Haken: Vector é seu álbum mais pesado

Resenha - Vector - Haken

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

Eu já resenhei muitos discos que não tinham nenhuma música ruim. Mas poucos foram os que não tinham nenhuma que não fosse ao menos ótima. Também foram poucos os que fizeram minhas pernas se agitarem freneticamente do começo ao fim e logo na primeira audição.

Ozzy Osbourne: Fim do Guns foi a maior tragédia do rockHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1991

São sinais de que Vector, quinto lançamento de estúdio do sexteto inglês de metal progressivo Haken, é um item muito especial do catálogo nada fraco do grupo. É, ao menos, e sem dúvidas, o trabalho mais pesado deles.

Conforme prometido pelos membros, o disco é centrado em riffs. Exceto pela misteriosa introdução eletrônica "Clear" e por boa parte da charmosa "Host", o álbum é uma pancadaria do começo ao fim que leva qualquer fã do progressivo a um orgasmo auditivo instantâneo.

Um dos fatores que podem ter contribuído para esse direcionamento musical foi a turnê The Shattered Fortress, realizada em 2017 pelo ex-baterista do quinteto estadunidense de metal progressivo Dream Theater, Mike Portnoy, em parceria com os integrantes do Haken (exceto, obviamente, o baterista Raymond Hearne, embora ele tenha feito algumas participações especiais esporádicas) e o guitarrista do The Neal Morse Band (cuja formação atual inclui Mike), Eric Gillette.

Os shows traziam para o palco as cinco músicas do Dream Theater que compunham a Twelve-Step Suite, uma série de canções sobre a batalha de Mike contra o alcoolismo. Elas reúnem alguns dos riffs mais matadores e solos mais memoráveis já criados por essa lenda do progressivo. Vector tem muito desse peso, mesmo que ao estilo mais melódico desses rapazes.

As guitarras de Richard Henshall e Charlie Griffiths estão no auge de sua sintonia com a ala rítmica da banda (a saber, a bateria de Raymond e o baixo de Conner Green). Incorporando elementos de metalcore e djent, o sexteto faz a base de todas as faixas acontecer em esplêndida sintonia.

No que diz respeito às melodias, temos como destaque, pela segunda vez consecutiva, o tecladista Diego Tejeida. Se em Affinity (antecessor de Vector) ele foi o grande responsável por prover o jeitão eletrônico que o conceito do disco pedia, aqui ele mostra uma grande evolução com relação aos álbuns anteriores, ganhando ainda mais protagonismo e arriscando-se em solos jordanrudessianos, algo incomum para ele - e mais uma evidência da provável influência da turnê com Mike Portnoy.

Já o vocalista Ross Jennings sua para fazer jus aos colegas. Mas, pela quinta vez consecutiva, ele mostrou que sua voz doce e despretensiosa vive um casamento feliz com o som pesado e complexo do grupo.

Chamar Vector de "melhor álbum do Haken" é uma afirmação precipitada. Cada lançamento deles, ainda que retendo as características básicas da banda, é um pequeno universo particular de climas e atmosferas. Este trabalho tem uma pegada bem diferente do orgânico The Mountain e do oitentista Affinity, portanto, comparações exigem cautela e um certo tempo de absorção que uma resenha não pode esperar.

Abaixo, o vídeo de "Puzzle Box":

Track-list:
1. "Clear"
2. "The Good Doctor"
3. "Puzzle Box"
4. "Veil"
5. "Nil By Mouth"
6. "Host"
7. "A Cell Divides"

Faixas bônus da edição de luxo:
1. "The Good Doctor" (versão instrumental)
2. "Puzzle Box" (versão instrumental)
3. "Veil" (versão instrumental)
4. "Host" (versão instrumental)
5. "A Cell Divides" (versão instrumental)

Fonte: Sinfonia de Ideias
http://bit.ly/hakenvector




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Haken"


Ozzy Osbourne: Fim do Guns foi a maior tragédia do rockOzzy Osbourne
Fim do Guns foi a maior tragédia do rock

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1991Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1991

Sebastian Bach: descrevendo o horror de urinar com Phil AnselmoSebastian Bach
Descrevendo o horror de urinar com Phil Anselmo

The Simpsons: 10 melhores aparições de roqueiros no desenhoThe Simpsons
10 melhores aparições de roqueiros no desenho

Câncer na língua: entenda a doença de Bruce DickinsonCâncer na língua
Entenda a doença de Bruce Dickinson

Dire Straits: Sultans Of Swing, ainda irretocável décadas depoisDire Straits
Sultans Of Swing, ainda irretocável décadas depois

Metallica: e se Dave Lombardo fosse o baterista de Nothing Else Matters?Metallica
E se Dave Lombardo fosse o baterista de "Nothing Else Matters"?


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336