Resenha - Deluge - Manilla Road

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Diogo Muniz
Enviar Correções  

O ano é 1986, e muitas bandas lançaram discos clássicos tais como "Master of Puppets", "Reign in Blood","Somewhere in Time", só para citar alguns dos mais emblemáticos. Esse foi um ano em que muitas bandas estavam inspiradas, e algumas inclusive atingindo o auge de sua criatividade. Com o Manilla Road não foi diferente, e o trio capitaneado por Mark Shelton lançou "The Deluge", seu disco mais pesado até então. Com uma produção caprichada e prezando sempre o peso e a qualidade das músicas, "The Deluge" pode facilmente figurar entre os grandes álbuns desse ano. Vale a pena também mencionar a capa que mostra a figura do deus Poseidon trazendo um dilúvio e destruindo uma cidade.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O disco abre com "Dementia", uma música rápida e pesada e que já dá uma boa pista do que o ouvinte irá ouvir nos próximos minutos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Shadow in the Black" tem aquele começo mais introspectivo típico do Manila Road, mas rapidamente dá lugar para mais uma música rápida e pesada.

Quantas bandas você conhece que abordaram o tema da Joana D’arc em suas músicas? Pois bem, é essa a temática de "Divine Victim", mais um petardo daqueles que não dá para botar defeito. Apesar de manter o peso característico do álbum, é uma música que se fosse levada para as rádios teria potencial de atingir o grande público. É uma daquelas músicas que faz o publico agitar.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em seguida temos "Hammer of the Witches", que como o título sugere já chega com o peso de um martelo. Uma música que aborda o tema da caça às bruxas e que ganha uma interpretação digna de elogios de Mark Shelton.

"Morbid Tabernacle" é uma vinheta de transição que tem todo um clima de terror, preparando o terreno para logo em seguida sermos conduzidos para a próxima canção, "Isle of the Dead". Com um começo lento e instigante, a música é mais um conto de terror, e não demora muito para ela ganhar peso e ficar ainda mais tenebrosa

publicidade

"Taken by Storm" já começa como um murro na cara do ouvinte, uma música pesada e sem firulas. É incrível notar como a banda está entrosada. Aqui Mark Shelton nos brinda com vocais furiosos que dão todo o clima para a música. Além disso, o cara está com fome de guitarra, fazendo solos alucinantes sustentados pelos urros do baixo de Scott Park e pela bateria insana e cheia de viradas de Randy Foxe.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como estamos tratando de Manilla Road é impossível ficar sem falar em músicas épicas, e a faixa título, "The Deluge", é uma verdadeira obra prima. Uma música com pouco mais de oito minutos e que é (oficialmente) dividida em três partes, cada uma com uma climatização diferente. A primeira parte ("Eye of the Sea") tem aquela introdução típica do Manilla, mais lenta, arrastada e viajada. Nela já temos todo um clima, como se estivéssemos prestes a entrar na cidade submersa de Atlântida. A porradaria começa mesmo é na segunda parte ("The Drowned Lands"), onde não restam dúvidas da destruição causada por Poseidon. Novamente temos um instrumental pesado e épico, com uma grande performance do trio. A hora do solo é simplesmente memorável, pois não apenas o solo é épico como também a cozinha de Scott Park e Randy Foxe se mostra violenta e precisa, com destaque para o timbre pesado do baixo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Então a música vai para seu grand finale na terceira parte ("The Engulfed Cathedral"), onde temos um violão acompanhado de uma batida em rimo marcial, mostrando que mesmo após esse dilúvio sonoro os bravos são capazes de permanecer firmes.

A violência sonora não acabou ainda, e "Friction in Mass" retoma a sonoridade rápida e violenta, para então entrar num interlúdio no qual Mark Shelton recita a ascensão dos tritões e das górgonas que trarão guerra e desgraça. E mais uma vez somos brindados com uma canção bem executada e bem interpretada.

O disco encerra com "Rest in Pieces" que é uma instrumental onde temos Mark Shelton esmerilhando sua guitarra. Um final diferente e inusitado para o disco

"The Deluge" possui uma produção impecável, na qual todos os instrumentos estão nítidos e muito bem tocados. A banda se mostrou bastante afiada e entrosada, apresentando um disco coeso, desses que o ouvinte escuta do inicio ao fim e quando se dá conta está com vontade de ouvir novamente.

Tracklist:

Dementia
Shadow in the Black
Divine Victim
Hammer of the Witches
Morbid Tabernacle
Isle of the Dead
Taken by Storm
The Deluge
I – Eye of the Sea
II – The Drowned Lands
III - The Engulfed Cathedral
Friction in Mass
Rest in Pieces

FONTE: The Official Manilla Road Website
https://www.manillaroad.net/

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Resenha - Mystification - Manilla Road

Resenha - Open the Gates - Manilla Road

Resenha - Crystal Logic - Manilla Road

Resenha - Metal - Manilla Road

Resenha - Invasion - Manilla Road


Heavy Metal: Alguns discos que são obras-primas pouco lembradas - Parte 3Heavy Metal
Alguns discos que são obras-primas pouco lembradas - Parte 3


Megadeth: Dave Mustaine não está feliz com os improvisos de Kiko Loureiro?Megadeth
Dave Mustaine não está feliz com os improvisos de Kiko Loureiro?

Lista: 18 bandas de rock e metal que nunca mudaram sua formaçãoLista
18 bandas de rock e metal que nunca mudaram sua formação


Sobre Diogo Muniz

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Cli336 Cli336 Cli336 WhiFin Cli336 Cli336 CliHo Cli336