Glenn Hughes: "Seventh Star foi um filme sangrento"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Adriano Luiz da Fonseca, Fonte: Brave Words, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

O lendário vocalista / baixista GLENN HUGHES (EX- TRAPEZE, ex-DEEP PURPLE, BLACK SABBATH) bateu um papo com Shawn Perry da Vintagerock.com; na conversa, falou sobre seu novo disco, sua relação com Tony Iommi e o início de sua estada no Purple.

1329 acessosTony Iommi: Falando novamente sobre fita gravada com o Led5000 acessosFoo Fighters: "Não odiamos o Coldplay, só os zuamos"

Vintagerock.com: Vamos falar sobre o novo álbum, “First Underground Nuclear Kitchen”.

Hughes: "É claro, o título é esse aí. Você até já sabe quando os artistas dizem 'oh, esta é a melhor coisa que eu já fiz'. É a coisa mais comum que eles dizem. É isso aí – este é o caminho a seguir. Eu venho fazendo música há muito tempo e eu sabia que após os últimos álbuns, eu teria que vir com algo muito especial".

“Eu levei muito mais tempo escrevendo, arranjando e produzindo – tem muito mais de GLENN HUGHES neste álbum do que em todos os outros. Eu o escrevi em casa e no estúdio. É um álbum todo 'Glenn Hughes'; é um trabalho completo de tapeçaria mostrando onde estou, onde estive e para onde vou”.

Vintagerock.com: Como você descreveria algumas canções deste álbum?

Hughes: "Bem, o título… a gravação, na verdade, é muito simplista. Antes do DEEP PURPLE, eu estava no TRAPEZE, que era um trio rústico do norte da Inglaterra. Pois as minhas raízes… bem, eu sou britânico. Então nós tínhamos aquela ambiente industrial de Birmingham, você sabe, de onde vieram o SABBATH e o ZEPPELIN. O TRAPEZE era uma banda de hard rock, mas nós ouviamos muito música negra americana — STEVIE WONDER, SLY & THE FAMILY STONE e este tipo de coisa. Daí, quando você cruza Hard Rock britânico com Tamla-Motown você tem o TRAPEZE, que é basicamente o que eles dizem, 'Glenn Hughes é rock, soul e funk.' Eu gosto de pensar nisto como uma grande goma de mascar. Misturando os ingredientes faz-se o sabor da minha música".

Vintagerock.com: Falando do DEEP PURPLE, vamos voltar no tempo quando você se juntou à banda. Qual foi a sua primeira reação inicial quando você recebeu o convite?

Hughes: “De primeira, eu disse não. Bem... eu na verdade não disse 'não'. Eu os questionei por que eles queriam que eu cantasse. Eles queriam um vocalista. E eu os questionei sobre isto. E quando eles me disseram que queriam Paul Rodgers, eu disse, 'OK aí é diferente. Paul Rodgers é um de meus favoritos'. Então eu pensei, nós pegamos Paul Rodgers e eu tenho a chance de cantar e aprender com ele, pois ele é muito talentoso. Então a idéia era que eu cantaria com Paul Rodgers, mas eles nunca o chamaram pois ele já tinha formado o BAD COMPANY. Por isso, lá estávamos nós, eu estava na banda, estávamos procurando um cara como ele (Rodgers) e encontramos David Coverdale".

“Na verdade Dave nunca tinha gravado nada com ninguém. Eu não estava tão entusiasmado fazendo somente 'backing vocals' – eu sou um vocalista; na época, era minha idéia ter, tipo, dois vocalistas, algo que foi bem sucedido com David Coverdale e Glenn Hughes. Dave e eu dividimos bem os vocais nos álbuns que fizemos”.

Vintagerock.com: Para mim, uma das suas melhores performances vocais foi no "Seventh Star". Você via alguma restrição em aparecer neste álbum sob o nome BLACK SABBATH?

Hughes: "Sim, eu via. Quando Tony (Iommi) me convidou, sua idéia era ter três vocalistas. Um seria Rob Halford, o outro… eu não sei, algum cantor de rock... e eu. Eu seria o primeiro a cantar. Eu acho que na primeira noite eu escrevi com o pessoal 'No Stranger To Love' e 'Heart Like A Wheel'. E foi tipo, 'Bem, Glenn compôs duas canções esta noite, então vamos continuar.' Daí eu continuei a escrever e terminei o álbum com Tony. Nós fomos tão bem como dupla, que ninguém mais foi convidado para cantar".

