The Beatles: a saga de "Let It Be"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Claudinei José de Oliveira, Fonte: rollandorocha.blogspot
Enviar correções  |  Comentários  | 

Como todos sabem, "Let It Be" é o último álbum lançado pelos Beatles, mas não foi o último a ser gravado. Este foi o "Abbey Road".

1328 acessosRock: gênero é um trintão decadente, segundo Spotify5000 acessosRhythm: os bateristas mais influentes de todos os tempos

Capa do álbum Let It Be
Capa do álbum Let It Be

Desde a gravação de "Sgt. Peppers Lonely Heart's Club Band", Paul McCartney havia assumido o direcionamento musical do conjunto, já que John Lennon mergulhara numa letargia lisérgica descomunal. É sabido também que, após a morte do empresário Brian Epstein, os egos dos integrantes afloraram, gerando atritos que culminariam inevitavelmente no fim da banda.

Antes, porém, o afloramento de egos deu origem ao álbum duplo "The Beatles", também conhecido como "White Album" ou "Álbum Branco", em razão de sua peculiar capa (a ideia de Paul era uma espécie de desintoxicação do excesso de informações presente na capa de "Sgt. Peppers"). Ali, os Beatles descansaram de ser banda e chega a ser palpável a individualidade de cada integrante através das faixas. Ao contrário da simplicidade da capa, o conjunto de canções é um "Frankenstein musical", uma obra esquizofrênica mas, como em tudo que os "quatro de Liverpool" tocavam, de uma musicalidade fascinante.

Capa do Álbum Branco
Capa do Álbum Branco

A sequência, se descontarmos a trilha sonora de "Yellow Submarine", mais ou menos um EP acrescido de temas instrumentais compostos e arranjados pelo produtor George Martin, seria o conjunto de músicas que acabou dando origem ao álbum "Let It Be", o qual esteve, entre os anos de 1969, quando começou a ser gravado e 1970, quando foi, finalmente, lançado, envolvido numa trama épica digna de Homero.

A ideia, novamente de Paul, era interessantíssima: despir a sonoridade da banda de todos os efeitos e truques explorados, a partir de meados dos anos 1960, em estúdio, numa espécie de "back to the basic" que, segundo McCartney, tinha como objetivo derradeiro ressuscitar o espírito de companheirismo e camaradagem, o qual uniu e fortaleceu a banda nas dificuldades dos anos iniciais. O problema é que eles não eram mais quatro moleques "durangos" lutando, com unhas e dentes, por um lugar ao sol, mas sim quatro milionários com egos inflados (talvez com exceção de Ringo, não na parte dos milionários), cada um tentando fazer valer sua vontade sobre os demais.

Seguiu-se, então, uma sequência de descaso, sabotagem, ironia e mesquinharia enquanto a música ia se fazendo ouvir, toda ela documentada no filme "Let It Be", do qual o disco lançado foi trilha sonora.

Lennon, desperto de sua letargia e, segundo as más línguas, influenciado por Yoko Ono, com sua personalidade forte, foi de encontro à hegemonia de Paul, não apenas no direcionamento musical, mas em tudo que envolvia a banda, em especial nos espinhosos assuntos financeiros.

No sentido musical, uma das exigências de John foi o afastamento do produtor George Martin, acusado de diluir o sentido roqueiro da banda em experiências com música erudita. O projeto, apropriadamente batizado "Get Back" tinha até uma capa, que acabou sendo utilizada na coletânea "The Beatles 1967/1970", a qual remetia ao primeiro álbum lançado pela banda.

The Beatles 1967-1970
The Beatles 1967-1970

Please Please Me
Please Please Me

Acostumados à grandiosidade das produções do velho George, os Beatles ficaram horrorizados diante do resultado de sua sonoridade "nua". Engavetaram tudo e chamaram Martin de volta para produzir seu "canto do cisne": a obra-prima "Abbey Road". Como músicos que praticamente não se falavam conseguiram tal maestria é algo a ser estudado pelas ciências.

O fato é que, à revelia de Paul, John, após o lançamento de "Abbey Road", voltou a trabalhar nas músicas de "Let It Be" e, contrariando (pra variar!) tudo o que havia dito, chamou o produtor norte-americano Phil Spector para preencher com seus "overdubs" (o famoso "Wall Of Sounds"), os espaços deixados pela simplicidade do quarteto tocando sem firulas.

Mesmo contra a vontade de Paul, que ficou "de cabelo em pé" com o resultado, o álbum foi lançado em 1970 e, apesar de tudo, tornou-se, rapidamente, uma unanimidade entre os admiradores da banda, com o agravante sentimental de ser a derradeira obra lançada pelos "Fab Four".

Em 2003, McCartney teve, finalmente, um certo grau de satisfação com o lançamento de "Let It Be... Naked", onde a mixagem "nua" que ele pretendia pôde, enfim, ver a luz do dia. Uma pena foi a ideia da capa e do título ter sido substituída de maneira empobrecedora. A música porém... Ah, a música!

Let It Be... Naked
Let It Be... Naked

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 30 de junho de 2015
Post de 08 de maio de 2016
Post de 08 de maio de 2017

VinilVinil
Os dez discos mais vendidos nos EUA em 2017

1328 acessosRock: gênero é um trintão decadente, segundo Spotify393 acessosRingo Starr: novo álbum sai em setembro, e traz Paul McCartney1342 acessosBeatles: Paul McCartney fecha acordo sobre direitos autorais313 acessosSgt. Pepper's: entrevista exclusiva com o Sargento Pimenta0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

Por um trizPor um triz
Quando por pouco a história do Rock não foi a mesma

A7XA7X
"Ringo e Lars Ulrich são absolutamente geniais

Paul McCartneyPaul McCartney
"Yoko não foi responsável pelo fim dos Beatles"

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "Beatles"

RhythmRhythm
Os bateristas mais influentes de todos os tempos

CriançasCrianças
Como cresceram as de "Nevermind", "War" e outras

VinilVinil
Quais são os dez discos mais valiosos do mundo?

5000 acessosIron Maiden: Nado sincronizado ao som de "The Trooper"5000 acessosBandas extremas: 10 álbuns que causaram surpresa5000 acessosFotos de Infância: Ozzy Osbourne5000 acessosPink Floyd: entenda o "estilo Gilmour" de tocar guitarra5000 acessosPokemon: tema de batalha tocado em uma bateria brutal5000 acessosJim Root: ser despedido é "como acabar um namoro"

Sobre Claudinei José de Oliveira

Claudinei José de Oliveira é graduado em História e aproveita o tempo vago para ouvir, ler e escrever rock´n´roll e conversar com seus cachorros. Criou e mantém o blog rollandorocha.blogspot.

Mais matérias de Claudinei José de Oliveira no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online