Matérias Mais Lidas

imagemOzzy Osbourne é visto caminhando com dificuldade ao sair de estúdio

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemMalmsteen ameaça cancelar show por que vocalista Jeff Scott Soto estava no local

imagemComo Max Cavalera aprendeu inglês tendo abandonado a escola aos 12 anos de idade

imagemJonathan Davis, do Korn, explica qual seu problema com o Cristianismo

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden está ensaiando para turnê que passa pelo Brasil

imagemMetallica faz doação para complexo de saúde e educação em Curitiba

imagemVocalista do Gwar diz que integrantes do Maiden são "um bando de velhas britânicas"

imagemNovo álbum de Ozzy será lançado em setembro, de acordo com Sharon Osbourne

imagemFoto feita após fim da turnê mostra todos do Ghost sem máscaras, incluindo "Ghoulettes"

imagemLuciano Hang processa vocal do Fresno e quer indenização de R$ 100 mil por danos morais

imagemGuitarrista diz que não entrou na banda de Ozzy por não ter cabelo loiro

imagemMalmsteen diz que Jeff Scott Soto foi expulso de seu show porque não pagou entrada

imagemAdrian Smith e a volta ao Maiden: "queriam o Bruce e já tinham dois guitarristas"

imagemGrave Digger: veteranos do metal em clipe com cavaleiro templário e capirota


Stamp

Deep Purple: o vigésimo primeiro álbum do lendário quinteto inglês

Resenha - Whoosh! - Deep Purple

Por Victor de Andrade Lopes
Em 29/08/20

Nota: 9

"Whoosh" é uma palavra difícil de traduzir, até porque, é uma onomatopeia. Os britânicos usam a danada para designar coisas rápidas, como o movimento do vento através de uma janela aberta, ou mesmo uma pessoa fazendo algo em alta velocidade. Seria algo entre os nossos "vuuuu" e "vapt vupt", talvez?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Enfim, a palavra intitula o vigésimo primeiro álbum do lendário quinteto inglês de hard rock progressivo Deep Purple, álbum esse que traz nos seus dois clipes uma figura humanoide em um traje espacial caminhando por lugares aleatórios da Terra. No final de um deles ("Throw My Bones"), a figura entra em franco processo de desintegração (Thanos, é você?), momento eternizado na capa (veja acima).

Em vídeo publicado no canal oficial da gravadora earMUSIC, bem como em entrevista ao NME, os membros explicam que os impressionantes mais de 50 anos que separam este disco da estreia deles passaram assim - vapt vupt. Ou num "whoosh". E a ideia se aplica também à presença da humanidade na Terra: somos meros passageiros neste planeta que já existia bilhões de anos antes de surgirmos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Cientes de que a recepção relativamente morna da crítica e dos fãs aos seus dois álbuns anteriores (Now What?! (2013) e Infinite (2017)) depõe mais contra os próprios receptores que contra os emissores, eles foram lá e nos deram mais um motivo para acreditar que 2020 não vai ser só mágoas.

A obra é composta de duas metades, vamos dizer assim. Uma delas é marcada por faixas mais "tradicionais" com aquele som abrasivo característico dos ingleses (falo especificamente de "Throw My Bones", "Drop the Weapon", "We're All the Same in the Dark", "No Need to Shout", "The Long Way Round", "The Power of the Moon", "Man Alive", "Dancing in My Sleep").

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

É um grupo bem homogêneo de músicas, o que não significa que elas não tragam de vez em quando algum charme particular, como um piano gingado em "No Need to Shout", o duelo inspirado de Steve Morse (guitarra) com Don Airey (teclados) em "The Long Way Round", a aura misteriosa de "The Power of the Moon" e os toques eletrônicos de "Dancing in My Sleep", que é uma faixa bônus.

A outra metade é um verdadeiro passeio musical. Por exemplo, "Nothing at All" tem uma leveza que a torna quase pop, quase balada, palavras que aplico com cuidado devido ao sentido pejorativo que ganharam ao longo das décadas na visão dos mais conservadores. É um pop progressivo como numa peça do Yes.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Step By Step" se envolve numa aura misteriosa (como a de "The Power of the Moon") sustentada pela diversidade organística do impecável Don Airey, que dá mais um show à parte.

"What the What" vem com uma forte atmosfera de rock and roll cinquentista. O quarteto de encerramento é marcado pela ponte instrumental "Remission Possible", que leva ao segundo single ("Man Alive"); um segundo instrumental, desta vez uma regravação empolgante, porém bem aleatória de "And the Address" (faixa de abertura da estreia deles, Shades of Deep Purple); e a já mencionada faixa bônus "Dancing in My Sleep".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Eu geralmente desprezo a ideia de "não ter mais nada a provar para ninguém", que costuma aparecer em resenhas de artistas consagrados. Ninguém deveria ficar confortável a esse ponto. Mas no caso do Deep Purple, vou abrir uma exceção: eles precisam provar que não são extraterrestres porque não é brincadeira o que esses setentões fazem.

Abaixo, o vídeo de "Throw My Bones".

Track-list:
1. "Throw My Bones"
2. "Drop the Weapon"
3. "We're All the Same in the Dark"
4. "Nothing at All"
5. "No Need to Shout"
6. "Step by Step"
7. "What the What"
8. "The Long Way Around"
9. "The Power of the Moon"
10. "Remission Possible".
11. "Man Alive."
12. "And the Address"
13. "Dancing in My Sleep"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

FONTE: Sinfonia de Ideias
http://bit.ly/deeppurplewhoosh)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

PRB
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Ritchie Blackmore: vocalista é mistura de Dio com Freddie Mercury



Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes.