Danko Jones: A Rock Supreme repete e reforça fórmula visceral

Resenha - A Rock Supreme - Danko Jones

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Miranda
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O Danko Jones é muito sincero em sua proposta. A banda, liderada pelo vocalista e guitarrista de mesmo nome, apresenta um rock and roll direto, com influência do garage, hard e até punk.

Ramones - Perguntas e RespostasMusic Radar: Os melhores álbuns de Heavy Metal de todos os tempos

"A Rock Supreme", nono trabalho da discografia e com edição nacional em CD pela Valhall Music, faz questão de reforçar essa fórmula. As músicas são curtas e viscerais, conduzidas por riffs minimalistas e vocais pouco técnicos, porém carismáticos, de Danko Jones.

A cozinha de John Calabrese, baixista desde o início, e Rick Knox, baterista a partir de 2013, dão o tempero que o grupo precisa para soar consistente. Porém, os músicos têm performances tímidas e o destaque fica todo para Jones - não à toa, o projeto leva seu nome.

Apesar da regularidade se comparado aos álbuns anteriores, "A Rock Supreme" tem, naturalmente, seus destaques - e seus pontos fracos. As três faixas iniciais são pedantes e repetem clichês deliberadamente, das letras às construções melódicas. O material só começa a ganhar força, mesmo, a partir da envolvente "Dance Dance Dance", onde os riffs ficam mais elaborados e a bateria se destaca.

Outras faixas também soam interessantes em meio ao álbum. "Fists Up High", por exemplo, chama a atenção por seu riff principal, típico de quem ouviu bastante AC/DC. "You Got Today", por sua vez, diverte com sua pegada acelerada. A sombria "That Girl" tem um groove intrigante. E mesmo as músicas que destilam clichês são legais para quem gosta desse tipo de som.

"A Rock Supreme" reforça que o Danko Jones nunca vai mudar. Uma ótima notícia para quem gosta da banda. Não é o disco mais indicado para conhecer o trabalho dos caras - "We Sweat Blood" (2003) e "Sleep Is The Enemy" (2006) são mais inspirados -, mas garante a diversão dos que já estão habituados a essa pegada.

Danko Jones (vocal, guitarra)
John Calabrese (baixo)
Rich Knox (bateria)

01. I'm In A Band
02. I Love Love
03. We're Crazy
04. Dance Dance Dance
05. Lipstick City
06. Fists Up High
07. Party
08. You Got Today
09. That Girl
10. Burn In Hell
11. You Can't Keep Us Down




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Danko Jones"


Danko Jones: vendendo seus Metallica após ouvir LuluDanko Jones
Vendendo seus Metallica após ouvir "Lulu"

AC/DC: bandas similares, algumas mais, outras menosAC/DC
Bandas similares, algumas mais, outras menos


Ramones - Perguntas e RespostasRamones - Perguntas e Respostas
Ramones - Perguntas e Respostas

Music Radar: Os melhores álbuns de Heavy Metal de todos os temposMusic Radar
Os melhores álbuns de Heavy Metal de todos os tempos

Guns N' Roses: ex-guitarrista admite que era difícil tocar as músicasGuns N' Roses
Ex-guitarrista admite que era difícil tocar as músicas

Iron Maiden: os álbuns da banda, do pior para o melhorSaúde: mais de 60% dos músicos sofrem de problemas mentaisSaxon: "'Crusader' é nosso maior álbum", afirma Biff ByfordMax Cavalera: mais histórias insanas de sua autobiografia

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013.

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336