Stratovarius: Por enquanto, o melhor da era Kupiainen

Resenha - Eternal - Stratovarius

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar Correções  

9

O Stratovarius deixa sua marca em 2015 com seu décimo quinto álbum de estúdio, Eternal, reafirmando sua sina de discos com títulos de sete letras. A obra foi anunciada com base num estranho discurso de "estamos há muito tempo sem lançar nada", mesmo que ele venha só um pouco depois do intervalo médio de um trabalho a cada dois anos, regularidade mantida desde a entrada do guitarrista Matias Kupiainen.

MMA: os lutadores que curtem Rock e Heavy Metal

Cover: 15 bandas que são quase tão boas quanto o original

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Eternal marca o segundo disco consecutivo em que o ex-guitarrista do Sonata Arctica, Jani Liimatainen, participa do processo de criação. Desta vez, sua contribuição foi tamanha - coescreveu todas as letras e três das faixas - que eu me pergunto por que não o chamam logo para ser o segundo guitarrista da banda.

O grupo sabiamente escolheu "My Eternal Dream" como faixa de abertura, e, mais sabiamente ainda, escolheu-a também para receber um vídeo (veja abaixo). Foi a melhor opção porque é uma canção que resume bem a proposta do álbum, que é recuperar de vez aquela energia dos anos 1990 e misturar com toda a modernidade apresentada nos últimos anos. Tal direcionamento foi provavelmente adotado após a banda fazer alguns shows especiais do clássico Visions (1997) - com efeito, anotações no encarte do disco dão conta que a resposta do público às apresentações foram a faísca que precisavam para entrarem no estúdio.

As demais faixas apresentam aquela variabilidade típica dos trabalhos do quinteto. Lauri Porra deixa sua marca com a lenta "Lost Without a Trace", com seus já característicos riffs marchantes. O começo até lembra um pouco "Fantasy", do Nemesis, também criada pelo baixista. As destoantes "Man in the Mirror" e "Fire in Your Eyes" deixam claro que são composições da lenda dos teclados Jens Johansson. O encerramento "The Lost Saga", com mais de 11 minutos, não deve muito para outras épicas como "Visions", "Infinity" e "Elysium", fechando tudo com chave de ouro.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ou quase tudo: como faixas bônus, temos ainda mais duas contribuições de Jens: "Giants", um típico trabalho de power metal que não merecia absolutamente estar fora da lista de faixas regular; e "Endless Forest" - esta sim exótica demais, tocada aparentemente por Jens sozinho, e que ficaria mais apropriada num lançamento solo do tecladista sueco do que aqui, como bônus.

Salvo "The Lost Saga", que trata de vikings e batalhas, as letras de Eternal não trazem nada de muito surpreendente. Temas como a influência da mídia e a destruição da natureza são evocados novamente em "Rise About It" e "Feeding the Fire", assuntos já bem clichês, mas que deixam a banda bem à vontade. Angústias e fortes emoções passam por "Shine in the Dark", "Lost Without a Trace" e "In My Line of Work".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como um todo, Eternal parece uma continuação natural de Stormcrow, do Cain's Offering, lançado no último mês de maio. Nada a se estranhar, uma vez que Jens, Jani e o vocalista Timo Kotipelto também trabalharam nele. Temos aqui a mesma atmosfera bombástica e épica que fez daquele um dos melhores lançamentos do ano, como podemos constatar em "Shine in the Dark", "In My Line of Work" e "Few Are Those", coassinadas pela dupla Kotipelto/Liimatainen. "My Eternal Dream" é obra de Matias, mas parece ter bebido bastante da influência de Stormcrow também.

Tudo isso faz de Eternal o melhor produto da era Kupiainen. Sem desmerecer seus três antecessores, é claro; eles não só trazem faixas excelentes, como foram essenciais para moldar esse novo som que o quinteto vem fazendo para se adaptar às guitarras do jovem Matias. A verdade é que eles evoluíram de lançamento em lançamento, recuperando-se totalmente da saída do líder Timo Tolkki.

Não há motivos para não achar este um bom álbum. Isso nem precisa entrar no mérito da chatice da guerra Tolkkietes vs não-Tolkkietes, é questão apenas de saber apreciar cada uma das doze canções e entender que o quinteto cumpre seu papel e entrega aquilo (ou até mais) que a média dos fãs esperaria.

Abaixo, o vídeo de "My Eternal Dream":

Track-list:
1. "My Eternal Dream"
2. "Shine in the Dark"
3. "Rise Above It"
4. "Lost Without a Trace"
5. "Feeding the Fire"
6. "In My Line of Work"
7. "Man in the Mirror"
8. "Few Are Those"
9. "Fire in Your Eyes"
10. "Lost Saga"
11. "Giants" (faixa bônus)
12. "Endless Forest" (faixa bônus)


Outras resenhas de Eternal - Stratovarius

Resenha - Eternal - Stratovarius

Resenha - Eternal - Stratovarius




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


MMA: os lutadores que curtem Rock e Heavy MetalMMA
Os lutadores que curtem Rock e Heavy Metal

Cover: 15 bandas que são quase tão boas quanto o originalCover
15 bandas que são quase tão boas quanto o original


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280