"Você sabe que tem gente que fala da minha voz e de quão boa ela era naquela época. As performances eram OK, mas lembre-se que você está lidando com abuso de drogas e álcool. Eu amo Tony como um irmão, e era difícil quando a gente estava meio doido – os produtores, Tony e eu, estávamos ficando muito altos — e ninguém podia olhar um nos olhos do outro. É difícil gravar sob estas influências. É difícil lidar com o ego e comportamentos inapropriados e chiliques. É como um filme. E 'Seventh Star' foi um filme sangrento. Tony estava noivo de LITA FORD, e eles brigavam o tempo todo. Se Lita viesse ao meu quarto, Tony viria também (risos). Eles são bons amigos agora, mas foi muito difícil. Eu estava completamente fora de mim. Eu tinha largado da minha esposa. Conheci uma garota em Atlanta que era muito doida. Foi uma época muito louca".

Vintagerock.com: Bem, vocês viveram para contar isto, pois estiveram no estúdio diversas vezes após 'Seventh Star'. Como você descreveria sua relação de trabalho com Tony Iommi?

Hughes: "Eu sou compositor muito feroz no meu dia a dia. Quando estou com ele… digamos, vamos nos encontrar em uma segunda-feira e trabalhar, certo? Nos sentamos frente a frente, e então na segunda à noite eu vou para casa. Na manhã seguinte, eu volto e ele tem cinco riffs para mim que compôs à noite, depois que eu tinha ido para casa. Cinco diferentes riffs ganchudos para escolher e escrever uma melodia ou um bridge ou um refrão. Este é o forte de Tony – 'o riff'. E eu viria com um coro ou a melodia, e ele faria o resto em um dia. Eu e ele podemos escrever uma grande quantidade de material. Se você fizer esta pergunta a ele, ele provavelmente responderia a mesma coisa. Eu posso manter o mesmo ritmo que ele. Ele tem muita desenvoltura para escrever grandes riffs, como você sabe, e eu consigo – desde que eu esteja sóbrio — fazer minha parte. Quero dizer, eu simplesmente amo concluir. Eu amo a palavra 'concluir' — eu amo concluir as coisas. E nós concluímos um belo álbum chamado 'Fused'".

Leia a matéria completa (em inglês) no vintagerock.com.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Atentado em ManchesterAtentado em Manchester
Iron Maiden e outros comentam tragédia

1329 acessosTony Iommi: Falando novamente sobre fita gravada com o Led310 acessosHeavy Lero #103: Black Sabbath com Dio, primeira parte2507 acessosJimmy Copley: baterista morre aos 64 anos de idade0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

Hard RockHard Rock
As 100 maiores bandas do estilo segundo a VH1

Metal InjectionMetal Injection
Dez canções para Satã

DesfalqueDesfalque
Quando a falta de um membro original faz a diferença

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Glenn Hughes"0 acessosTodas as matérias sobre "Deep Purple"0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"

Foo FightersFoo Fighters
"Não odiamos o Coldplay, só os zuamos"

NirvanaNirvana
Vinte coisas que você não sabia sobre "Nevermind"

HumorHumor
Quais são os rockstars mais chatos do mundo?

5000 acessosCapas de álbuns: as mais obscuras e marcantes da história5000 acessosAs regras do Prog Metal5000 acessosOzzy Osbourne: uma garrafa d'água que custou 80 mil5000 acessosNickelback: As letras mais inteligentes do rock, sugere estudo polêmico5000 acessosDave Mustaine: as diferenças entre o Megadeth e o AC/DC5000 acessosTwisted Sister e Krokus: A treta entre as bandas nos anos 80

Sobre Adriano Luiz da Fonseca

Começou ouvindo rock ainda garoto no fim dos anos 70, do lado de fora do quarto do irmão mais velho que não o deixava entrar – coisas de irmão de pirralho. Depois comprando discos do Queen e Iron Maiden, foi ao Rock in Rio para ver os ídolos de perto e não parou mais. Curte do Blues ao Jazz, do Country ao Funk - o verdadeiro, do Rock ao Metal. Não sabe tocar instrumento algum, mas tem uma guitarra velha chamada Sarah Lee – cortesia do Foghat. Aprecia um vinil bem chiado.

Mais matérias de Adriano Luiz da Fonseca no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online