Matérias Mais Lidas

imagemSlash explica porque o Guns N' Roses faz shows de 3 horas e meia

imagemGuns N' Roses cancela show na Escócia por razões médicas

imagemO mega sucesso do Led Zeppelin que era pra ser uma piada mas se tornou um hino

imagemDave Mustaine perde a compostura e xinga membro da equipe do Judas Priest

imagem"Master Of Puppets" apareceu em comédia há 19 anos, muito antes de "Stranger Things"

imagemGuitarrista original do Mercyful Fate solta os cachorros por ter ficado fora de reunião

imagemA banda de hard rock dos anos 1970 que é a queridinha de Xande de Pilares

imagemResenha - Angra (Circo Voador, Rio de Janeiro - RJ, 01/07/2022)

imagemLed Zeppelin ou Pink Floyd, qual dos dois vendeu mais discos de estúdio?

imagemMetallica em "Stranger Things" deixa fãs preocupados com a "popularização" da banda

imagemFã joga sutiã no palco durante show do Slipknot no México; veja vídeo

imagemDave Mustaine rasga elogios e fala sobre amizade com Ice-T, vocalista do Body Count

imagemO que Lemmy Kilmister aprendeu trabalhando como roadie de Jimi Hendrix

imagem"Master Of Puppets" entra no top 30 global do Spotify depois de "Stranger Things"

imagemAxl Rose teria sofrido ataque de ansiedade antes de show, diz jornal


Stamp

Interpol: 20 Anos de Turn On The Bright Lights

Resenha - Turn On The Bright Lights - Interpol

Por Beatriz Valentim
Em 10/06/22

Neste ano, o primeiro álbum de estúdio "Turn On The Bright Lights" da banda Nova-Iorquina Interpol completa exatas duas décadas. O disco já foi considerado por muitos críticos como uma "obra-prima", além de ganhar o título da Pitchfork como o melhor álbum lançado naquele ano (2002).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sua fama não é levada sem motivo, a banda é uma das grandes precursoras do movimento Post-Punk Revival, por conseguinte, se destacou em meio de inúmeras obras do indie rock lançadas naquela mesma época.

O disco não possui algo ao nível revolucionário, The Strokes há um ano já faziam algo semelhante com o ‘Is This It’, falando em termos de gênero musical e com o renascer do Post Punk. Como consequência, esses foram chamados de "salvadores do rock". Strokes então, ajudou a popularizar o estilo por causa do vedetismo midiático, abrindo então portas para diversos artistas e um deles foi Interpol.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sua capa possui uma arte um tanto quanto misteriosa. Uma combinação de um vermelho vívido e assustador em contraste com a cor negra tão áspera que quase deixa os objetos da imagem irreconhecíveis. Chama muito a atenção, mas não de uma forma desagradável ou negativa, e sim curiosa.

Começa com a música "Untitled" que dita "I will surprise you sometime", de fato, a banda surpreende bastante logo ao início possuindo uma atmosfera gótica com sons carregados do uso bem distinto do teclado e marcantes riffs de guitarra e não poderia deixar de citar o vocal descontraído e irônico de Paul Banks durante a canção.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Logo em seguida "Obstacle 1", seu single mais conhecido até hoje, perdendo apenas para "Evil" do álbum sucessor "Antics". Constitui batidas frenéticas do baterista Sam Fogarino e em sequência um vocal suave e sem fôlego que presenteia a canção, mantendo um anseio ao clímax do refrão e riffs de guitarra bem agudos.

Possui uma letra um pouco sombria por ser inspirada em um caso de suicídio cometido por uma jovem modelo, nota-se nos versos "You go stabbing yourself in the neck". É possível também notar algumas semelhanças com a banda inglesa de pós-punk Joy Division nas músicas "She Lost Control" ao seu início e "Disorder" por toda a extensão da música.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"NYC" nos entrega uma visão bem diferente de Nova York que os Strokes, já citados antes, construíram no ano anterior, assim como todas as músicas no geral com seus elementos típicos da cidade. Alguns versos como "I’m sick of spending these lonely nights/ training myself not to care" dão uma visão mais a estilo Radiohead em seu tipo lírico.

"PDA" possui uma sonoridade ansiosa, raivosa e bastante agitada. O desfecho surpreende com seu solo de guitarra e vocais aguçados do guitarrista Daniel.

"Say Hello To The Angels" possui uma abordagem mais romântica ao dar a emoção que o autor se sente em relação à sua parceira notavelmente de cabelos vermelhos nos versos "I see you in the doorway/ I can’t control the part of me that spells up when you move into my airspace" onde é possível entender que quando está junto a ela, encontra-se em um paraíso, podendo até ser capaz de dizer "olá para os anjos".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Impossível deixar de comentar dos incríveis riffs de "Roland" e as sublimes linhas do contrabaixo de Carlos Dengler que dão autenticidade e um charme em músicas como "Stella Was a Diver and She Was Always Down", "The New" e "Leif Erikson", com letras taciturnas e de quebra um ritmo mais lento que as demais como "Hands Away" que se encontra no meio do disco, onde encerram o álbum da melhor forma possível.

É um disco "montanha-russa" com músicas bem melancólicas, seguidas de outras bem mais agitadas e claustrofóbicas.

Há comentários pela internet que dizem que esse disco era como se Ian Curtis não tivesse falecido, ou que Interpol seria o fantasma de sua banda. De fato, esse disco se assemelha bastante ao seu trabalho, porém, sem se tornar uma cópia ou algo do tipo. Mesmo com essas influências, conseguiram criar algo único, singular e com sua própria personalidade.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

É o melhor presente preto e vermelho que alguém poderia receber quando acende as luzes brilhantes.

Tracklist:
1 - "Untitled"
2 - "Obstacle 1"
3 - "NYC"
4 - "PDA"
5 - "Say Hello to the Angels"
6 - "Hands Away"
7 - "Obstacle 2"
8 - "Stella Was a Diver and She Was Always Down"
9 - "Roland"
10 - "The New"
11 - "Leif Erikson"

Gravadora: Matador Records

Paul Banks: vocais e guitarra
Daniel Kessler: guitarra e vocais de apoio
Carlos D: baixo e teclado
Samuel Fogarino: bateria e percussão

FONTE: Pitchfork


Outras resenhas de Turn On The Bright Lights - Interpol

Resenha - Turn On The Bright Lights - Interpol

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Resenha - Turn On The Bright Lights - Interpol

Exodus: "Rick Rubin é uma verdadeira fraude", diz Gary Holt