Alírio Netto: Sonoridade suave e distante do rock em estreia solo

Resenha - João de Deus - Alírio Netto

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector's Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Alírio Netto possui uma longa folha corrida de serviços prestados ao metal nacional. Vocalista das bandas Khallice e Age of Artemis, construiu uma carreira sólida e conquistou admiradores em todo o país graças à técnica vocal diferenciada que sempre possuiu. Mais recentemente, Alírio fez parte do casting da versão brasileira do musical Jesus Cristo Superstar interpretando o papel de Judas Iscariotes, e também do musical We Will Rock You, onde interpreta o papel de Galileo nessa celebração à obra do Queen.

544 acessosAlírio Netto: vocalista fala do novo CD e dos trabalhos como ator5000 acessosFrances Cobain: "O Twitter deveria banir minha mãe"

"João de Deus" é o primeiro disco solo de Alírio Netto e foi lançado no final de 2016, mais precisamente dia 15 de dezembro, pela TRM Records. Ao contrário do que fez em toda a sua carreira, aqui Netto explora outro lado de sua personalidade musical, cantando em português e apostando em uma sonoridade bem mais suave. O disco foi produzido pelos irmãos Falaschi - Edu e Tito - e conta com participações especiais de Felipe Andreoli (Angra), Marcelo Barbosa (Angra), Tiago Mineiro e Milton Guedes (Rita Lee, Lulu Santos), além do próprio Tito Falaschi. Vale citar que o ex-vocalista do Angra, Edu Falaschi, além de assinar a produção também participa da composição de duas faixas, “Viver (One Love)” e “Nada Mais Importa”.

Musicalmente, é tudo muito bem feito e produzido, com tudo no lugar. A voz de Alírio surge cristalina e perfeita em cada faixa, realçando a capacidade do músico. As participações especiais são marcantes, como o belo solo de Marcelo Barbosa em “João de Deus, o piano de Tiago Mineiro em “Retratos” e o sax de Milton Guedes em “Nada Mais Importa”.

Quando aposta em uma sonoridade descaradamente pop, Alírio consegue fazer isso com bom gosto e alcança resultados agradáveis, como podemos conferir em “Viver (One Love)”, “O Palhaço” e “Nada Mais Importa”. No entanto, confesso que não curti muito as canções mais lentas como “De Sol a Sol” (versão de uma música do cantor mexicano Erik Rubin), “Retratos" e “Segredos”, que mesmo mantendo a excelência instrumental e interpretativa presente nas demais faixas do disco, acabaram soando excessivamente melosas aos meus ouvidos.

Trilhando de maneira corajosa um caminho totalmente oposto a tudo o que fez em sua carreira até agora, Alírio Netto mostra em "João de Deus" a capacidade que possui de experimentar novas sonoridades mantendo a qualidade que sempre marcou a sua carreira. É um trabalho que não agradará a todos os ouvidos, principalmente aos mais acostumados com sonoridades relacionadas ao rock.

Pessoalmente, achei um disco apenas mediano, mas acredito que quem é adepto de um som mais suave tem tudo pra curtir.

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de João de Deus - Alírio Netto

368 acessosAlírio Netto: João de Deus é pop, para ouvir a dois601 acessosAlírio Netto: Mostrando uma nova faceta de sua musicalidade

544 acessosAlírio Netto: vocalista fala do novo CD e dos trabalhos como ator0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Khallice"

Edu FalaschiEdu Falaschi
Os dez vocalistas brasileiros preferidos dele

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Alírio Netto"0 acessosTodas as matérias sobre "Khallice"0 acessosTodas as matérias sobre "Age Of Artemis"

Frances CobainFrances Cobain
"O Twitter deveria banir minha mãe"

Iron MaidenIron Maiden
Uma releitura de "The Trooper" pelo Cine

GorgorothGorgoroth
As orientações sexuais e políticas de Gaahl

5000 acessosMotorhead: Lemmy fala sobre ser solteiro para sempre5000 acessosIndústria: quanto $$$ ganham as bandas do "Time B" do Metal?5000 acessosScott Weiland: vocalista é encontrado morto em ônibus de turnê5000 acessosMulheres: 10 músicas que ajudarão a conquistá-las5000 acessosHeadbangers: o preconceito mostrado em vídeo bem-humorado5000 acessosTrollagem: quando as bandas decidem zoar com o playback

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online