Alice Cooper: Despretensioso e energético em Breadcrumbs

Resenha - Breadcrumbs - Alice Cooper

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Neimar Secco
Enviar correções  |  Ver Acessos

O crepúsculo de uma carreira pode ser mais longo ou mais curto. Pode vir e passar como uma chuva de verão, ou pode perdurar por alguns anos. Tudo depende de quanta energia e tesão pelo que se faz ainda exista dentro de você.

A História Impopular dos Rolling StonesCâncer na língua: entenda a doença de Bruce Dickinson

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Se, como canta Cazuza em um dos seus clássicos, o tempo não para, Alice Cooper desafia e vence esse mesmo tempo. Talvez um verso de outro clássico, esse universal, "Time Is On My Side", dos super longevos Rolling Stones seja mais preciso para também definir Alice Cooper.

Falando especificamente do recém lançado EP Breadcrumbs, ele é, ao mesmo tempo, despretensioso e energético. Despretensioso porque o simples fato de ser um EP, contendo um número reduzido de músicas, o torna mais "direto ao ponto" e sem firulas. Energético, porque, vejam bem, estamos falando de um senhor de 71 anos, já entrando na sexta (sexta!) década de sua carreira sob o nome de Alice Cooper. Uma carreira que tem "berço" Detroit. Afinal, Alice Cooper nasceu na Rock City: Detroit, sim senhor! Ok, as primeiras formações da banda denominada inicialmente, The Earwigs, depois, The Spiders, e ainda, The Nazz, antes do nome definitivo e inconfundível, consagrado mundialmente, Alice Cooper, ocorreram no também despretensioso Estado americano do Arizona, mais precisamente em Phoenix.

Mas foi, de novo em sua cidade natal, Detroit, que Alice e sua banda deram os primeiros passos de uma carreira consagrada mundialmente. Ao lado de MC5, Iggy Pop e outros ícones do que pode ser chamada a primeira geração pré-punk e (por que não?) pré grunge, que Alice, Michael Bruce, Glen Buxton (R.I.P.), Dennis Dunaway e Neal Smith deram início à lendária Alice Cooper band.

Breadcrumbs dá sequencia a algo que Alice já vem fazendo em escala crescente desde 2003, com o álbum The Eyes Of Alice Cooper: revivendo o som de "garage band", tão presente no álbum citado acima, bem como no que o sucedeu: Dirty Diamonds (2005). Se Along Came A Spider (2008) foi uma pausa nesse "revival", Alice retomou esse espírito saudosista em Welcome 2 My Nightmare (2011), com a participação dos membros sobreviventes de sua banda original (exceção feita, logicamente ao falecido Glen Buxton). Não podemos esquecer também o retorno de Bob Ezrin, que desde Brutal Planet (2000) vem atuando como produtor ou coprodutor (ou mesmo consultor) em todos os álbuns de Alice Cooper.

Bom, mas você quer mesmo ler sobre Breadcrumbs, não é mesmo?

O EP abre com "Detroit City 2020", a mesma música, lançada em The Eyes of Alice Cooper de 2003, mas com alterações na letra, notadamente no refrão. A ressalva aqui é que o refrão da versão original é bem mais "poderoso" que o atual, o que não diminui essa releitura. A segunda faixa, "Go Man Go" soa como uma sequencia de "Dynamite Road", de Paranormal.

O que temos de agora em diante é uma seleção de covers no melhor estilo "Detroit sound", ou a sonoridade "perdida" da cidade natal de Alice Cooper, que ele vem procurando reencontrar ou reproduzir. É preciso ressaltar que Alice procurou (e conseguiu) ser bem fiel às versões originais. A primeira cover é "East Side Story" do também filho de Detroit, Bob Seger. Em seguida, uma grata surpresa: Suzi Quatro, contemporânea e conterrânea de Alice, que com sua banda, fez shows de abertura para Alice Cooper em 1973, na tour de Billion Dollar Babies, recebe uma homenagem bacana, já que, como de costume, Alice não pinçou uma música óbvia, como seria, por exemplo, "48 Crash, mas "cavou" mais fundo e resgatou "Your Mama Won't Like Me" de 1975. A seguir vem a dobradinha "Devil With a Blue Dress On" / "Chains Of Love", músicas de Mitch Ryder And The Detroit Wheels e JJ Barnes respectivamente. Fechando o álbum temos Sister Anne, do MC5. Detroit, os fãs de Alice Cooper (e os da Rock City) bem como os de puro rock "na veia" agradecem.

Músicos:
Alice Cooper - Lead Vocals, Backing Vocals
Johnny "Bee" Badanjek - Drums
Mark Farmer (Grand Funk Railroad) - Guitars, Backing Vocals
Wayne Kramer (MC5) - Guitars, Backing Vocals
Garrett Bielaniec - Guitars
Paul Randolph - Bass, Backing Vocals
Bobby Emmett - Keyboards
Bob Ezrin - Keyboards, Percussion, Backing Vocals
Nolan Young - Saxophone
Allen Dennard - Trumpet
Long Shorty - Backing Vocals
Mick Collins - Backing Vocals

Sleeve Notes:
Produced by Bob Ezrin.
Recorded by Al Sutton & Justin Cortelyou
Mixed by Justin Cortelyou & Bob Ezrin
Mastered by Jim Kissling
Recorded at Rust Belt Studios, Royal Oak, MI




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Alice Cooper"


Top 10: músicas boas escondidas em discos não tão bonsTop 10
Músicas boas "escondidas" em discos não tão bons

Fascínio pelo terror: Cinco bandas que dão medoFascínio pelo terror
Cinco bandas que dão medo


A História Impopular dos Rolling StonesA História Impopular dos Rolling Stones

Câncer na língua: entenda a doença de Bruce DickinsonCâncer na língua
Entenda a doença de Bruce Dickinson


Sobre Neimar Secco

Welcome to my nightmare. Sou professor de inglês e de português e também tradutor eventual. Rock sempre foi e continua sendo a minha trilha sonora de todas as horas. Minhas preferências são hard rock, progressivo e classic rock em geral (anos 60, 70 e 80). Bandas favoritas: Alice Cooper, Led Zeppelin, Black Sabbath, Ozzy Osbourne, Pink Floyd, Beatles, Creedence, The Doors, Dire Straits, entre muitas outras.

Mais matérias de Neimar Secco no Whiplash.Net.

adGoo336