Metallica e Nirvana: "a ponte entre o pop e o underground"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nathália Plá, Fonte: blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Steven Rosen, do Ultimate-Guitar.com, entrevistou o guitarrista Mark Morton do LAMB OF GOD. Seguem alguns trechos da conversa.

Slayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecidoHumor: Não basta ouvir Master Of Puppets para ser Thrash

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ultimate-Guitar.com: Vocês fizeram com o METALLICA a "World Magnetic Tour".

Mark: Fizemos vários trechos da turnê, por parte do ciclo da turnê "Wrath". É engraçado fazer essas entrevistas porque eu sou lembrado de tudo. Você volta à sua vida normal e tudo meio que vai sumindo no meio da trama de sua vida. Mas sim, pensando nisso agora, "Uau, estivemos na Índia e estivemos em turnê com o METALLICA três vezes". É bem incrível. Sim, fizemos turnê na América do Norte, Europa e Austrália com o METALLICA. Eles foram anfitriões extremamente amáveis e aprendemos muito com aqueles caras. Foi emocionante conhece-los em um nível pessoal e perceber que eles são caras realmente comprometidos, de pés no chão que são muito sérios a respeito de sua música e muito gratos por sua posição na indústria da música. Eles levam a coisa a sério mas eles se divertem muito também. Acho que a perspectiva e a visão da coisa toda é uma das coisas que eu levei comigo como um dos elementos mais inspiradores do que tirei dessa experiência.

Ultimate-Guitar.com: Musicalmente, o METALLICA abriu os seus olhos de alguma forma?

Mark: Bem, o lance é que eu sou fã do METALLICA desde que ouvi pela primeira vez o "Ride The Lightning". Acho que tenho me inspirado neles em num nível musical por décadas. Eles se inclinaram a empreendimentos mais comerciais no curso da carreira deles e eu não necessariamente os segui ao longo disso tudo, simplesmente por causa do 'timing' e onde eu estava com meus próprios gostos, musicalmente. E está ok, mas eu tenho um enorme respeito por eles, por terem feito aquilo. Acho que foi um grande risco e eles tiraram de letra como ninguém e há muito a ser dito por isso. Mas eu tenho um enorme respeito e admiração pela coragem deles em fazer aquilo e por terem executado aquilo tão bem. Mas onde quero chegar dizendo isso é que vê-los tocar, ver o set deles - e eu os vi muito - não foi tudo tão novo para mim em termos da forma como eles constroem as músicas ou aquele riff, "Uau, esse riff me inspirou". Eu já conhecia essas coisas.

Ultimate-Guitar.com: Contou mais a forma deles agirem do que a música?

Mark: Acho que o que me inspirou foi o fato de que esses caras mudam o set list deles toda noite. Eles praticam e ensaiam de 45 minutos a uma hora com a banda junta antes de irem pro palco. Eu não quero dizer que nós pegamos nossas guitarras e nos aquecemos por 10 a 15 minutos. Eles tem o luxo de ter sua própria sala de ensaio mas eles se preparam e tocam juntos por mais que 45 minutos antes de irem pro palco. Você passa pelo corredor e os escuta aprendendo uma das músicas deles que talvez não tenham tocado por alguns meses. Eles a ensaiam e a recapitulam porque eles vão tocar a música naquela noite eles talvez não a tenham tocado há um mês - ou um ano. Acho que eles se mantém interessados e eles com certeza mantém os fãs deles interessados fazendo coisas assim. Esse é o tipo de coisa que me inspirou e foi o tipo de coisa que me fez olhar e ver como poderíamos melhorar.

Ultimate-Guitar.com: Por que você acha que o METALLICA teve tanto sucesso?

Mark: Acho que é fácil compreender que até o "Justice" porque eles foram uma das bandas de thrash metal mais acessíveis e mais bem construídas, na minha opinião. O thrash de Bay Area. E eles foram o tipo mais polido e simplesmente uma grande banda de thrash metal - uma das melhores. Acho que quando saiu o disco "Preto", que foi o primeiro disco que meio que me perdeu como fã mas isso porque eu fora fã ao longo de todas outras coisas (que eles tinham feito), acho que o 'Black album' foi o elo perfeito com todo aquele hair metal - odeio esse termo - decadente dos anos 80.

Leia a entrevista na íntegra na Ultimate-Guitar.com
http://www.ultimate-guitar.com/interviews/interviews/lamb_of...




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Lamb Of God"Todas as matérias sobre "Metallica"Todas as matérias sobre "Nirvana"


Metallica: Hetfield e Ulrich comentam importância do Master Of PuppetsMetallica
Hetfield e Ulrich comentam importância do Master Of Puppets

Metallica: Tememos ficar acomodados e sem inspiração, então buscamos evoluçãoMetallica
"Tememos ficar acomodados e sem inspiração, então buscamos evolução"


Slayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecidoSlayer
Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido

Humor: Não basta ouvir Master Of Puppets para ser ThrashHumor
Não basta ouvir Master Of Puppets para ser Thrash


Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Goo336x280