Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemRegis Tadeu explica porque o vinil e o Spotify vão despencar e o CD vai bombar

imagemOzzy Osbourne revela o único integrante de sua banda que saiu "do jeito certo"

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemDavid Gilmour surpreende ao responder se o Pink Floyd pode voltar a fazer shows

imagemGene Simmons faz passagem de som antes de show do Kiss com roupa inusitada

imagemPaul McCartney lista os cinco músicos que formariam sua banda dos sonhos

imagemMax Cavalera e o conselho dado por Ozzy Osbourne: "ambos nos sentimos traídos"

imagemQuem Glenn Hughes considera digno de substituí-lo como "a voz do rock"

imagemBill Hudson comenta sobre falta de público de Angra e outras bandas nos EUA

imagemJames Hetfield se emociona profundamente no show de BH e é amparado pelos amigos e fãs

imagemBrian May revela o inesperado álbum do Queen que é o seu favorito

imagemPink Floyd: Em entrevista de 1984, David Gilmour falou sobre "The Final Cut"

imagemDez grandes músicas do Iron Maiden escritas pelo vocalista Bruce Dickinson

imagemConheça a "melhor banda com as melhores músicas" para Robert Smith, do The Cure


Stamp

Rhapsody of Fire: uma despedida digna de Lione e Holzwarth

Resenha - Into the Legend - Rhapsody of Fire

Por Ricardo Pagliaro Thomaz
Em 06/06/18

Nota: 9

Anteriormente eu havia falado sobre um outro disco do Rhapsody versão de Luca Turilli. Vamos agora falar sobre um disco de power metal sinfônico que eu já estou faz um bom tempo pra falar, pelo menos dois anos ou próximo disso. É o tempo que eu venho escutando este discasso de música pesada da consagrada banda Rhapsody of Fire. Este não deve ser confundido com o Luca Turilli's Rhapsody. Em 2011 houve uma separação amigável de Luca Turilli com sua banda, formando assim dois Rhapsody, identificados pontualmente com as terminações apropriadas. Eu já falei aqui no blog sobre o outro Rhapsody, quando eu resenhei o segundo álbum, o fabuloso Prometheus: Symphonia Ignis Divinus então agora vou falar deste, que é uma despedida de Fabio Lione de sua banda para se dedicar inteiramente ao Angra.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por que demorei tanto pra falar dele? Não faço ideia. Realmente não faço. Creio que tenha sido a dor da despedida de tamanha figura expoente de uma banda grande como o Rhapsody of Fire, a qual nutro uma grande paixão pelo seu histórico, após tantos anos de contribuição. Mas quero compartilhar com vocês esta fabulosa experiência musical e mais outras tantas que deixei para trás, pelo menos até agora. O que posso dizer de cara, é que ouvir este disco já por tanto tempo tem me proporcionado emoções intensas, este talvez seja um dos melhores lançamentos que o Rhapsody of Fire tenha feito em memória recente, talvez até mesmo o melhor disco que uma banda de metal atual tenha feito em memória recente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E muito embora esta banda com Fabio Lione tenha adotado um nome diferente lá atrás... e ainda que este claramente não é o melhor trabalho que o Rhapsody of Fire já lançou em sua carreira (que pra mim continua sendo o Dawn of Victory)... continua bem semelhante na sua proposta melódica de quando o Luca Turilli ainda estava na banda. A diferença primordial é que separaram-se apenas duas vertentes que antes caminhavam juntas, sendo que esta separação culminou no destaque maior entre dois tipos diferentes de sonoridade. O LT's Rhapsody é um tantinho mais progressivo, se valendo de algumas características do gênero, enquanto que o Rhapsody of Fire é mais melódico, mais próximo de um Angra, ou Helloween. Gosto muito de ambos, e se tivesse que escolher um ou outro, seria bem difícil pra mim, pois ambos primam pela excelência musical, tanto técnica quanto na riqueza de arranjos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O disco já começa muito bem, como uma verdadeira obra do Rhapsody of Fire deve começar, com uma introdução orquestrada. "In Principio" é uma das melhores e mais memoráveis introduções orquestradas que eu vi uma banda de power metal fazer recentemente; tem arranjos memoráveis e fortes, tem drama, suspense, e aquela atmosfera épica bem característica. É de tirar o fôlego! E já emenda a primeira paulada, "Distant Sky", que inicia o disco muito bem, e é seguida pela aceleradíssima faixa título, extremamente bem executada e enérgica.

