Matérias Mais Lidas

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemO clássico dos Rolling Stones que levou mais de 30 anos para ser tocado ao vivo

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"

imagemRitchie Blackmore revela como o impactou a chegada de Jimi Hendrix na Inglaterra

imagemOzzy Osbourne dá sua opinião sobre o streaming e dispara contra Spotify; "É uma piada"

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemOzzy Osbourne é visto caminhando com dificuldade ao sair de estúdio

imagemLuciano Hang processa vocal do Fresno e quer indenização de R$ 100 mil por danos morais

imagemA visão de Arnaldo Antunes sobre sua timidez no período da adolescência

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemFreddie Mercury revelou em 1985 como foi conciliar carreira solo e o Queen

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden está ensaiando para turnê que passa pelo Brasil

imagemMetallica faz doação para complexo de saúde e educação em Curitiba


Stamp

Bandas extremas: 10 álbuns que causaram surpresa

Por Leonardo M. Brauna
Em 26/10/12

No decorrer dos anos bandas que faziam um som brutal e gutural passaram por novas experiências musicais, umas com boa aceitação, outras nem tanto. Aqui relacionei dez álbuns que representam bem tais mudanças.

01 – INTO THE PANDEMONIUM

Para alguns radicais foi difícil de digerir a nova banda de TOM WARRIOR que antes se chamava HELLHAMMER e que havia mudado o nome para CELTIC FROST. No entanto os seus três primeiros lançamentos com a nova fase conseguiram resultados ponderados na cena Thrash Metal mundial. Então eles resolvem arriscar mais com este trabalho de 1987. Há quem diga que a ruína dos suíços começou daí, como também há quem defenda este álbum como o embrião para os estilos Doom Metal e Gothic Metal por conter elementos inusitados em suas músicas tais como violino, vocais femininos em francês e os típicos riffs arrastados, porém o mais curioso e ousado são suas partes eletrônicas.

02 – SHADES OF GOD

O PARADISE LOST é uma banda que reúne muitas fases, mesmo assim é considerado um ícone que ajudou a consolidar a cena Gothic/Doom Metal. Este seu terceiro lançamento pode-se dizer que foi marcado por uma sonoridade mais lapidada que seus antecessores e mostra uma grande evolução musical, tanto na melodia quanto nos riffs mais velozes, fazendo este ótimo disco flertar com o Thrash Metal.

03 – THE ASTRAL SLEEP

Aqui os suecos do TIAMAT "viram a mesa" completamente depois de terem lançado o seu debut "Sumerian Cry" que trazia um Death Metal consistente. Nesta segunda obra os rapazes começam a explorar em demasia recursos que vão de melodias com cordas dedilhadas a passagens suntuosas de teclados, seus temas também não abordam mais o satanismo. Para alguns, ótima surpresa, para outros, decepção total.

04 – THE DREAMS YOU DREAD

Os britânicos do BENEDICTION entraram para a história como um dos grandes nomes do Death Metal. A brutalidade tanto na instrumental vigorosa como nos vocais guturais de seus primeiros álbuns sempre foram referência para o estilo. Este registro de 1995 é marcado por duas transformações, a primeira no line-up onde virtuoso baterista IAN TREACY sai de cena dando lugar ao não menos talentoso NEIL HUTTON, e a segunda na própria música onde encontramos uma banda mais voltada para o Trash/Death Metal com riffs mais pesados e elaborados e as vocalizações de DAVE INGRAM mais moderadas.

05 – ROTTING

Desde as primeiras DTs, uma importante participação na renomada coletânea WARFARE NOISE, e o lançamento do clássico I.N.R.I. os mineiros do SARCÓFAGO conseguiram cravar o nome da banda na cena Black/Death Metal mundial. Em 1989 o seu segundo registro oficial chegava com novidades: eram apenas três integrantes que apresentara uma nova vestimenta, o som mais trabalhado e com uma enorme carência dos blast beats de seu antigo baterista D. D. Crazy. No entanto o álbum teve uma valorosa atenção.

