Dead Fish: Permanecer de pé até o fim!

Resenha - Vitória - Dead Fish

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Artie Oliveira
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Depois de seis anos desde o último álbum, Contra Todos, e algumas mudanças na formação, finalmente o Dead Fish lançou um disco novo, intitulado "Vitória" que representa uma lufada de ar fresco na banda, pois agora os quatro não são mais artistas da Deckdisc e, com isso, lançaram campanha no Catarse.me para financiar sua nova produção, batendo recorde de arrecadação.

Porão do Rock: remarcado para outubro, festival anuncia novas atrações para 2019AC/DC: prostitutas revelam as esquisitices de Phil Rudd

Assim como todos os trabalhos anteriores, este também conta com 14 faixas com pouco mais de meia hora de duração, tratando dos mesmos assuntos falados pela banda desde 1991: contestação política e social, o que é mostrado de forma mais pessoal nas letras, a exemplo de "Jogajogo", "912 Passos" e a faixa-título "Vitória".

Este é o primeiro registro em estúdio do baterista Marcão Melloni (Ação Direta) e do guitarrista Ric Mastria (Sugar Kane), que mostram competência em suas funções tão bem quanto seus antecessores. Com produção de Fernando Sanches, do Estúdio El Rocha, Vitória é o sétimo disco de inéditas (oito se contar também o "Metrofire", lançado em 2002, sob a alcunha de Projeto Peixe Morto) e mostra um Dead Fish mais afiado do que nunca e ligado no que acontece no dia a dia, o que é retratado na penúltima faixa, "Gigante e Inseguro", que retrata os rumos tomados pelas chamadas "Jornadas de Junho" e suas tristes conseqüências.

Lançado em CD e Vinil pelo selo paulista Red Star Recordings, este novo trabalho do Dead Fish mostra, acima de tudo, que depois de mais de vinte anos de banda, os quatro integrantes ainda estão aqui, firmes e fortes, compondo, tocando e acreditando num tipo de música que muito moleque ao atingir a idade adulta, considera coisa de criança. A longevidade da banda se resume no que literalmente diz o refrão da faixa-título: "Permanecer de pé/De pé até o fim".

Tracklist:

01. Selfegofactóide
02. Jogojogo
03. 912 Passos
04. Nous Sommes Les Paraibes
05. Sem Sinal
06. Lupita
07. Cara Violência
08. Obsoleto
09. Kryptonita
10. Vitória
11. Procrastinando
12. Sausalito
13. Gigante e Inseguro
14. Pontilhão


Outras resenhas de Vitória - Dead Fish

null




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dead Fish"


Porão do Rock: remarcado para outubro, festival anuncia novas atrações para 2019Panelaço: João Gordo apresenta Mundano e Rodrigo Lima, do Dead Fish

Quadradinho de oito hardcore no show do Dead FishQuadradinho de oito hardcore no show do Dead Fish
Quadradinho de oito hardcore no show do Dead Fish

Dead Fish: A proposta mais indecente que a banda já recebeu pelo FacebookDead Fish
A proposta mais indecente que a banda já recebeu pelo Facebook


AC/DC: prostitutas revelam as esquisitices de Phil RuddAC/DC
Prostitutas revelam as esquisitices de Phil Rudd

Bandas: Audiófilos elegem as maiores da história do rockBandas
Audiófilos elegem as maiores da história do rock

Top 5: Os roqueiros mais chatos da históriaTop 5
Os roqueiros mais chatos da história

Steven Tyler: "nunca esquecerei a audição para o Zeppelin"Iron Maiden: a concepção original de EddieMetallica: os números explicam porque eles são a maior banda de metal da históriaAxl Rose: o equívoco na escolha da capa de "Use Your Illusion"

Sobre Artie Oliveira

Campineiro de vinte e poucos anos que tá nesse negócio de roquenrou independente desde os 16 e não pretende picar a mula tão cedo.

Mais matérias de Artie Oliveira no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336