In Flames: novo álbum mostra que os suecos continuam afiados

Resenha - I, the Mask - In Flames

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O In Flames é uma banda controversa para uma parcela dos fãs de metal. E isso não deveria acontecer. Surgido em Gotemburgo em 1990, o quinteto foi um dos responsáveis pela popularização e pelo desenvolvimento do death metal melódico, gravando discos que são considerados arquétipos do gênero como o trio "Whoracle" (1997), "Colony" (1999) e "Clayman" (2000).

In Flames: banda anuncia lançamento de whiskey personalizadoMetallica: a lista de exigências da banda em 1983

A discussão em torno dos caminhos musicais da banda começou em 2002, quando os caras soltaram o seu sexto álbum, "Reroute to Remain". O motivo para isso foi uma mudança considerável na sonoridade dos suecos, que incorporaram outros elementos à sua música, influenciados principalmente pelo KoRn e pela cena new metal que vinha dos Estados Unidos. Essa alteração de curso gerou admiração (em menor número) e repulsa (em sua maioria) entre o público do metal, que demorou um bom tempo para assimilar os novos caminhos sonoros trilhados pelo grupo. E esse novo direcionamento seguiu sendo desenvolvido nos discos seguintes, como os ótimos "Come Clarity" (2006) e "A Sense of Purpose" (2008) por exemplo, que mostraram a banda equilibrando as duas facetas de sua personalidade sonora.

Toda essa trajetória faz com que o In Flames seja uma formação que ainda soa diferenciada dentro do universo do heavy metal. "I, the Mask", décimo-terceiro trabalho do grupo, saiu no início de março e mostra que a banda continua afiada. As doze faixas do álbum variam entre canções mais pesadas e que são verdadeiras pedradas (como o quarteto que abre o disco) e outras onde o lado mais suave assume o protagonismo, tornando a música mais acessível e amigável. Amparados por uma produção impecável assinada por Howard Benson, que já trabalhou com nomes como Motörhead e Sepultura, o In Flames potencializa suas qualidades e mostra mais uma vez que é capaz de trilhar vias musicais aparentemente opostas como o mesmo domínio.

Pessoalmente, prefiro os momentos mais agressivos como os que podemos ouvir na música que batiza o CD, "Call My Name", "I Am Above" e "Burn", e onde é possível sentir o DNA do death melódico ainda vivo através dos duetos de guitarras, por exemplo. A parte central do disco é reservada para uma sequência de canções mais domesticadas, digamos assim, como "Follow Me", "(This is Our) House" e "We Will Remember", onde o vocalista Anders Fridén deixa os vocais guturais e canta com a voz limpa, algo que tem feito ao longo dos anos.

Independentemente de qual for a sua encarnação favorita do In Flames, o novo disco dos caras entrega ótimos momentos em ambas as personificações musicais do quinteto. É ouvir e curtir.


Outras resenhas de I, the Mask - In Flames

In Flames: Mais um disco que vai dividir opiniõesIn Flames
Mais um disco que vai dividir opiniões

In Flames: as melhores cenas de um filme apresentadas no trailer




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "In Flames"


In Flames: banda anuncia lançamento de whiskey personalizadoResenha - Sounds From The Heart of Gothenburg - In FlamesIn Flames: lançado lyric video para "Follow Me"; assista

In Flames: todos os álbuns da banda, do pior para o melhorIn Flames
Todos os álbuns da banda, do pior para o melhor

Em 03/09/2002: In Flames lançava o álbum Reroute To RemainEm 27/08/1975: nascia Björn Gelotte, guitarrista do In FlamesCyhra: segundo álbum da banda de ex In Flames será lançado em breve

Metal Hammer: As melhores músicas da história do Death MetalMetal Hammer
As melhores músicas da história do Death Metal

Metal Sucks: os melhores álbuns de metal do século 21Metal Sucks
Os melhores álbuns de metal do século 21

In Flames: todos os álbuns da banda, do pior para o melhorIn Flames
Todos os álbuns da banda, do pior para o melhor


Metallica: a lista de exigências da banda em 1983Metallica
A lista de exigências da banda em 1983

Ódio musical: os artistas mais detestados em lista da SpinnerÓdio musical
Os artistas mais detestados em lista da Spinner

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1988Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1988

Inspiração: 30 canções (não somente rock) para mantê-lo motivadoInspiração
30 canções (não somente rock) para mantê-lo motivado

Sexo: como se comportam os fãs de cada vertente de Metal?Sexo
Como se comportam os fãs de cada vertente de Metal?

Metal Elvis: conheça a versão pesada (mas não gorda) do Rei do RockMetal Elvis
Conheça a versão pesada (mas não gorda) do Rei do Rock

Slayer: Kerry King lista suas músicas favoritas do MegadethSlayer
Kerry King lista suas músicas favoritas do Megadeth


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336