Matérias Mais Lidas

O recado de Bruno Sutter para roqueiros que não entendem sucesso de outros estilosO recado de Bruno Sutter para roqueiros que não entendem sucesso de outros estilos

A banda brasileira mais transgressora dos anos 1980, segundo Maurício BrancoA banda brasileira mais transgressora dos anos 1980, segundo Maurício Branco

A categórica opinião de Kiko Loureiro sobre SlashA categórica opinião de Kiko Loureiro sobre Slash

Pitty tuíta que moda agora é ser roqueiro e apaga após Anitta e fãs reagiremPitty tuíta que "moda agora é ser roqueiro" e apaga após Anitta e fãs reagirem

Guns N' Roses: DJ Ashba critica Buckethead e seu balde de frango na cabeçaGuns N' Roses: DJ Ashba critica Buckethead e "seu balde de frango na cabeça"

Steve Vai teve que malhar quando começou a tocar com Lee Roth; Parecia um macarrãoSteve Vai teve que malhar quando começou a tocar com Lee Roth; "Parecia um macarrão"

Roger Moreira explica por que é um dos únicos artistas que ainda defende BolsonaroRoger Moreira explica por que é "um dos únicos artistas" que ainda defende Bolsonaro

Beatles: todas as músicas da banda em ordem de grandiosidade, segundo a NMEBeatles: todas as músicas da banda em ordem de grandiosidade, segundo a NME

A dura opinião de Corey Taylor sobre programas como American Idol e The X FactorA dura opinião de Corey Taylor sobre programas como American Idol e The X Factor

Cannibal Corpse: a música que fez George Corpsegrinder querer cantar death metalCannibal Corpse: a música que fez George Corpsegrinder querer cantar death metal

Arch Enemy anuncia novo álbum, Deceivers; confira os dois primeiros clipesArch Enemy anuncia novo álbum, "Deceivers"; confira os dois primeiros clipes

Ghost: música do próximo álbum fala sobre lendário serial killer que nunca foi capturadoGhost: música do próximo álbum fala sobre lendário serial killer que nunca foi capturado

Titãs: o motivo pelo qual Arnaldo Antunes saiu da banda antes de TitanomaquiaTitãs: o motivo pelo qual Arnaldo Antunes saiu da banda antes de "Titanomaquia"

Filho do John Lennon fará leilão de NFTs dos Beatles; você ganha, mas não recebe o itemFilho do John Lennon fará leilão de NFTs dos Beatles; você ganha, mas não recebe o item

Como competição com Legião Urbana mudou estilo de composição de Cazuza?Como competição com Legião Urbana mudou estilo de composição de Cazuza?


Resenha - Playground of the Damned - Manilla Road

Por Diogo Muniz
Em 20/12/20

O ano é 2011, e após sua ultima turnê o Manilla Road se firmou com a seguinte formação: Mark Shelton (guitarra e vocal), Bryan Patrick (vocal), Cory Christner (bateria) e Vince Goleman (baixo). Foi nessa época que eu conheci o Manilla Road, navegando despretensiosamente na internet, e ao me deparar com o som dos caras foi amor à primeira audição. Fiquei alucinado com o som da banda e lembro que na época compartilhei com todos os meus amigos os links dos vídeos deles nas minhas redes sociais, com o intuito de divulgar ao máximo essa raridade. Digo que se trata de uma raridade, pois aqui no Brasil o Manilla Road é praticamente desconhecido do grande público, e geralmente quem conhece aprova o som da banda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Assim como eu usei a internet para conhecer e divulgar a banda, o Manilla Road também reconheceu o potencial do alcance que a internet oferecia - tanto que posteriormente o próprio Mark Shelton confirmou em entrevistas que a banda havia aumentado consideravelmente sua base de fãs graças à internet. Fazendo uso dessa nova ferramenta, o grupo tratou de fazer vídeos divulgando o seu próximo e vindouro trabalho, batizado de "Playground of the Damned"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Após lançar dois discos inteiramente voltados para temáticas históricas e mitológicas, em "Playground of the Damned" a banda retomou a temática de horror/terror. A capa do disco já nos dá uma pista do clima sombrio que permeia o seu conteúdo, nos apresentando uma figura horrenda em um cenário de total destruição em uma imagem quase monocromática.

