Mavis Staples: Paz e esperança em meio ao turbilhão

Resenha - Livin' On A High Note - Mavis Staples

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por André Espínola
Enviar Correções  

No ano passado, a histórica sambista brasileira Elza Soares recebeu uma série de composições inéditas feitas especialmente para serem cantadas por ela; o resultado dessa parceria foi o incrível álbum A Mulher do Fim do Mundo, aclamado pela crítica. O mesmo aconteceu com Mavis Staples, que recebeu de vários compositores as músicas do seu novo álbum, Livin’ On A High Note, lançado em 19 de fevereiro. Assim como Elza Soares no Brasil, Mavis Staples é uma cantora histórica, com mais de sessenta anos de carreira, contando com os anos que era a líder da banda da sua família, Staple Singer. Os últimos anos tem sido especiais para Mavis, que ressurgiu com uma sequência de ótimos álbuns, tendo vencido inclusive um Grammy com You Are Not Alone, de 2010, seguido por One True Vine, de 2013, ambos produzidos pelo líder da banda indie Wilco, Jeff Tweedy. Embora a parceria tenha funcionado muito bem, Mavis Staples optou por mudar de produtor para Livin’ On A High Note, escolhendo M. Ward, incorporando mais o blues, soul e folk. Ward ficou incumbido de coletar músicas de diferentes compositores feitas exclusivamente para serem cantadas por Mavis. Dentre os que entraram na brincadeira estão nomes como Nick Cave, Ben Harper, Justin Vernon (Bon Iver), Neko Case, M. Ward, Tune-Yards e Son Little. O resultado ficou esplêndido. Além da potente voz da cantora de 76 anos, as temáticas das letras são outro ponto forte de Livin’ On A High Note; são problemáticas atuais, baseadas no que está acontecendo no mundo hoje, que a música, se não pode curá-las, pode transmitir energias e mensagens que podem ajudar as pessoas a lidar com as situações. Na maioria das vezes, o disco também é bastante positivo, esperançoso, acreditando num futuro melhor para todos nós se formos fortes, solidários e determinados o suficiente para agirmos de acordo com nossas possibilidades.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A primeira música é "Take Us Back", composta por Benjamin Booker, uma música para espantar o desânimo de qualquer um. Com ritmo acelerado e funky, Mavis agradece o apoio e o amor das pessoas, amigos e familiares, que ajudam na vida, sobretudo nos momentos de preocupação e dúvida, e nos mantém com vontade de seguir. "I've got friends and I've got, I've got Family I've got help from all the people who love me", canta Mavis no refrão. A faixa seguinte, escrita por Ben Harper, "Love And Trust", as duas coisas que todos buscam incessantemente, seja o juiz ou o criminoso, o pecador ou o padre. "Haven't we suffered, suffered enough Now we're out here tryin' to find some love and trust".

publicidade

Uma das mais belas músicas do álbum é "If It’s A Light", quase como uma prece, uma mantra para que a ínfima luz que surge não se apague. Temas políticos também ocorrem em Livin’ On A High Note, como é o caso de "Action", composição de Merrill Garbus, na qual Mavis conclama a todos que estão cansados de ficarem cansados, todos os que estão com medo para a ação política de fato. Foi inspirada pelos recentes episódios de violência policial contra a população negra dos Estados Unidos e pelo movimento ativista Black Lives Matter. "Consider this a sign of an emergency who's gonna do it if I don't do it?". A voz pertence somente a uma das pessoas que estavam com Martin Luther King no movimento pelos direitos civis na década de 60. Ela sabe do que fala. "Don’t Cry" começa como um gospel acústico, mas depois acelera o ritmo numa conjunção de sons. É uma música de resistência contra todos que lhe querem fazer mal, que querem lhe usar, afinal, "It's your innocent blood they want, it's your innocent mind".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Tomorrow" é mais uma música com mensagem positiva, otimista, de esperança. "Dedicated", composta por Justin Vernon e M. Ward, também trata de superação, mas desta vez no âmbito dos relacionamentos. Aí finalmente chega na melhor música do álbum, em relação a letra, à música, tudo: "History, Now", escrita por Neko Case, Laura Veirs e Donny Gerrard; a letra é uma aula de noção da história, quais as lições tiramos dela e como iremos pautar nossas atitudes no presente. Infelizmente é a mais curta música do álbum, passando pouco dos dois minutos. A letra é toda incrível, daqueles que apenas fechamos os olhos e sentimos o impacto de cada verso:

