Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemO álbum do The Who que Roger Daltrey achou "uma m*rda completa

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemAndreas Kisser explica por que o Sepultura mistura Metal com música brasileira

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemAndreas Kisser conta quais os dez álbuns que mudaram a sua vida

imagemDavid Bowie recusou (mais de um) convite para produzir o Red Hot Chili Peppers

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"


Airbourne 2022

Opeth: Novo álbum será referência na história da música pesada

Resenha - Sorceress - Opeth

Por Gleison Junior
Em 25/09/16

Nota: 9

São poucos os músicos que possuem a coragem de enfrentar mudanças drásticas no estilo musical de sua banda - ainda mais se essa mesma banda possuir uma gama grande de fãs e vários álbuns lançados com um estilo específico que os consagrou. Isso aconteceu com a banda Opeth, que acaba de disponibilizar o novo lançamento, o aguardado "Sorceress".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os fãs mais radicais aguardam ansiosos para que o líder do grupo, Mikael Åkerfeldt, resgate o peso e harmonias que consagraram o grupo, afinal, o Opeth foi uma das primeiras bandas a executar um Death Metal com vários elementos como Progressive, Jazz, Funk e outros estilos que casaram perfeitamente com a proposta da banda - basta escutar álbuns como "Black Water Park" (2001), "Deliverence" (2002) ou "Ghost Reveries" (2005) para perceber o quanto a mudança foi drástica a partir dos últimos três lançados.

Mikael Åkerfeldt é um gênio da nova era de headbangers e mais uma vez ele apresenta ao público um disco da forma que ele realmente quis escrever: sem guturais. Esqueça se quiser ouvir guitarras com palm muting e tremolo picking! Aqui ele, mais uma vez, abole o Death Metal e foca sua música no Progressive Rock.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Trata-se de uma continuação direta daquilo iniciado em "Heritage" (2011), que teve como proposta apresentar Progressive Metal, e que teve continuidade em "Pale Communion" (2014), que se calcou mais no Progressive Rock. Dessa forma, Mikael Åkerfeldt e cia. brindam o público com "Sorceress", confirmando definitivamente que o Opeth não é mais uma banda de Death Metal.

Ainda assim, diferente dos outros dois álbuns citados acima, em "Sorceress" podemos perceber que a banda inclui de forma mais participativa o órgão, fazendo com que a música soe ainda mais retrô e setentista.

Abre o álbum a bela introdução "Persephone", uma levada de violão que de imediato faz com que se crie o sentimento de se ouvir músicas regionais da Suécia.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Levando o nome do álbum, a música "Sorceress" tem em seu início uma levada bem suja e comandada pelo órgão. Após uma longa passagem, a música entra em uma melodia pesada, mas sem guturais, claro. É uma faixa densa e muito bem elaborada. Åkerfeldt conduz sua voz de forma livre, e a música possui o pode ser considerado a marca da banda, com quebradas de tempo, cordas dedilhadas em progressão e muito experimentalismo.

"The Wilde Flowers" é mais arrastada. Apesar de possuir todos os elementos que marcam a pegada experimentalista do conjunto na atualidade, a música confere uma fusão entre o Doom Metal e o Heavy Metal. A segunda parte é empolgante, sendo possível perceber a qualidade e a facilidade que os músicos criam as notas e variações. Fazem qualquer um ficar de queixo caído.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Uma doce levada de violão dá início à música "Will O The Wisp". A voz de Åkerfeldt é de uma leveza única aos ouvidos, tornando-se especialmente sublime com uma pegada na linha de Pink Floyd com toda a primeira parte sendo conduzida pelo violão, órgão e vocais aos coros de Ârkefeldt.

"Chrysalis" é uma obra de arte. Pesada e bem arquitetada, a música, ao longo de seus sete minutos, cria várias atmosferas que até o mais desatento ouvinte notará que são várias nuances e variações dentro de uma mesma música. Momentos rápidos, contratempos, elevações, progressões mais calmas, vocais dobrados, solo arrastado... esses são alguns dos elementos possíveis de se encontrar. Uma das melhores músicas feitas pela banda após assumir sua nova identidade!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Sorceress 2" é um prelúdio de aproximadamente quatro minutos utilizando de muitos elementos em reverb. Ela é levada apenas pelo violão, órgão e voz.

Com uma levada tribal, a faixa instrumental "The Seventh Sojourn" possui percussão e orquestra sinfônica. Cativante e sombria, a música é muito bem trabalhada e sua sonoridade é totalmente diferente de tudo já criado pelo Opeth.

Com quase nove minutos de duração, "Strange Brew" começa melancólica e depressiva. Pra quem curtir mais peso e emoção, a música a princípio começa chata e muitos podem passar ela logo no início, mas repare que aqui estamos falando de Opeth e por isso deve-se escutar até o fim. Após um quarto de música, ela infla incrivelmente, com destaque para todos os instrumentistas! Impressiona o quanto ela evolui dentro de si mesma. Eis aqui mais uma obra-prima!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Misturando elementos celtas, circenses e uma levada mais direta, "A Fleeting Glance" é mais calma e direta, mas a música possui a identidade do Opeth. Nas variações de tempos e contratempos, o grupo consegue impor sua marca e subir o clímax da canção.

A faixa "Era" possui uma intro em piano. Suave, a abertura pode indicar que algo mais calmo está por vir. Entretanto, a verdade vai muito pelo contrário – passado o início, uma avalanche de peso e muito virtuosismo é destilada. Trata-se de uma canção que possui uma base muito densa e pesada. Uma das mais diferentes e legais do álbum.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E, para encerrar, a repetição da mesma intro, "Persephone (Slight Return)".

Um fato a se deixar claro é que o Opeth hoje anda na linha entre o amor e o ódio. Afinal, não é qualquer um que muda drasticamente seu estilo e mantém sua personalidade firme. Esses suecos não têm medo de perder os fãs mais antigos, confia no seu trabalho e se abre à possibilidade de conquistar novos – o que efetivamente acontece.

Sem dúvidas, um álbum fantástico que será referência na história da música pesada.

Formação:
Mikael Åkerfeldt (vocais/guitarra);
Fredrik Âkesson (guitarra);
Martin Mendez (baixo);
Martin Axenrot (bateria);
Joakim Svalberg (teclados).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Faixas:
01 - Persephone
02 - Sorceress
03 - The Wilde Flowers
04 - Will O The Wisp
05 - Chrysalis
06 - Sorceress 2
07 - The Seventh Sojourn
08 - Strange Brew
09 - A Fleeting Glance
10 - Era
11 - Persephone (Slight Return)


Outras resenhas de Sorceress - Opeth

Resenha - Sorceress - Opeth

Resenha - Sorceress - Opeth

Resenha - Sorceress - Opeth

Resenha - Sorceress - Opeth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Metal Moderno: 5 bandas aptas a se tornarem clássicas


Garimpeiro das Galáxias: Beldades globais e sua paixão pelo rock


Sobre Gleison Junior

Casado, Pai do Gustavo e do Bernardo - Amante do bom e velho Rock and Roll - Apresentador do programa Roadie metal, A Voz do Rock e idealizador das coletâneas Roadie Metal, além de criar e administrar o site Roadie Metal!

Mais matérias de Gleison Junior.