Matérias Mais Lidas

imagemA lenda do Rock que se arrepende de nunca ter dormido com Jimi Hendrix

imagemResenha - Max e Iggor Cavalera; Return to Roots (Rio de Janeiro, 05/08/2022)

imagemQuando Slash tentou entrar pro Kiss mas foi rejeitado por um motivo cruel

imagemPodcast diz que prática comum no black metal hoje seria "coisa de esquerdomacho"

imagemDez clássicos do rock e do heavy metal que não têm bateria

imagemO hit dos Engenheiros do Hawaii que faz uma dura crítica à panelinha do rock nacional

imagemPrika explica critérios para entrar na Nervosa: "Fascista na minha banda não toca!"

imagemO sensato conselho que Lulu Santos deu para o novato Herbert Vianna

imagemMúsicos famosos fizeram teste para o AC/DC sem que ninguém soubesse, conta baterista

imagemBittencourt começou a fazer tai chi chuan no camarim após beque de Mariutti bater forte

imagemO hit da Legião Urbana cuja letra fala sobre esperança de Renato em se curar da AIDS

imagemSlayer: Dave Lombardo surpreende ao eleger suas três músicas favoritas

imagemIron Maiden, Nervosa e Megadeth estarão na edição de 2023 do Wacken Open Air

imagemPearl Jam: guitarrista se empolga e destrói equipamento e site faz conta do prejuízo

imagemSteve Vai dá show de humildade e faz a alegria de jovem fã durante show na Espanha


Stamp

Ruins Of Elysium: mangás, trilhas sonoras e Symphonic Metal

Resenha - Seeds Of Chaos And Serenity - Ruins Of Elysium

Por Bruno Rocha
Em 29/04/17

Nota: 9

Cenários épicos, orquestrações, influências exóticas e vocais encantadores são alguns dos elementos que encontramos no álbum "Seeds Of Chaos And Serenity", da banda de Metal Sinfônico Ruins Of Elysium. O grupo é formado atualmente pelo tenor norueguês Drake Chrisdensen, pelo italiano Vincenzo Avallone (guitarra, baixo) e por Ícaro Ravelo (bateria, sintetizadores), oriundo de Campina Grande, Paraíba. A proposta deste grupo internacional é explorar tudo o que for possível da música clássica e aliar ao peso do Heavy Metal, em prol da criação de verdadeiras trilhas sonoras para os seus contos, que falam de Filmes/Games, esoterismo e também sobre luta contra a opressão de minorias.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Impressiona o conhecimento musical de cada um dos componentes, retratada nas composições de "Seeds Of Chaos And Serenity". Cada música tem a sua identidade e seus traços particulares. "Kama Sutra", responsável pela abertura dos trabalhos, traz influências orientais em suas estruturas. "Shadow Of The Colossus", cuja letra faz referência ao game homônimo, tem muito das características das trilhas sonoras de jogos e filmes. Em seguida, temos o hit "Serpentarius", single, que nos leva por uma viagem encantadora pela Via Láctea em seu clima angelical e letras sobre o tema Astrologia. As belas orquestrações aliadas aos vocais cativantes de Drake são mesmo o grande diferencial do grupo.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Beyond The Witching Hour é a mais Heavy Metal do álbum, pois aqui as guitarras tomam seu lugar obrigatório de líder, deixando as orquestrações um pouco mais contidas. Encontramos nesta música de oito minutos referências ao Metal Extremo e vocais guturais, algo que faz lembrar Cradle Of Filth. Após o interlúdio "Iris", vem o Power Metal de "The Birth Of A Goddess", que é um manifesto pela causa LGBT.

Por fim, chega o clímax do disco. A épica, ousada e pomposa faixa-título de quase 40 minutos, subdividida em cinco atos, inspirada no mangá Sailor Moon, que narra a história de garotas adolescentes que possuem super-poderes e que lutam contra diversas instâncias malignas que se abatem sobre a Terra. Dentre cada um dos atos, o de número 3, "Infinity", destaca-se por dar espaço às guitarras, solos e bases, mandarem no pedaço. No ato 5, "Stars", a interação entre guitarras, orquestrações e vocais não é menos que perfeita. Um grandioso final! É digno de nota também a interpretação passional de Drake Chrisdensen, de fato um vocalista do mais alto gabarito e talento.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

A ressalva ao álbum fica por conta do fato de as orquestrações frequentemente soterrarem as guitarras, e até mesmo o fabuloso trabalho de bateria de Ícaro Ravelo. Certo que estamos tratando com Metal Sinfônico, e a proposta musical em si é nobre, de muito arrojo, que exige demasiado conhecimento musical e que aqui foi executada com extrema perícia. Temos aqui um grandioso e belo trabalho musical, que chega a emocionar. Por outro lado, não deixa de ser Heavy Metal! Portanto, as guitarras precisam assumir seus papeis de liderança. Senão, somente os entusiastas do estilo aguentarão ouvir um trabalho de uma hora e quinze minutos do gênero sinfônico. Aumentar o volume das guitarras e do baixo só surtirá um efeito muito maior no que o Ruins Of Elysium se propõe a fazer. O Heavy Metal tem essa capacidade de se adaptar perfeitamente as intenções de quem o usa como projeto musical.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Merece elogios o trabalho de produção e mixagem feitos pelo guitarrista Vincenzo Avallone, que já trabalhou também com o Hagbard, referência em se tratando de Metal orquestrado. E dá pra ouvir os 75 minutos de disco sem tirar os olhos da primorosa capa, arte de Wesley Sousa.

Metal Sinfônico é um terreno perigoso de se desbravar. Ou você é exímio, ou você será somente mais um a compor músicas maçantes. Felizmente, o Ruins Of Elyium faz parte do primeiro time, sendo muito mais que exímio. Apesar do detalhe das guitarras, encare sem receios esta viagem que é "Seeds Of Chaos And Serenity". Garanto que será uma experiência única, e que você nunca verá, nem ouvirá, nada semelhante.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Seeds Of Chaos And Serenity – Ruins Of Elysium (independente, 2017)

Tracklist:
01. Kama Sutra
02. Shadow Of The Colossus
03. Serpentarius
04. Beyond The Witching Hour
05. Iris
06. The Birth Of A Goddess
07. Seeds Of Chaos And Serenity:
Act I: Crystal
Arc II: Black Moon
Arc III: Infinity
Arc IV: Dreams
Arc V: Stars

Line-up:
Drake Chrisdensen – vocais
Vincenzo Avallone – Guitarras, baixo
Ícaro Ravelo – Bateria, Sintetizadores

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Mick Jagger: em cerimônia na escola do filho em São Paulo

Oh, não!: clássicos do Rock Heavy Metal e que foram "estragados" pelo tempo


Sobre Bruno Rocha

Cearense de Caucaia, professor e estudante de Matemática, torcedor do Ferroviário e cafélotra. Entrou pelas veredas do Heavy Metal na adolescência e hoje é um aficionado e pesquisador de todos os gêneros mais tradicionais desta arte e de suas épocas. Tem como forte o Doom Metal, não obstante o sol de sua terra-natal.

Mais matérias de Bruno Rocha.