O baixista integra desde 1977 o AC/DC, uma banda que traz foco total na guitarra e nos vocais, tendo pouco a se explorar no instrumento de sonoridade mais grave.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em entrevista à Guitar World, Williams explicou por que aposta em linhas de baixo mais simples no AC/DC. Além de ser o próprio perfil do músico, ele destacou que trabalha em prol das canções, fazendo o que elas pedem.

"Esse estilo se desenvolveu por eu tocar com os caras e pelas músicas que tocamos juntos. As músicas são muito conduzidas pelas guitarras e nos refrães. Então, não preciso ficar enfeitando. Preciso tocar a estrutura, conduzindo como parte da seção rítmica. Sempre tive essa abordagem e acabou se desenvolvendo dessa forma ao longo dos anos", afirmou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Cliff citou, como exemplo, seu hábito de abafar as notas, com o uso da técnica de palm-mute, em que a lateral da palma da mão cobre a ponte do baixo para coibir sonoridades mais abertas. "Quando toco, abafo com a palma da mão. Vai da sensação. Se a corda está soando demais, eu abafo um pouco, para manter tudo uniforme", disse.

Nos shows, a liberdade de Cliff Williams é um pouco maior. "Às vezes, dou uma variada ao vivo. Coloco algo que sinto que pode funcionar, mas é só. É sobre a música em primeiro lugar, definitivamente, e sobre tentar tocar da melhor forma possível", declarou.

Jazz? Slap no baixo? Nada disso

Em outro momento da conversa, Cliff Williams foi perguntado se gosta de jazz. A resposta, claro, foi negativa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Minha esposa e eu fomos assistir a um show de John McLaughlin há alguns anos, em alguma casa de shows, e aquilo me deixou desconfortável, inquieto. É coisa demais! Minha esposa odiou, então, caímos fora. Jazz não é para mim, mas sei que há alguns baixistas incríveis no estilo", comentou.

No que diz respeito ao baixo em si, será que Cliff já tentou usar a técnica de slap, em que se produz sonoridades mais percussivas ao bater o dedo polegar na corda?

A resposta: "Não acho que os caras teriam curtido que eu tentasse fazer slap. Eles teriam me dado um 'slap' ('tapa', no termo original em inglês). Não posso dizer que nunca tentei, enquanto tocava sozinho, mas nunca quis ser bom nisso. Flea (Red Hot Chili Peppers) é um monstro nisso e há outros ótimos, mas não é para mim".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net



publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Accept encerra um ciclo com "Too Mean to Die"


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda.