Seaside: Resenha do debut da banda de Manaus

Resenha - Anatta - Seaside

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mário Orestes Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A proliferação de bandas covers é um fato inegável na Indústria Cultural. Contudo, dentre essas, várias seguem suas carreiras autorais partindo deste princípio, que por muitas vezes se inicia numa simples brincadeira de homenagem a ídolos. É natural que a grande maioria não nega suas influências e ainda fazem questão de deixá-las evidente em suas trajetórias. Este é o exemplo dos manauenses do Seaside em seu debut álbum intitulado "Anatta", lançado em Agosto de 2016.

Red Hot Chili Peppers: as melhores músicas segundo o LoudwireBruce Dickinson: Ele lamenta não ter dado um soco em Axl Rose

O CD abre com "Pra Não me Queimar", uma porrada insana que atinge com agressividade o ouvinte. Em segundo lugar vem "Adeus" que dá uma aliviada na batida e nos vocais. Em terceiro "Fetos de Barro" (ótimo título de música) matém a levada cadenciada com vozes calmas, mas tem uma letra mais elaborada. Em seguida "Infeliz pra Você" tem um início que engana com uma falsa tranquilidade. Esta talvez seja a faixa que mais lembre as influências claras do Nirvana. Na sequência "Eu Só Preciso Adormecer" traz aquela velha conhecida angústia contemporânea onipresente. É quase um doom. Na sexta posição está "Verdade Bem Guardada" (outro ótimo título de canção) que retorna a porrada, mas com detalhes que demonstram as qualidades musicais dos componentes da banda. A posterior "Fogo" reassume essas qualidades, com exceção da voz, que não tem pretensão nenhuma no lirismo. Contudo, não esquecemos que há virtude na atitude. "Insonia" vem em seguida soando muito como outra boa banda manauense, a Chá de Flores. A seguinte "Sol" é a balada triste auto depressiva, praticamente obrigatória para um disco completo no estilo proposto. Os efeitos da distorção foram muito bem explorados aqui. A décima faixa "Alcalina" volta a acelerar. O punk rock do álbum. Curto, grosso e pesado. Desacelerando "Deprimente" chega a ter riff base de metal stoner. Candidata a single. "Viciado em Ilusões" puxa roda de pogo. Como a pele de tarol sofre pela pegada do baterista Augusto Nunes. A próxima é "Perdedor" que continua a levada stoner com letra angustiante. Fechando a obra "Asas de Ferro" não deixa dúvida da precisão, do bom gosto e do nível técnico do trio de garotos (já não tão garotos assim).

Em súmula sincera, o disco do Seaside "Anatta" não apresenta criatividade inovadora, ao contrário, é de uma formula simples e muito repetida. A produção tem um áudio que mais parece CD demo, mas é inegável a significante importância deste trabalho para o rock alternativo do norte do Brasil e toda a sua representatividade no cenário nacional. Mais um lançamento do selo independente local Mama Records.

Não tenha dúvidas em adquirir!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Seaside"


Red Hot Chili Peppers: as melhores músicas segundo o LoudwireRed Hot Chili Peppers
As melhores músicas segundo o Loudwire

Bruce Dickinson: Ele lamenta não ter dado um soco em Axl RoseBruce Dickinson
Ele lamenta não ter dado um soco em Axl Rose

Você sabe que o rock está moderninho quando...Você sabe que o rock está moderninho quando...
Você sabe que o rock está moderninho quando...

Futebol: conheça os times do coração de alguns rockstarsMarilyn Manson: "Sou o monstro do Lago Ness! Sou o Bicho Papão!"Resenha - Reload - MetallicaGreta Van Fleet: comparação com Led Zeppelin incomoda, mas é uma "honra"

Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.

Mais matérias de Mário Orestes Silva no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336