RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemDeep Purple: David Coverdale revela quem quis como substituto de Ritchie Blackmore

imagem5 motivos para assistir ao novo RockGol 2023 que estreia em fevereiro

imagemProdutor da turnê de Paul Di'Anno explica problemas no primeiro show

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemClipe de "From The Ashes" ultrapassa 1 milhão de views e Fernanda Lira celebra

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical


Stamp

Anubis: O segundo álbum dos australianos

Resenha - A Tower of Silence - Anubis

Por Tiago Meneses
Postado em 25 de maio de 2016

Nota: 9

"A Tower os Silence" é o segundo álbum dos australianos da ANUBIS. Um país que apesar de pouco conhecido por exportar bandas de rock progressivo, mostra que também possui o seu valor dentro do gênero. Como é costume da banda, a música é liderada principalmente por fortes guitarras e sintetizadores. Às vezes com assinaturas de tempos complexos e em outras vezes a melodia domina com uma progressão de acordes mais simples. O álbum possui paisagens sonoras de temas pungentes e também gloriosas e longas pausas instrumentais. A banda agracia o ouvinte com uma variação de tons tensos e menos tensos sob uma atmosfera sonora que varia o estilo entre o de bandas clássicas sinfônicas e bandas de Neo-Prog.

O álbum é conceitual onde o tema é sobre uma garota de 11 anos presa em um limbo e que viveu e morreu em um asilo para menores na Inglaterra do século 19. Então que muitos anos depois, um grupo de adolescentes invade um dos edifícios abandonados, mais precisamente na parte das enfermarias e começam uma sessão de um jogo levando à aparição da garota, que passa a contar sua vida, morte e sua incapacidade de passar para qualquer forma de vida após a morte. O álbum pode servir como uma metáfora sobre qualquer tipo de aprisionamento, seja depressão, perda ou doença terminal. O tema de ser apanhado entre dois lugares no desconhecido é o conceito central. No caminho, o álbum aborda a alienação, a divisão social entre ricos e pobres e até mesmo o próprio conceito de vida após a morte.

O álbum começa através de "The Passing Bell', uma peça épica simplesmente majestosa. Uma avalanche de estruturas magníficas, cheias de momentos ímpares e fluindo de maneira orgânica abrangendo muitas ressonâncias emocionais. Particularmente adoro a forma como a faixa muda os seus segmentos. Algumas passagens nos fazem remeter a KING CRIMSON, outros momentos mais suaves a PINK FLOYD, coros ao estilo GENESIS de ser, enfim, mas sempre soando do seu jeito e jamais simplesmente emulando esse e/ou outros grandes medalhões. Todos os instrumentos executados de forma inspirada sob um vocal bastante emotivo. Mas vale destacar principalmente a partir de por volta dos treze minutos em que uma guitarra gilmouriana toma a frente em um solo lindo sobre um belo piano e a faixa finaliza em uma harmonia hipnotizante.

"Archway of Tears" começa com um delicioso trabalho acústico. Possui uns vocais limpos, apaixonados e vibrantes. Tem clara influência em bandas de neo progressivo como IQ, ARENA e PENDRAGON. Frases acústicas casam muito bem com o mellotron. Música de cadencia simples, mas não deixa de ser uma ótima faixa.

"This Final Resting Place" é uma música de melodia forte. Um órgão faz excelente cama de fundo. A faixa possui um som dinâmico que é gerado utilizando várias camadas instrumentais desde o já citado órgão, aliado a outros timbres de teclas e uma guitarra poderosa. Glockenspiel também da um toque agradável. Trata-se da música do álbum com maior reflexão sobre a morte.

"A Tower of Silence", música homônima ao álbum, é uma faixa melancólica com letras fortes sobre a tragédia da morte e do espírito que olha em silêncio para fora de sua torre invejando os seres humanos que vivem. Inicia com um bonito piano, uma guitarra sobre um órgão exuberante também dão o tom enquanto a percussão vai se moldando. Possui uma mudança de camadas de picking guitar e sintetizadores acústicos. A letra é sobre a forma que lidamos com a dor e como o tempo tem o poder de ameniza-la. É uma faixa de musicalidade bem dentro do conceito do álbum, onde sentimos a tristeza e reflexões de um espírito que está preso em uma tumba sepulcral e não é capaz de detectar os sentidos humanos. Uma canção assombrosa que tem o poder de crescer cada vez mais em quem a ouve.

