Rush: Geddy Lee fala sobre evolução e hits da banda

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Cleyton Lutz
Enviar correções  |  Comentários  | 

Sobre a guinada progressiva dada a partir do álbum “Caress of Steel” (1975):

“A imprensa caiu em cima da gente, foi um momento muito desfavorável para nós. Mas também foi o tempo em que decidimos transformar-nos em nossos maiores fã. E passamos a fazer a música em que realmente acreditávamos. Nós tínhamos de fazer algumas mudanças, mas estávamos totalmente comprometidos com nosso trabalho, nada nos tiraria do caminho”, Geddy Lee.

239 acessosAvery Molek: medley de Rush na bateria aos 10 anos de idade5000 acessosGaleria - Tatuagens em homenagem ao Iron Maiden (I)

Sobre a proposta de uma nova orientação musical a partir do álbum “Permanent Waves” (1980):

“De repente a gente se tocou que estávamos com um papo muito complexo, era uma coisa escrita para nós mesmos e que nem sempre chegava ao nosso público. O resultado é que procuramos, a partir daí, sem cair em fórmulas padronizadas, caminhar mais ao lado dos nossos fãs”, Geddy Lee.

Sobra a composição da música “Tom Sawyer” (do álbum “Moving Pictures”, 1980):

“Foi o contato com o letrista do Max Webster [banda canadense], Pye Dubois, que nos inspirou. Já a seção instrumental tem ainda outro detalhe interessante: ela nasceu a partir de uma pequena melodia que Geddy costumava usar quando testava o som de seu sintetizador. Certo dia estávamos procurando um trecho para aquela canção quando nos lembramos de tal melodia que acabou emergindo como um tema muito forte”, Neil Peart.

Sobre a composição da música “YYZ” (também do álbum “Moving Pictures”):

“Tem a ver com uma paixão de Alex [Lifeson, guitarrista do RUSH], a aviação, já que ‘YYZ’ é o código de identificação usado pelo Aeroporto Internacional de Toronto e a introdução da música é tirada do código Morse, que é enviado pela torre de controle”, Neil Peart.

Sobre a gravação de álbuns em shows ao vivo:

“Para o RUSH, um álbum ao vivo serve para muitas funções importantes. Num concerto, qualquer coisa que você faz é espontânea e totalmente irreversível. É aí que reside o melhor da brincadeira, mesmo que durante a apresentação você não possa precisar corretamente como estão indo as coisas. Temos também a oportunidade de mostrar como certas músicas evoluíram desde que registramos num estúdio... é como dar uma segunda chance a vida”, Neil Peart.

Sobre a composição do álbum “Signals” (1982):

“Nós procuramos em ‘Signals’ uma maior simplicidade. Não houve conflito e eu queria fazer algo um pouco diferente dos discos anteriores, dando um espaço maior aos teclados e restringindo um pouco a guitarra”, Alex Lifeson.

Fonte: Rush (revista pôster)
Editora Três
1983

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 05 de fevereiro de 2017

RushRush
Capivaras de zoológico em Toronto ganham nome do trio

239 acessosAvery Molek: medley de Rush na bateria aos 10 anos de idade430 acessosLoudwire: em vídeo, 10 maiores riffs de metal dos anos setenta0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Rush"

CanadáCanadá
Os 30 melhores álbuns de Hard Rock/Heavy Metal

RushRush
Alex Lifeson lista seus três melhores solos de guitarra

Capas de álbunsCapas de álbuns
As mais obscuras e marcantes da história

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "Rush"

TatuagensTatuagens
Homenagens à banda Iron Maiden na pele dos fãs

Dave MustaineDave Mustaine
Por que ele perdeu seu emprego no Metallica?

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1982

5000 acessosBandas: Por que ninguém está indo a seus shows?5000 acessosAvenged Sevenfold: 10 músicas que podem fazer você mudar de idéia5000 acessosRamones - Perguntas e Respostas5000 acessosIron Maiden: Nicko expõe o perigo de guerra de tortas no palco5000 acessosBlack Sabbath: os 10 melhores covers feitos por bandas famosas4908 acessosInsanidade: garoto é expulso de colégio por ouvir RATM e Korn

Sobre Cleyton Lutz

Estudante de Jornalismo, mora em Guarapuava, PR. Adora escrever sobre futebol e rock 'n' roll. Sobre música, adora o Hardão Setentista (Grand Funk, Uriah Heep, Deep Purple, Led Zeppelin) e o progressivo (Yes, Jethro Tull, Focus). Para música acha que nasceu pelo menos uns 30 anos atrasado. Das bandas atuais gosta de White Stripes, Wolfmother e Hellacopters. Mas sua paixão é o som trascendental do Pink Floyd. Os seus grandes sonhos são ver ao vivo uma reunião dos quatro novamente, como ocorreu no Live 8, além de comprar uma moto com a primeiro dinheiro que ganhar com o jornalismo.

Mais matérias de Cleyton Lutz no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online