Arnaldo Baptista: o gênio passado a limpo

Resenha - Box Arnaldo Baptista - Arnaldo Baptista

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Claudinei José de Oliveira
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Em edição limitada, o "box" "Arnaldo Baptista" traz, novamente, à luz do dia a obra de um dos mais inventivos e ousados músicos brasileiros de todos os tempos, nos brindando com uma arte que, para o bem ou para o mal, ainda incomoda e, melhor, ainda surpreende.

O ano de 2015 poderá ser lembrado, pelos apreciadores da boa música, como o ano em que o rock nacional teve uma de suas maiores injustiças corrigidas: o lançamento, em CD, da obra (quase que) completa do eterno mutante Arnaldo Baptista. Embora em "edição limitada" (portanto é bom os interessados agirem rápido), a "caixa" "Arnaldo Baptista" traz cinco dos seis álbuns gravados pelo ex-Os Mutantes até agora, em embalagem "digipack", encarte com letras das músicas, ficha técnica das gravações e, na medida do possível, a reprodução da arte gráfica original.

Começando com a obra-prima "Loki?", lançado no ano de 1974, no meio da turbulência de sua saída dOs Mutantes e do fim do casamento com Rita Lee, o álbum é centrado no piano e conta com a participação de Dinho e Liminha, na época, bateria e baixo de sua ex-banda. Apesar de musicalmente acessível, as letras já indiciavam uma idiossincrasia que só iria se fortalecer nos próximos anos. Mesmo nos momentos supostamente mais descontraídos como, por exemplo, em "Vou Me Afundar Na Lingerie" e em "Cê Tá Pensando Que Eu Sou Loki?" é a voz de alguém arrastando uma dor maior que o mundo que ouvimos.

Em seguida, pela ordem da data de gravação, já que ambos foram lançados somente em 1988 pelo selo Vinil Urbano vem os dois álbuns com a banda Patrulha Do Espaço: "Elo Perdido", gravado em em estúdio, em 1977 e "Faremos Uma Noitada Excelente", gravado ao vivo em 1978. Um "progressive hard'n blues rock" dá a tônica em ambos e nos faz imaginar quais rumos a banda poderia ter tomado se a genialidade de Arnaldo não caminhasse sobre os muros da instabilidade emocional. A se lamentar, somente o fato da arte da capa do primeiro ter se perdido e, assim, não ter sido reproduzida e a belíssima capa do "ao vivo" ter sido aproveitada somente no encarte. Ainda sobre o Elo Perdido, há, nele, a adição de cinco faixas bônus aproveitadas de uma gravação em cassete, apelidada pelo próprio Arnaldo de "Elo Mais Que Perdido".

No ano de 1982, com a ajuda de de Luiz Calanca, Arnaldo gravou praticamente sozinho o álbum "Singin' Alone", já resenhado no link abaixo e lançado, de maneira independente, pelo selo da loja de discos de Luiz, a Baratos Afins. Aqui, a idiossincrasia de Arnaldo chega às últimas consequências, tanto que é praticamente impossível definir o álbum com adjetivos convencionais, usualmente utilizados na crítica musical.
650 acessos"Singin' Alone": Arnaldo cantando (e tocando) sozinho

Por último, temos "Let It Bed", lançamento encartado na revista "Outracoisa" de Lobão, no ano de 2004, contando com a produção e a colaboração de John Ulhoa, guitarrista da banda Pato Fu. Quem acompanha a trajetória de Arnaldo sabe que a música para ele é hoje, acima de tudo, assim como a pintura, uma terapia. Ele carrega gravíssimas sequelas de um "acidente" sofrido durante uma de suas muitas internações, logo após as gravações de "Singin' Alone". Devemos ter isso em mente ao ouvir seu último álbum, onde, agora, as idiossincrasias são imposições de seus limites. Porém, em relação a Arnaldo, nunca se sabe. Talvez ele esteja vivendo no mundo que, através dos excessos de sua vida e de sua arte, incansavelmente buscou. Perfeitamente possível em se tratando de alguém capaz de ir para o outro lado e voltar.

Ficou faltando, para a obra ser completa, "Disco Voador", também produzido por Calanca e, também lançado pela Baratos Afins em 1986, logo após sua convalescença e, portanto, ainda mais marcado pelas sequelas e por um minimalismo musical que chegas às raias do infantil.

Gravadora: Canal 3

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Pra discutirPra discutir
Os 100 melhores discos do rock brasileiro

275 acessosArnaldo Baptista: unboxing da reedição do "Loki?" em vinil589 acessosArnaldo Baptista: "'Loki' é estupefaciente"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Mutantes"

IntrigasIntrigas
Bandas em família que terminaram mal

Copa do MundoCopa do Mundo
Mojo elege as 15 canções mais incríveis do Brasil

Rock ProgressivoRock Progressivo
10 álbuns mais underrated da década de 70

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Arnaldo Baptista"0 acessosTodas as matérias sobre "Mutantes"

Indústria musicalIndústria musical
Sete coisas que um músico não quer ouvir

SepulturaSepultura
Avisem o Eloy que ignorância tem limite (no bom sentido)

Collectors RoomCollectors Room
Coleção de Metallica com 16 versões apenas do "Ride"

5000 acessosAxl Rose: sugerindo prática oral sexual a Paul Stanley5000 acessosIron Maiden x Justin Bieber: o que separa os homens dos moleques?5000 acessosBehemoth: Nergal mitando em foto no Aeroporto de Guarulhos5000 acessosMonsters of Rock: o que o festival nos ensina sobre preconceito5000 acessosOzzy Osbourne: pedindo stripper em casamento no réveillon4402 acessosRichie Faulkner: ao invés do Judas Priest, ele poderia ter ido para o Iron Maiden?

Sobre Claudinei José de Oliveira

Claudinei José de Oliveira é graduado em História e aproveita o tempo vago para ouvir, ler e escrever rock´n´roll e conversar com seus cachorros. Criou e mantém o blog rollandorocha.blogspot.

Mais matérias de Claudinei José de Oliveira no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online