A faixa mais curta do álbum é "Weeping Willow". Possui uma bela musicalidade, harmonias suaves, melodia extremamente agradável principalmente por parte dos vocais quando cantados em camadas. Também carrega uma sonoridade space pontuada por uma guitarra acústica e teclados atmosféricos.

"And I Wait for my World to End" inicia-se através de uma sonoridade espacial e que logo dá início a um forte riff de guitarra, um baixo pulsante alem da bateria enérgica em um tempo incomum. Tem uma melodia memorável em uma ponta incrível com guitarra distorcida e um vocal aos moldes de ROGER WATERS em sua maneira mais "maníaca" de cantar. O refrão gruda facilmente na cabeça. Excelente faixa.

[an error occurred while processing this directive]

"The Holy Innocent" é uma música de mudança métrica com um ritmo constante. Aqui é um lamento da protagonista implorando desesperadamente por ajuda devido ao fato de não conseguir ouvir uma voz que a chame e a leve pra um lugar melhor, ficando somente paralisada. Possui um piano lindo unido a uma guitarra igualmente bela que cria uma atmosfera extremamente melancólica. A música carrega uma mistura de PORCUPINE TREE e IQ em determinadas partes. Carrega instrumentação forte e vocais emotivos de uma personagem que está presa e enterrada pra sempre em um mundo agoniante. A música termina com um solo de saxofone simplesmente sensacional, levantando a faixa a outro nível, trazendo sem sombra de dúvidas a parte mais bela de todo o álbum, transformando essa canção em um clássico da banda. A forma como o saxofone e teclado vão desaparecendo remete um pouco ao usado pelo PINK FLOYD em Money. Um momento apoteótico.

[an error occurred while processing this directive]

O álbum finaliza com a faixa "All That Is". É uma suíte dividida em três partes. A primeira, "Light of Change", tem como instrumento dominante o mellotron até que entram riffs mais acentuados de guitarra e uma bateria esporádica. Também possui vocais reflexivos e um órgão hammond que complementam bem a música, alem de sintetizadores oníricos que conduz a faixa para a segunda parte. O segundo capítulo, "The Limbo of Infants", é a parte mais simples, possui uns vocais de boa cadência, enérgicos, pouco depois a música sofre outra quebra pra que entre na última parte. "Endless Opportunity" finaliza a faixa e o álbum. Possui ótimas entonações corais, lindas harmonias em crescente fazendo desse final algo espiritualmente edificante. Ótimo solo de guitarra seguido de um belo coral. Tudo soa como se finalmente os anjos tivessem chegado e libertado o espírito sepultado.

[an error occurred while processing this directive]

Um álbum belíssimo de narrativa extremamente condizente com sua musicalidade. "A Tower of Silence" é uma peça pouco conhecida, mas com potencial de se tornar um verdadeiro clássico do rock progressivo sinfônico.

MÚSICOS:
Robert James Moulding - vocal, guitarra, teclados adicionais
Douglas Skene - guitarra elétrica, backing vocals
Dean Bennison - guitarra acústica, clarineta, backing vocals
David Eaton - teclado, backing vocals
Nick Antoinette - baixo, backing vocals
Steven Eaton - bateria, percussão, backing vocals

CONVIDADOS:
Martin Cook - flauta (faixa 4), saxofone (faixa 4 e 7)
Becky Bennison - vocal adicional (faixa 8)
Katrina Shaw - vocal adicional (faixa 8)

[an error occurred while processing this directive]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps



LGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais

LGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Tiago Meneses

Um amante do rock em todas as suas vertentes, mas que desde que conheceu o disco Selling England by the Pound do Genesis, teve no gênero progressivo uma paixão diferente.
Mais matérias de Tiago Meneses.