Matérias Mais Lidas


Por que o som do Pink Floyd ficou tão associado a ficar chapado? Waters comenta

Por Igor Miranda
Fonte: HuffPost
Postado em 22 de março de 2021

Muitos fãs de rock associam a sonoridade do Pink Floyd, uma das grandes bandas de rock da história, ao uso de drogas. Especialmente no exterior, ir a um show do grupo era praticamente sinônimo de "sair para ficar doidão", como referenciado até mesmo por alguns filmes e séries, no geral, dos Estados Unidos.

Pink Floyd - Mais Novidades

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - CLI
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Curiosamente, os integrantes do Pink Floyd não eram tão drogados assim. A única exceção é o vocalista original Syd Barrett, que saiu da banda em 1968 após ter problemas com a dependência química, responsável por agravar seu quadro de doença mental. Os outros músicos tiveram seus experimentos, porém, segundo eles próprios, não se ancoravam nas drogas para compor, gravar ou performar.

Até daria para atribuir essa "fama" ao fato de que o Pink Floyd surgiu em meio ao movimento hippie, com a psicodelia em voga, no fim da década de 1960. Entretanto, a banda só ficou realmente popular ao longo dos anos 1970, quando já não explorava mais essa vertente musical.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por que, então, o som da banda ficou tão associado ao uso de drogas? Em 2013, o vocalista e baixista Roger Waters tentou responder a essa pergunta em entrevista ao HuffPost.

Inicialmente, o músico apontou que os trabalhos iniciais do grupo, com Syd Barrett, traziam frequentemente o espaço sideral como temática das letras. Geralmente, a ambientação das melodias também dava esse tom "viajado" às canções.

"Não cabe a mim responder sobre isso. Eu não sei. Como os fãs do Pink Floyd chegaram a formular a filosofia de que, de alguma forma, tudo tinha a ver com o espaço sideral... o que aconteceu no início da banda", disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - CLI
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Waters mencionou duas composições de Barrett que ficaram conhecidas naquele período. "Acho que tem a ver com o fato de que uma música se chamava 'Interstellar Overdrive' (algo como 'overdrive interestelar') e outra se chamava 'Astronomy Domine' ('domínio da astronomia'), ambas composições de Syd", declarou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Evidentemente, na fase mais famosa do Pink Floyd, sem Syd Barrett, era ainda mais errado pensar que a banda fazia som "para chapados". Porém, na visão de Roger Waters, até mesmo o período com Syd não se limitava a trazer apenas músicas com essa temática "espacial" e "viajada".

"As músicas de Syd lá no começo tinham mais a ver com a relação dele com a literatura britânica, com Hilaire Belloc, além de suas experiências pessoais. Não tem nada a ver com o firmamento. Não posso explicar isso, lamento", concluiu.

O trecho da entrevista em que Roger Waters fala sobre o assunto pode ser assistido a seguir, em inglês e sem legendas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - CLI
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal
Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps




publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.
Mais matérias de Igor Miranda.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS