Butler relembra incidente em show do Sabbath

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por César Enéas Guerreiro, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Jeff Muendel, da revista de música Maximum Ink, do Estado de Wisconsin [EUA], entrevistou recentemente o legendário baixista Geezer Butler (BLACK SABBATH, HEAVEN AND HELL).

401 acessosBlack Sabbath: em vídeo, dez grandes covers de músicas da banda5000 acessosNirvana: Krist Novoselic comenta o suicídio de Cobain

Maximum Ink: Vocês compuseram três músicas novas para a nova coletânea, "Black Sabbath: The Dio Years": "The Devil Cried", "Shadow of the Wind" e "Ear in the Wall". O processo de composição foi similar ao que vocês usavam em 1979?

Butler: “Na verdade, foi completamente diferente. Tony [Iommi] encontrou-se com a banda de Ronnie [James Dio] em 2005. Eles conversaram e fizeram umas jams para lembrar os velhos tempos; aí a gravadora envolveu-se no projeto. Eles começaram perguntando se tínhamos algum material inédito, mas não tínhamos. Então eu me juntei a eles e essas músicas começaram a ser compostas a partir daquele momento”.

Maximum Ink: A banda escolheu as faixas do novo CD?

Butler: “Deixamos isso para a gravadora. Se tivéssemos tentado, você sabe, nunca teríamos conseguido chegar a uma lista final. Cada um de nós teria uma lista diferente. Então quisemos uma escolha neutra, que foi a da gravadora. Ficamos bastante satisfeitos. É uma lista bem representativa, eu acho”.

Maximum Ink: Tenho certeza de que você se lembra que, em 1980, houve um tumulto em Milwaukee [Wisconsin] durante um show do BLACK SABBATH durante a Era Dio [Nota: na ocasião, Geezer levou uma garrafada na cabeça, e a banda teve que se retirar depois de tocar apenas duas músicas]. Aquele incidente afetou a decisão do SABBATH de tocar em Milwaukee?

Butler: “Não, aquilo não afetou a nossa decisão de tocar em Milwaukee, nem um pouco. Bem, em algum lugar sempre pode haver alguns idiotas, certo?”.

Maximum Ink: Todos nós aqui de Wisconsin pedimos desculpas pelo comportamento daquele idiota…

Butler: “Bem, obrigado. Mas isso poderia ter acontecido em qualquer lugar”.

Maximum Ink: Você se lembra de detalhes do incidente?

Butler: “Na verdade, tudo foi um grande mal-entendido. Primeiramente as luzes se apagaram, então, a menos que o cara fosse um incrível lançador, não sei como ele poderia ter me atingido de propósito. Mas eu apaguei e a banda teve trabalho para me tirar do palco e levar pra um hospital. Quando as luzes se acenderam, a banda não estava mais no palco. E aí, é claro, a platéia ficou furiosa. Alguém poderia ter ido lá e explicado – o promotor, ou qualquer outra pessoa. O problema era que a banda estava preocupada em me levar pra um hospital, entende? Então a multidão ficou furiosa porque, de repente, não havia banda nenhuma no palco e depois as coisas só pioraram”.

Maximum Ink: Alguma coisa parecida aconteceu em algum outro lugar?

Butler: “As coisas eram piores nos anos 70, porque ninguém passava por detectores de metal e não tinha tanto espaço entre a banda e a platéia como há hoje em dia. As pessoas jogavam muitas latas de cerveja nos anos 70. Uma vez, em São Francisco, alguém jogou uma cruz de ferro enorme no palco. A cruz quicou, cortou três cordas do meu baixo e a ponta acertou meu olho. Por sorte não fiquei cego. Mas foi um incidente incrível”.

Leia a entrevista completa (em inglês) no maximumink.com.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Black SabbathBlack Sabbath
O que Geezer Butler pensa sobre o fim da banda

401 acessosBlack Sabbath: em vídeo, dez grandes covers de músicas da banda1135 acessosBlack Sabbath: assista "War Pigs" do DVD "The End Of The End"1152 acessosBlack Sabbath: "Não tenho pressa em fazer nada"128 acessosEm 30/12/1979: Tommy Clufetos (Black Sabbath, Alice Cooper)0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

BaixistasBaixistas
Quais são os dez mais ricos do mundo

Black SabbathBlack Sabbath
As aparições da banda nos videogames

Pra discutirPra discutir
Os 100 melhores discos de Heavy Metal de todos os tempos

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"


NirvanaNirvana
Krist Novoselic comenta o suicídio de Cobain

UmmagummaUmmagumma
Desentendimentos e confusões... o que é rock progressivo?

Covers inusitadosCovers inusitados
COB tocando Britney Spears? Shakira tocando ACDC?

5000 acessosIGN Music: os álbuns de Metal mais influentes segundo o site5000 acessosLemmy: "as pessoas se tornam melhores quando morrem"5000 acessosLynyrd Skynyrd: a história da espetacular "Simple Man"5000 acessosJohnny Depp: nunca mais deve beber em noitadas com Keith Richards5000 acessosDave Mustaine: falando como foi tocar com o Metallica5000 acessosGuns N' Roses: Fortus fala de Slash e um possível novo disco

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre César Enéas Guerreiro

Nascido em 1970, formado em Letras pela USP e tradutor. Começou a gostar de metal em 1983, quando o KISS veio pela primeira vez ao Brasil. Depois vieram Iron, Scorpions, Twisted Sister... Sua paixão é a música extrema, principalmente a do Slayer e do inesquecível Death. Se encheu de orgulho quando ouviu o filho cantarolar "Smoke on the water, fire in the sky...".

Mais informações sobre César Enéas Guerreiro

Mais matérias de César Enéas Guerreiro no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online