Bluyus: acessível a muitos e criticável por poucos

Resenha - #ROCK - Bluyus

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Depois de sair do Gestalt, o guitarrista paulista Alexandre Bluyus voltou suas atenções para aquilo que seria seu primeiro CD solo, intitulado #ROCK e creditado simplesmente a Bluyus. Para ajudá-lo no trabalho, foram chamados o baterista Ricardo e o baixista - muito talentoso, por sinal - Euclides.

Fotos de Infância: SlayerSexo Anal: saiba onde encontrar esse prazer no cenário Rock

O rock que temos aqui é leve o suficiente para tornar a música acessível a faixas mais amplas do público, mas não o suficiente para taxarmos a banda de "pop rock" (embora haja elementos do gênero).

#ROCK é, do ponto de vista sonoro, uma espécie de sanduíche. Explico: Depois de "Asas" e "Bússola", teremos uma sequência de canções lentas até o último terço do disco, quando ele volta à mesma vibe de seu início.

As faixas que formam o "pão" do álbum se sustentam em riffs cativantes e mostram o lado mais rock and roll do grupo, enquanto que o recheio mais sereno forma uma corrente de quase-baladas. Dentre elas, destacam-se "Nada Mais", com seu solo de guitarra, e a melódica "Porto".

o som transita em arranjos simples de power trio, com os teclados figurando ocasionalmente para "dar uma encorpada e um colorido a mais em algumas músicas", como declara o próprio Bluyus. Como não poderia deixar de ser, é o líder do trio que domina a ala instrumental, com guitarras suaves e econômicas para dar vazão às letras, que parecem ser de muita importância para o artista. O que não significa que os outros dois instrumentistas não tenham espaço para mostrarem a que vieram.

Nota = 4/5. Despretensioso, #ROCK é menos um disco de rock direto do que um disco de poesia musicada, adornando seus versos com harmonias e melodias em geral suaves, de modo a criar um véu sonoro acessível a muitos e criticável por poucos.

Abaixo, o lyric video de "Asa":

Track-list:
1. "Asas"
2. "Bússola"
3. "De Pai Pra Filho"
4. "Jardim"
5. "Luz"
6. "Nada Mais"
7. "Porto
8. "Promessas"
9. "Razões do Coração"
10. "Vento"
11. "Todo Amor"
12. "Velhos e Bons Tempos"


Outras resenhas de #ROCK - Bluyus

Bluyus: Todo amor ao verdadeiro Rock'n RollBluyus: E o simples prazer de escutar música




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Bluyus"


Fotos de Infância: SlayerFotos de Infância
Slayer

Sexo Anal: saiba onde encontrar esse prazer no cenário RockSexo Anal
Saiba onde encontrar esse prazer no cenário Rock

Prostitutas: As mais famosas e devassas do cenário Rock - Parte 1Prostitutas
As mais famosas e devassas do cenário Rock - Parte 1

Rob Halford: "Ninguém escolhe ser Gay"Poeira: Rockstars e as bandas que eles sonhavam fazer parteEdu Falaschi: resposta a Jack Endino na íntegraRock in Rio: é do Ozzy o primeiro contrato assinado em nome do evento

Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336