A faixa de abertura, "Jackhammer", já começa sem firulas, com riffs bem colocados e o baixo bem na cara. Aqui temos Mark Shelton, com uma voz que vem envelhecendo como vinho desde "Atlantis Rising", assumindo os vocais. O refrão é sombrio e arrastado, dando a pista de como será a abordagem lírica e musical do disco.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Alternando os vocais, temos Bryan Patrick conduzindo "Into the Maelstrom", uma canção pesada, arrastada e marcada por uma batida tribal.

"Playground of the Damned", a faixa-título, é uma música em mid-tempo, porém um pouco mais acelerada (e com mais viradas de bateria) que as anteriores. A letra aborda a humanidade como sendo uma raça amaldiçoada por si mesma. Vale a pena mencionar o solo de guitarra que é conduzido por uma base que flerta com música oriental.

"Grindhouse" tem uma introdução com um toque em dedilhado que até sugere a presença da fórmula do Manilla Road, mas em seguida o que se ouve é uma música pesada, sendo uma das mais aceleradas do disco. Com vocais sinistros, a dupla Mark Shelton e Bryan Patrick canta sobre uma câmara de tortura, sem economizar nas descrições tenebrosas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Uma das músicas mais interessantes do disco é "Abattoir de la Mort", que apresenta boas variações de andamento, sendo também uma das mais trabalhadas tecnicamente. Bryan Patrick assume os vocais nas partes pesadas, enquanto Mark Shelton recita as partes mais lentas. A guitarra e o baixo estão bem entrosados em suas partes. O som da bateria, entretanto, está muito estranho (irei falar disso mais à frente), sendo o som mais estranho de todo o disco apesar de estar sendo muito bem executada por Cory Christner.

Uma belíssima introdução no violão nos leva para "Fire of Ashurbanipal", que além de aliviar o clima pesado do disco também foge um pouco da temática de horror. É uma das músicas com as mais belas e marcantes passagens instrumentais de todo o disco. A voz de Mark Shelton mais uma vez dá todo um charme e emoção para o refrão. Em outras palavras, uma parada obrigatória.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Uma música feita para bater cabeça é a melhor descrição para "Brethren of the Hammer", um dos grandes destaques do disco e que se tornou obrigatória nos shows da banda, com um refrão de arena, feito para a galera cantar junto. A letra basicamente é um chamado para reunir os irmãos de batalha, a irmandade do martelo. Emocionante e épica,

A fórmula do Manilla Road não poderia faltar, e ela foi aplicada em "Art of War", faixa que encerra o disco. Com uma introdução serena e introspectiva, a música gradativamente vai ganhando tons sombrios com metáforas igualmente sombrias, que ganham mais profundidade com a voz marcante de Mark Shelton. Uma canção que encerra o disco de maneira digna e emocionante.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em "Playground of the Damned" a banda resolveu apostar em canções um pouco mais diretas que nos discos anteriores, mas o know how adquirido fez a banda nos brindar com canções mais diretas e ao mesmo tempo bem trabalhadas. A parte instrumental, como sempre, está impecável do ponto de vista de execução, com todos os instrumentos muito bem colocados e entrosados. Entretanto a produção do disco deixou um pouco a desejar, principalmente em relação à bateria que está com um som muito estranho, soando abafada em algumas músicas e seca em outras. Mesmo assim o trabalho de Cory Christner nas baquetas é digno de elogios. Vale a pena mencionar também o trabalho vocal de Bryan Patrick que está mais a solto e a vontade, nos mostrando o seu verdadeiro potencial.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como dito anteriormente, "Playground of the Damned" é um pouco mais direto, e mesmo com alguns pontos fracos é um trabalho bastante coeso e agradável de ouvir.

Tracklist:

Jackhammer
Into the Maelstrom
Playground of the Damned
Grindhouse
Abbatoir de la Mort
Fire of Ashurbanipal
Brethren of the Hammer
Art of War


Outras resenhas de Playground of the Damned - Manilla Road

Manilla Road: Caminhos diferentes do que muitos desejariam

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Resenha - To Kill a King - Manilla Road

Resenha - Blessed Curse - Manilla Road

Resenha - Mysterium - Manilla Road

Resenha - Playground of the Damned - Manilla Road

Resenha - Voyager - Manilla Road


Heavy Metal: Alguns discos que são obras-primas pouco lembradas - Parte 3Heavy Metal
Alguns discos que são obras-primas pouco lembradas - Parte 3


Metallica: por que 9 entre 10 fãs odeiam Load e Reload?Metallica
Por que 9 entre 10 fãs odeiam "Load" e "Reload"?

Out: os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revistaOut
Os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revista