The Browning: não é dinâmico, mas não deixa de ser bom

Resenha - Geist - Browning

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes
Enviar Correções  

7

E eis que o The Browning, expoente do electronicore, chega ao seu quarto lançamento de estúdio, Geist. Boa parte do processo de criação do disco foi sendo exibido ao vivo para os fãs por meio de lives no Twitch; um passo além daquelas sessões de estúdio que outras bandas vivem postando no Facebook e no YouTube (e que já são bem bacanas para aproximar os fãs da jornada que é escrever, gravar, editar e lançar um álbum).

Ozzy Osbourne: tudo que você sempre quis saber sobre eleRock e metal: o outro lado das capas de discos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O trabalho ficou bem distante da promessa feita pelo quarteto estadunidense de que este seria "de longe o nosso lançamento mais dinâmico em termos sonoros". A impressão que se tem é a de se estar ouvindo diversas variações de uma mesma música. Nem o tom muda: as guitarras e o baixo demonstram um certo fetiche pela nota si.

Mas há momentos que fogem ao padrão, como "Awaken the Omega" e "Skybreaker", com ênfase em vocais limpos e na parte eletrônica; "Carnage", com a participação do rapper Jake Hill; e a faixa título, com parte das letras cantadas em alemão pelo convidado Paul Bartzsch, do We Butter the Bread With Butter.

Por outro lado, a boa notícia é que o The Browning é um grupo de alto nível. Logo, um disco repetitivo deles pecará por essa falta de variabilidade, mas nunca pela qualidade do som. Não são músicos que precisem provar para alguém se são ou não competentes nesse gênero que vem ganhando força nos últimos anos.

Geist é um bom álbum para qualquer fã médio do electronicore, e não deixa de ser um item interessante para apresentar alguém à banda. Mas daqui a uns 10 anos, sua relevância pode acabar dissipada, diluída na boa discografia dos rapazes.

Abaixo, o clipe de "Final Breath":

Track-list:
1. "Sick Minds"
2. "Beyond Stone"
3. "Final Breath"
4. "Ever Lost"
5. "Optophobia"
6. "Awaken the Omega"
7. "Hellblade"
8. "Carnage" (feat. Jake Hill)
9. "Geist" (feat. Paul Bartzsch)
10. "Noctis"
11. "Amnesia"
12. "Skybreaker"

Fonte: Sinfonia de Ideias
http://bit.ly/geist2018




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Ozzy Osbourne: tudo que você sempre quis saber sobre eleOzzy Osbourne
Tudo que você sempre quis saber sobre ele

Rock e metal: o outro lado das capas de discosRock e metal
O outro lado das capas de discos


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL