Matérias Mais Lidas

imagemProdutor de "Temple of Shadows" conta problemas que teve com voz de Edu Falaschi

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemSteven Tyler dá entrada em clínica de reabilitação após sofrer recaída

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemKiko Loureiro explica efeito colateral da saída de Andre Matos que o fez crescer

imagemLuciana Gimenez tentou aprender com Mick Jagger algo que não funcionou para ela

imagemComo foi 1º encontro de Nando Reis e Cássia Eller, ocorrido na casa de Marisa Monte

imagemRitchie Blackmore comenta o instrumental que lançou como homenagem a Jon Lord

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemThe Rolling Stones: 5 músicas para provar que Mick Taylor é um gênio

imagem"Eu realmente não tenho fé na humanidade", diz Schmier, vocalista do Destruction

imagemA definição de rock n roll segundo quem melhor entende do assunto: Mick Jagger

imagemIron Maiden faz mais um show da "Legacy Of The Beast World Tour"; veja setlist

imagemMike Shinoda não está nada feliz com a interferência das redes sociais na música


Stamp

Decomposed God: O novo disco de regravações

Resenha - Storm of Blasphemies - Decomposed God

Por Renan Soares
Em 04/06/18

Nota: 7

Após 10 anos sem lançar material novo, a banda pernambucana de death metal Decomposed God lançou nesse ano de 2018 o mais novo trabalho, intitulado de "Storm of Blasphemies".

A banda, que ao longo dos quase 30 anos de carreira passou por várias mudanças de formação, vem nesse novo disco com Luiz Boeckmann no vocal, Marco Antônio Duarte na guitarra, Jean Marcel no baixo e Wagner Campos na bateria.

Com isso, invés de trazer um disco de inéditas, o Decomposed God trouxe nesse novo álbum regravações de clássicos dos dois primeiros discos (The Last Prayer e Beastily) e apenas uma inédita (Delusion), contando com participações especiais de Alex Camargo (Krisiun), Alcides Burns (Inner Demon Rise) e Diego DoUrden (Infested Blood, Mystifier).

Sendo assim, irei dividir esta texto em dois tipos de opiniões. A técnica e a de fã.

Começando com a técnica:

O disco é aberto com "Delusion", a única inédita, onde a banda já mostra toda sua potência e Boeckmann demonstra toda a força do seu gutural, sendo assim, um bom cartão de entrada.

Sobre as regravações, provavelmente me cabe mais avaliar o desempenho do Boeckmann, já que os outros integrantes estão na banda há muito mais tempo e estão bem situados em relação as músicas antigas (principalmente as do Beastily, onde todos eles, com exceção do Luiz, estavam presentes).

Bom, claro que o gutural do Boeckmann é bem diferenciado dos vocalistas que o antecederam, e por isso, fiquei com um pé atrás em relação a como ele podia se sair. Mas, podemos dizer que ele executou sua função muito bem, não deixou a desejar em nada em relação aos seus antecessores.

Sobre as participações especiais, destaco a de Diego DoUrden na música "Ecce Homo", pois, seu gutural era mais diferenciado do que o do Luiz, conseguindo realizar um certo contraste, enquanto os do Alcides Burns (em Dawn of Celestial Shadows), e do Alex Camargo (em No Gods) ficaram bem equivalentes ao do frontman do Decomposed.

Agora, saindo um pouco da parte técnica, vamos para a opinião de fã:

Confesso que fiquei um pouco decepcionado ao saber que o "Storm of Blasphemies" seria um álbum predominantemente de regravações, e não de inéditas. Falo isso porque foram 10 anos de intervalo desde o lançamento do "Beastily", e por isso, esperava que quando um novo trabalho fosse lançado, o mesmo seria apenas com inédita, porque é o que se espera após uma década sem novidades.

No mais, apesar dessa decepção, tecnicamente o novo álbum oferece muito aos ouvintes fãs do bom death metal, e no fim, fica a expectativa para que a banda não demore muito para lançar um novo trabalho só de inéditas.

TRACKLIST:

1- Delusion
2- Hypocrite Liar
3- Memorial Rests
4- Decomposed God
5- Pestholy
6- Impregnated God of Lies
7- No Gods (feat. Alex Camargo)
8- Ecce Homo (feat. Diego DoUrden)
9- Kill the Bastard
10- Dawn of Celestial Shadows (feat. Alcides Burns)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Câncer na língua: entenda a doença de Bruce Dickinson


Sobre Renan Soares

Nascido em Recife no dia 03 de novembro de 1994, Renan adentrou ao mundo do rock/metal a partir dos 13 anos de idade e até hoje permanece fielmente no mesmo. Desde que se formou em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco, tem se dedicado a conseguir dar a relevância merecida ao nome do estilo.

Mais matérias de Renan Soares.