Mas a que se destaca realmente, na minha opinião, é a quarta faixa, "Winter's Rain"; para quem gosta do metal clássico, esta paulada é indispensável! Eu escutei ela inúmeras vezes, voltando ela quase que infinitamente no rádio do meu carro, por vezes batendo cabeça e admirando os arranjos orquestrais sensacionais, o coral, os violinos, impondo aquele drama característico de compositores clássicos como Mozart. Olha, se bobear, esta faixa é o maior destaque deste novo disco, foi a música que mais me pegou desprevenido e me encantou logo de cara.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"A Voice in the Cold Wind" é uma faixa com arranjos típicos da música folk bretã com mistura de certos elementos italianos mais românticos no mix. Gosto muito, porque remonta àquela sonoridade europeia mais clássica. Então mais uma acelerada e dramática vem trazer de volta a atmosfera épica, a excelente "Valley of Shadows"; há um vocal soprano aqui que se faz de segunda voz para Lione que eu achei sensacional, e quando junta com o restante do coral e todo o arranjo pesado e épico, fez dessa faixa algo realmente devastador; o clima de tensão ao final da faixa fecha muito bem este som a lá Malmsteen, algo muito bacana e bem feito, que considero mais um dos principais destaques do disco. Escute, é fabuloso!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Hora de uma balada para repousar. Me deixo levar pela suave melodia de "Shining Star". Linda, enquanto épica, e sem perder a beleza de arranjo que permeou todo disco até agora. Descansados, temos agora mais drama e peso com "Realms of Light". Após ela, mais uma que eu considero um bom destaque, a ótima "Rage of Darkness", especialmente pelo seu pegajoso refrão. Por fim, Fabio Lione e o baterista Alex Holzwarth se despedem do Rhapsody of Fire com categoria, no ótimo épico de quase 17 minutos "The Kiss of Life", contando com uma instrumentação de orquestra fabulosa.

Como eu disse no começo, e volto a afirmar, um grande expoente se despede do Rhapsody of Fire, Fabio Lione, e abraça de vez o posto de vocalista fixo do Angra. E por mais que eu esteja bem feliz que o Angra também está seguindo em frente com Lione, também fico triste que ele não será mais ouvido, pelo menos por agora, em futuras encarnações do Rhapsody of Fire. De qualquer forma, um discasso de metal neoclássico que todo fã do gênero simplesmente vai adorar! Assim como o Luca Turilli's Rhapsody brilhou em 2015 com seu Prometheus: Symphonia Ignis Divinus, aqui o Rhapsody of Fire promove uma despedida digna de Lione e Holzwarth, nos brindando com um excelente disco, com instrumentação impecável, arranjos de tirar o fôlego e produção ímpar. Recomendadíssimo!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Into the Legend (2016)
(Rhapsody of Fire)

Tracklist:
01. In Principio
02. Distant Sky
03. Into the Legend
04. Winter's Rain
05. A Voice in the Cold Wind
06. Valley of Shadows
07. Shining Star
08. Realms of Light
09. Rage of Darkness
10. The Kiss of Life

Selo: AFM Records

Rhapsody of Fire é:
Fabio Lione: voz
Roby De Micheli: guitarra
Alessandro Sala: baixo
Alex Staropoli: teclados
Alex Holzwarth: bateria

Participações:
Matteo Brenci – violão
Luca Balbo – piano
Manuel Staropoli – duduk
Macedonian Radio Symphonic Orchestra, regida por Vito Lo Re

Discografia anterior:

- Dark Wings of Steel (2013)
- From Chaos to Eternity (2011)
- The Frozen Tears of Angels (2010)
- Triumph or Agony (2006)
Como Rhapsody:
- Symphony of Enchanted Lands II – The Dark Secret (2004)
- Power of the Dragonflame (2002)
- Rain of a Thousand Flames (2001)
- Dawn of Victory (2000)
- Symphony of Enchanted Lands (1998)
- Legendary Tales (1997)

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Site oficial:
http://www.rhapsodyoffire.com

Para mais informações sobre música, filmes, HQs, livros, games e um monte de tralhas, acesse também meu blog.

http://acienciadaopiniao.blogspot.com.br

Comente: O que você achou do álbum Into the Legend?


Outras resenhas de Into the Legend - Rhapsody of Fire

Resenha - Into the Legend - Rhapsody of Fire

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

PRB
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Shows do Kamelot e Turilli-Lione Rhapsody no Brasil são adiados; veja as novas datas

imagemLuca Turilli vai remixar músicas de Madonna, Eminem e Linkin Park em novo projeto

imagemRhapsody of Fire: o álbum do Riot que influenciou diretamente o início da carreira


Angra: "Fabio Lione saiu do Rhapsody porque queria ficar no Angra"



Sobre Ricardo Pagliaro Thomaz

Roqueiro e apreciador da boa música desde os 9 anos de idade, quando mamãe me dizia para "parar de miar que nem gato" quando tentava cantarolar "Sweet Child O'Mine" ou "Paradise City". Primeiro disco de rock que ganhei: RPM - Rádio Pirata ao Vivo, e por mais que isso possa soar galhofa hoje em dia, escolhi o disco justamente por causa da caveira da capa e sim, hoje me envergonho disso! Sou também grande apreciador do hardão dos anos 70 e de rock progressivo, com algumas incursões na música pop de qualidade. Também aprecio o bom metal, embora minhas raízes roqueiras sejam mais calcadas no blues. Considero Freddie Mercury o cantor supremo que habita o cosmos do universo e não acredito que há a mínima possibilidade de alguém superá-lo um dia, pelo menos até o dia em que o Planeta Terra derreter e virar uma massa cinzenta sem vida.

Mais matérias de Ricardo Pagliaro Thomaz.