Beatles: A história do semi-ilegal primeiro álbum americano

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Daniel Faria, Fonte: Ultimate Classic Rock, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

A história do esquecido, semi-ilegal primeiro álbum americano dos Beatles, por Dave Lifton

De toda a confusão acerca dos primeiros lançamentos dos Beatles nos Estados Unidos, talvez nada se compare com a história do primeiro álbum americano, "Introducing...the Beatles". Foi lançado pela Vee-Jay Records no dia 10 de janeiro de 1964, 10 dias antes da Capitol lançar "Meet the Beatles!".

3510 acessosUlrich no U2: ele perdeu para McCartney a chance de tocar bateria5000 acessosAs regras do New Metal/Nu-metal

A história de como e por que isso aconteceu começou cerca de um ano antes. Quando o segundo single do grupo, "Please Please Me", foi lançado no Reino Unido, a EMI, a companhia dona da gravadora Parlophone, ofereceu o álbum à Capitol, sua gravadora americana. Mas a Capitol o recusou. Outra propriedade da EMI chamada Transglobal foi trazida para encontrar um "lar" americano (para distribuição). Então o disco foi comprado pela Vee-Jay, uma gravadora de R&B de Chicago que teve hits com Betty Everett, The Impressions, Jerry Reed e os Staple Singers. A companhia lançou a faixa título no dia 7 de fevereiro de 1963.

Apesar de não ter virado um hit nacional, "Please Please Me" teve realização respeitável em alguns mercados maiores, e planos foram feitos para lançar o primeiro álbum dos Beatles de mesmo nome nos Estados Unidos, apesar de vir com uma modificação. Na época, álbuns nos Estados Unidos normalmente não tinham mais de 12 canções, duas a menos do que "Please Please Me." Então a faixa título foi removida junto com a do lado B que era de um single, "Ask Me Why", e o álbum foi renomeado "Introducing...the Beatles".

A Vee-Jay tinha intenção de ter o disco nas lojas no fim de julho, mas uma crise financeira maior na gravadora, que acabou com a renúncia de seu presidente, adiou a data de lançamento. Citando o não pagamento de royalties do single, a Transglobal invalidou o contrato com a Vee-Jay.

No fim do outono, rumores sobre o grupo começaram a espalhar pelo país inteiro e a Capitol concordou lançar o novo single, "I Want to Hold Your Hand." Enquanto subia nas paradas, a Vee-Jay, que ainda tinha os masters mais antigos e a maior parte da arte pronta para sair, decidiu lançar o álbum, batendo decisivamente a Capitol e descobrindo que o muito-precisado dinheiro valia qualquer problema legal.

Mas a gravadora rapidamente descobriu um problema legal diferente. Uma semana depois do lançamento do álbum, a Vee-Jay foi atingida com uma ordem de restrição pela Beechwood Music, que era dona dos direitos de "Love Me Do" e "P.S. I Love You." Então a gravadora substituiu as duas faixas com o par que tinham removido inicialmente, e relançaram o LP no começo de fevereiro. Ele subiu para o número 2 na Billboard 200, onde só ficou fora do topo atrás de "Meet de Beatles!" da Capitol.

E aí veio o problema da Transglobal. Ao longo dos próximos dois meses, Vee-Jay e Capitol lutaram nos tribunais, com a Vee-Jay lançando uma nova versão de "Introducing... the Beatles" toda vez que uma das ordens judiciais da Capitol eram suspensas. Em abril, um acordo foi alcançado no qual a Vee-Jay tinha seis meses para vender as canções que controlava, e depois os direitos iriam reverter para a Capitol.

Quando a mudança finalmente aconteceu em outubro, 1 milhão e 300 mil cópias de "Introducing... the Beatles" tinham sido vendidas. Possivelmente por causa de todas as múltiplas versões, o álbum tem sido de longa data um algo de piratas buscando lucrar com consumidores incautos.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 21 de janeiro de 2016

Lars Ulrich no U2Lars Ulrich no U2
Ele perdeu para Paul McCartney a chance de tocar bateria

2261 acessosE se for verdade?: Famosos que morreram e foram substituídos1369 acessosShows: em vídeo, Top 11 Músicas Viscerais de Encerramento261 acessosVersões: Clássicos que você talvez não saiba, ou não lembre que são0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

BeatlesBeatles
Montagem mostra como 2016 foi um ano duro para a música

BeatlesBeatles
"Fui o bode expiatório para a separação", diz Yoko

Paul Está Morto?Paul Está Morto?
Um Beatle morreu em 1964? O maior boato da história do rock?

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "Beatles"

New MetalNew Metal
Raiva, calças folgadas, problemas na infância...

Guns N RosesGuns N' Roses
A crítica de Portnoy ao trabalho de Matt Sorum

Ódio musicalÓdio musical
Os artistas mais detestados em lista da Spinner

5000 acessosCorey Talor: "Axl é um pau no cu e quem espera por ele é otário"5000 acessosSign of the horns: o sinal do Demônio5000 acessosIron Maiden: o passado vergonhoso registrado em fotos5000 acessosMinha Mulher Não Deixa Não: clássico brega em versão Metal5000 acessosCapas: algumas de outros estilos que parecem ser de rock ou metal4436 acessosMassacration: um Steel Panther mais afetado, diz site gringo

Sobre Daniel Faria

Nascido em 1977, cresceu em um lar onde rock progressivo dominava as ondas do ar. Aos 12 anos, com a compra de "Paranoid" (Black Sabbath) tudo mudou e o metal gradualmente passou a ser o som predominante em casa. Estudou Computer Science / Applied Science pela Concordia University (Montreal, Québec, Canada) e hoje vive em um vilarejo rural em Simcoe County, centro-sul de Ontario, Canada.

Mais matérias de Daniel Faria no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online