06 – SYMPHONY MASSES: HO DRAKON HO MEGAS

Desde o segundo álbum do THERION as coisas já vinham se encaminhando para o que a banda representa hoje. Com este terceiro lançamento dá-se início completamente ao seu processo de mutação. O Death Metal praticado em seu debut "Of Darkness..." não está mais presente, dando lugar a uma sonoridade mais para o Metal Tradicional, música clássica e árabe, porém algumas canções ainda contém vocais guturais.

07 – BENEATH THE REMAINS

A banda já não executava mais aquele Death Metal tosco dos primeiros trabalhos, e desde o álbum " Schizophrenia" o SEPULTURA já vinha investindo em outra sonoridade, portanto o grande "Boom" surgiu com esta bolacha de 1989 trazendo uma produção mais apurada e riffs matadores que os consolidaram de vez no cenário Thrash Metal.

08 – NECROTICISM – DESCANTING THE INSALUBRIOUS

Mestres do Splatter, o CARCASS causou muita náusea em seu primeiro registro, o podre "Reek of Putrefaction". Em Symphonies of Sickness deram uma desacelerada no seu ritmo Grindcore e melhoraram mais a produção, mais foi neste terceiro disco que eles definitivamente deram outro rumo a sua sonoridade, se superando nas mixagens, riffs pesados e músicas mais longas.

09 – WOLVERINE BLUES

Depois de duas grandes obras do Death Metal, "Left Hand Path" e "Clandestine", o ENTOMBED resolve inovar suas composições para um estilo mais stoner e promovem um chamado "Death ‘n’ Roll" com o lançamento deste petardo, assim a banda torna-se criadora dessa nova vertente.

10 – HARMONY CORRUPTION

Devido aos dois primeiros álbuns do NAPALM DEATH a banda ficou conhecida como "os pais do Grindcore", mas neste terceiro lançamento junto com uma significante mudança de formação, fez o grupo transformar a sua música para um clássico Death Metal , porém a composição das letras e o antigo título os acompanha até hoje.


Bem, guerreiros Headbangers, observamos que nesta lista existe um presença nítida de artistas britânicos e suecos, mas isso é apenas uma questão de escolha minha para comentar. O importante é que cada uma dessas bandas deram ou dão importantes contribuições para manter acesa a chama do Metal. Fica aberto então, o espaço para mais sugestões e complementos.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Metal Hammer: Dez bandas de rock and roll e heavy metal que poderiam se reunir em 2022

Celtic Frost: Tom Warrior diz que banda pode fazer shows em homenagem a Martin AinCeltic Frost: Tom Warrior diz que banda pode fazer shows em homenagem a Martin Ain

Heavy Metal: as 10 melhores faixas de abertura instrumentais, em lista da Metal HammerHeavy Metal: as 10 melhores faixas de abertura instrumentais, em lista da Metal Hammer

Metal sinfônico: os 25 melhores álbuns do estilo, em lista da Metal HammerMetal sinfônico: os 25 melhores álbuns do estilo, em lista da Metal Hammer

Celtic Frost: Tom G. Warrior conta origem do Uh! e shows em homenagem a Martin E. AinCeltic Frost: Tom G. Warrior conta origem do "Uh!" e shows em homenagem a Martin E. Ain

Celtic Frost: Tom Warrior elogia integrante de banda brasileira; admiro imensamenteCeltic Frost: Tom Warrior elogia integrante de banda brasileira; "admiro imensamente"

Celtic Frost: veja vídeo de "Circle Of Tyrants" gravado na edição 2006 do Wacken

Tom Gabriel Fischer: A juventude problemática do líder do Celtic Frost

The Pit: 10 álbuns extremos surpreendentemente ótimos para ouvir entorpecido


Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.

Mais matérias de Leonardo M. Brauna.