"Born into a fight
An inherited war
Born to children left over from wars before wars and the wars before

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

You do see a pattern right
Yet somehow our love doesn't die
What do we do
With this history now
Do we go in like a surgeon
Do we go in like a bomb
How do we dismantle the sorrow and rage
And pick up our scars off the ground
Those girls and boys who died and lived for us
So we could speak and love and be with you now"

As duas últimas músicas também são de tirar o fôlego. Em "Jesus Lay Down Beside Me" a imagem é surpreendente: o desespero é tão grande que ela está suplicando a Jesus para que se deite junto com ela para descansar diante de tanta preocupação e tristeza, já que a Sua verdade não foi ouvida e agora estamos num mar de ganância e desamor. Aqui Jesus é quem está desolado e necessitando de ajuda, de um refúgio. Lindo e triste. Para fechar o álbum, a acústica "MLK Song" (as iniciais de Martin Luther King) é formada por palavras tiradas de um discurso de Dr. King, chamado "The Drum Major Instinct", proferido em 1968, que conclama todos para os sentimentos de solidariedade, de cristianismo, de justiça, cada um fazendo sua parte na construção de um mundo melhor, na marcha pela paz, já que, como Mavis diz: "And in the march for peace tell them I played the drum".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Livin’ On a High Note está enquadrado no contexto de reação dos representantes da comunidade negra dos Estados Unidos de se levantar e denunciar a ultrajante violência sofrida pelos seus jovens. O fato de vir de uma remanescente dos movimentos de luta pelos direitos civis da década de 60 torna a mensagem ainda mais marcante para os mais novos. A julgar por Livin’ On A High Note, Mavis Staples ainda tem muito que dizer. Voltando ao paralelo com Elza Soares, se em 2015 Elza Soares foi a Mulher do Fim do Mundo, na esfera profana, então Mavis Staples é a Mulher do Fim do Mundo na esfera do sagrado. Mavis Staples oferece pouco de paz e esperança em meio ao turbilhão.

01. Take Us Back (Benjamin Booker)
02. Love and Trust (Ben Harper)
03. If It’s a Light (The Head and the Heart)
04. Action (tUnE-yArds)
05. High Note (Valerie June)
06. Don’t Cry (M. Ward)
07. Tomorrow (Aloe Blacc/John Batiste)
08. Dedicated (Justin Vernon/M.Ward)
09. History Now (Neko Case)
10. One Love (Son Little)
11. Jesus Lay Down Beside Me (Nick Cave)
12. MLK Song (M. Ward / Martin Luther King)

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Top 5 Pantera: About.com elege os cinco melhores álbuns da bandaTop 5 Pantera
About.com elege os cinco melhores álbuns da banda

Rede Globo: em 1985, explicando o que são os metaleirosRede Globo
Em 1985, explicando o que são os metaleiros


Sobre André Espínola

André Espínola, recifense, estudante de História e apaixonado por música, quer levar um pouco de sua paixão para os outros, resenhando sobre novos lançamentos e pagando tributo aos clássicos e às nossas raízes musicais, sobretudo o Blues, Rock e Jazz, cuja missão básica é dizer aos quatro cantos: "a boa música nunca morrerá!". Possui o blog Filho do Blues, onde escreve e edita textos sobre as novidades musicais do mundo do rock, indie e blues.

Mais matérias de André Espínola no Whiplash.Net.

Cli336 WhiFin Goo336 Goo336 Cli336 Goo728 Goo336