Dimmu Borgir: A obra prima "Puritanical Euphoric Misanthropia"

Resenha - Puritanical Euphoric Misanthropia - Dimmu Borgir

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Edilson Luiz Piassentini
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Os noruegueses do Dimmu Borgir haviam lançado o álbum Enthrone Darkness Triumphant em 1997, grande clássico da banda até aqui, e o excelente Spiritual Black Dimensions em 1999.

Dimmu Borgir: veja drumcam de música no Rockstadt Extreme FestivalOzzy Osbourne: Sharon conta como o Madman tentou assassiná-la

Sempre executando um black metal melódico, com alternâncias entre vocais guturais e limpos, com riffs e solos matadores e ao mesmo tempo melódico, com belas passagens de teclados, atmosferas viajantes, uma bateria destruidora e ao mesmo tempo cadenciada, elementos que não são comuns quando falamos de black metal.

Pois bem. Puritanical Euphoric Misanthropia surge para se firmar como maior clássico da banda. Produção impecável, com excelentes músicos e ótimas composições, e com parceira de alguns músicos da orquestra de Gotemburgo.

O álbum começa a obscura introdução Fear and Wonder, digna de filmes de terror, nos preparando para os petardos que vem a seguir.

Difícil apontar destaques, pois todas as musicas são dignas de nota 10, mas aqui vai algumas.

Blessings Upon the Throne of Tyranny inicia os trabalhos, sendo uma das destaques do álbum, seja pela extremidade musical quanto pelas interpretações do vocalista Shagrath.

A próxima pode ser considerada a melhor música já composta pelo Dimmu Borgir. Kings of the Carnival Creation, com um breve introdução sombria, mostra os trabalhos de riffs pesados misturados com uma bateria quebrada, seguida de muita extremidade já ouvida na faixa anterior, sem contar com os belos trabalhos de teclado. Grande destaque da música são as passagens de vocais limpos, executadas pelo baixista Vortex.

Seguindo a mesma linha, a faixa Puritania vem acompanhada de orquestrações muito bem elaboradas. Sympozium resume bem a proposta da composição de todo o álbum. Uma música extrema, com belos trabalhos dos vocais, recheada de riffs melódicos, teclados psicodélicos, bateria fulminante e uma bela performance orquestral.

Para fechar o álbum, um belo cover do Twisted Sister, com a música Burn In Hell.

O Dimmu Borgir vem mostrando ao passar dos tempos o porque é considerado o maior ícone do black metal melódico. Puritanical Euphoric Misanthropia é uma obra de arte, e mesmo que você não curta o estilo, é de extrema importância ter o álbum em sua coleção, pois com certeza não se arrependerá do que vai ouvir.

Dimmu Borgir - Puritanical Euphoric Misanthropia
Ano: 2001
Gravadora: Nuclear Blast


Outras resenhas de Puritanical Euphoric Misanthropia - Dimmu Borgir

nullnullnullnull



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dimmu Borgir"


Dimmu Borgir: veja drumcam de música no Rockstadt Extreme FestivalDimmu Borgir e Amorphis: anunciada tour conjunta pela Europa

Dimmu Borgir: cancelada apresentação no festival BloodstockDimmu Borgir
Cancelada apresentação no festival Bloodstock

Dimmu Borgir: Death Cult Armageddon é apocalipse na forma de músicaDimmu Borgir: A banda no auge de sua criação...

Rock/Metal: 7 nomes de bandas que você pronuncia errado, parte 2Rock/Metal
7 nomes de bandas que você pronuncia errado, parte 2

Dimmu Borgir: acusando rapper alemão por plágio pela segunda vezDimmu Borgir
Acusando rapper alemão por plágio pela segunda vez

Dimmu Borgir: biquini from-hell para fãs da bandaDimmu Borgir
Biquini from-hell para fãs da banda


Ozzy Osbourne: Sharon conta como o Madman tentou assassiná-laOzzy Osbourne
Sharon conta como o Madman tentou assassiná-la

Separados no nascimento: sou só eu, ou eles são parecidos?Separados no nascimento
Sou só eu, ou eles são parecidos?

Lars Ulrich: jucando no camarim do Guns N' RosesLars Ulrich
Jucando no camarim do Guns N' Roses

Eagles: o significado da clássica "Hotel California"Regis Tadeu: Los Hermanos fez um tremendo mal ao rock brasileiroMötley Crüe: Vince Neil não se desculpou por sexo com namorada de Tom ZutautSammy Hagar: ego fora de controle ou mentiroso descarado?

Sobre Edilson Luiz Piassentini

Amante do metal desde os 13 anos de idade, fã indiscutível de King Diamond e Mercyful Fate, e também um grande apreciador das cervejas estilo Weiss e um dos editores do site Rock N'Breja! Rock e Cerveja, a combinação perfeita.

Mais matérias de Edilson Luiz Piassentini no Whiplash.Net.